terça-feira, 21 de novembro de 2017

Desafio musical | Dia 21 - Uma música que tem o nome de alguém no título

Fado ao Centro
Fado de Inês

Por detrás da tela | "É a vida!"

Classificação: 6/10 estrelas

Tenho a opinião deste filme há imenso tempo atrasada. O tempo tem sido escasso para consegui colocar tudo em dia.
É a vida foi um filme que passou num sábado à tarde na televisão e eu aproveitei para ver.

É um filme muito descontraído com um enredo pouco complexo e com alguns momentos de diversão. Aqui conhecemos a história de dois solteiros dedicados às suas profissões que, de um momento para o outro, se veem obrigados a cuidar da afilhada que têm em comum. 

É um comédia romântica ideal para aqueles dias em que queremos desligar do mundo e do stress, oferecendo-nos um pouco de diversão. 

domingo, 19 de novembro de 2017

Desafio musical | Dia 19 - Uma música que te faz pensar na vida

Yiruma
When the love falls

Opinião | "Morte súbita" de J. K. Rowling

Morte Súbita
Classificação: 2 Estrelas

Este foi o livro que demorei mais tempo a ler durante este ano (espero não repetir nova proeza de estender a leitura de um livro durante 3 semanas). Foi uma leitura bastante aborrecida e custou-me imenso ler. Só senti algum interesse nas últimas 150 páginas. Tendo em conta que é um livro com quase 500, estão a ver o grau de sofrimento. Devem-se estar a perguntar porque é que não desisti da leitura... E eu nem sei bem que resposta dar a essa pergunta. Talvez por estar com esperança que melhorasse, talvez porque é raro desistir de uma leitura, talvez por me ter interessado nas dinâmicas de um pequeno grupo de personagens (Krystal e Terri Weedon).

A premissa do livro e todo o enredo criado em volta da mesma não é desinteressante. Porém, a forma como a autora lhe decidiu dar corpo é que torna tudo demasiado aborrecido. Em primeiro lugar é um núcleo de personagens muito extenso; em segundo, esperar mais de 150 páginas pelo funeral de um homem e ler acerca de várias reações à sua morte até chegarmos ao funeral sem que na significativo aconteça no livro e de fazer trepar paredes; e, em terceiro, falta ação, faltam conflitos que nos façam ler de forma compulsiva. 

O título é um bocado desadequado. Sim, tudo começa com uma morte súbita e essa morte condicionará muito do que as personagens vivem, mas é a disputa por um lugar e as intrigas em torno da população de uma comunidade pequena que merecem destaque. Neste sentido, o título em inglês está muito mais adequado ao foco central da temática do livro.

A autora é muito conceituada junto daquelas que amam Harry Potter. Eu não faço parte desse grupo. Li o primeiro livro da série acerca de dois anos e foi não fiquei fã, mas reconheço-lhe a criatividade e o facto de escrever bem. Por isso, sendo este um livro para adultos esperei identificar-me mais com este enredo. 

Como escrevi mais atrás, as últimas 150 páginas são mais interessantes. As coisas começam a acontecer com outro ritmo, outra intensidade e preenchidas por momentos que nos deixam curiosas. Gostei bastante do final e da forma como o livro termina. Foi este final que salvou o livro de levar 1 estrela. Porém, não considero que o final tenha compensado todo o aborrecimento que se vive até chegar até ele.

O meu aviso para quem pretenda ler este livro é que não crie altas expetativas. Esperem por um livro que demora a desenvolver e em que as coisas acontecem de forma lenta e nem sempre com grande interesse ou impacto. Por vezes, tudo parece demasiado banal e isso gerou-me muito aborrecimento, frustração e sensação de que a história não tinha muito para me oferecer.