sábado, 31 de dezembro de 2011

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Poetic Dreams

Poema de Natal (Vinicius de Morais)
Para isso fomos feitos.
Para lembrar e ser lembrados,
Para chorar e fazer chorar,
Para enterrar os nossos mortos -
Por isso temos braços longos para os adeuses,
Mãos para acolher o que foi dado,
Dedos para cavar a terra.
Assim será a nossa vida,
Uma tarde sempre a esquecer,
Uma estrela a se apagar na treva,
Um caminho entre dois túmulos -
Por isso precisamos velar,
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite a dormir em silêncio.
Não há muito que dizer:
Uma canção sobre o berço,
Um verso, talvez, de amor,
Uma prece por quem se vai -
Mas que essa hora não esqueça
E que por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples
Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre,
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte -
De repente, nunca mais esperaremos....
Hoje a noite é jovem; da noite apenas
Nascemos imensamente.

FELIZ 2012!

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

O Beijo da Meia-Noite (Raça da Noite #1) [Opinião]

Autor: Lara Adrian
Editora: Quinta Essência
Número de Páginas: 372

Sinopse
Gabrielle Maxwell, uma reconhecida artista de Boston, celebra o êxito da sua ultima exposição exclusiva. Entre a acalorada multidão, sente a presença de um sensual desconhecido que desperta nela as fantasias mais profundas. Mas nada relacionado com essa noite nem com esse homem é o que parece. À saída, Gabrielle presencia um homicídio e, a partir desse momento, a realidade converte-se em algo sombrio e mortífero, e ela entra num submundo que nunca soube que existia, habitado por vampiros urbanos.
Lucan Thorne é um vampiro, um guerreiro da Raça, que nasceu para proteger os seus - assim como os humanos que com eles coexistem - da crescente ameaça dos vampiros Renegados. Lucan não pode correr o risco de unir-se a uma humana, mas quando Gabrielle se converte no alvo dos seus inimigos, não tem escolha e é forçado a levá-la para esse outro mundo que lidera, no qual serão devorados por um desejo selvagem e insaciável.
Nos braços do formidável líder da Raça, Gabrielle irá enfrentar um extraordinário destino de perigo, de sedução e dos mais sombrios prazeres...

Opinião
Efectivamente fiquei presa a esta série... Finalmente chega-nos um livro que vai de encontro aos mais profundos mitos acerca das características desses seres misteriosos que habitam o nosso mundo da fantasia: os vampiros! Seres sedentos de sangue, sensíveis à luz do sol, seres maus e aterrorizantes.
A autora conjuga acção, amor, desejo, medo... Um misto de sentimentos que conduzem o leitor por recantos íntimos das personagens. Uma viagem, na minha opinião, irresistível que apenas faz com que as páginas sejam devoradas.  
A construção do enredo oferece-nos uma visão completa das personagens e do seu passado, das características dos vampiros tornando a estória atraente e cativante. Na minha opinião, as boa carcaterização das personagens e dos seus objectivos na trama constitui o grande ponto positivo deste lirvo. Em relação a aspectos negativos confesso que não consigo identificar nenhum.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

(Des)construir imagens



Estamos a menos de uma semana da entrada de um novo ano. São muitos os sonhos, as esperanças, os desejos, as metas a serem alcançadas. São, também, várias as dificuldades que se irão atravessar no nosso caminho... Acima de tudo devemos unir as nossas forças de forma a realizarmos o máximo dos nossos sonhos, atingir o máximo de metas possíveis ultrapassando, com força e determinação, as dificuldades que nos vão impedindo de caminhar!

FELIZ ANO DE 2012

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Frases Marcantes

São os sonhos que arrumam a alma embora muitas pessoas crescidas pareçam tê-los todos no lugar, muito arrumado, como uma galeria de brinquedos antigo.
Eduardo Sá, Tudo o que o amor não é

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Poetic Dreams

Balada de Despedida do 6º Ano Médico 2010/2011 - Serenata Monumental Coimbra 2011

"Dor, que enche minha paixão
Receio, que esgota minha razão
Seguro, tenho o mundo
Fecho os olhos, foi um segundo

Solto a lágrima que me invade o coração
Prendo o sorriso que guia na escuridão
Adeus doce vida, chegou a perdição
Num amargo momento, mergulho na solidão

E te abraço na partida
Com a mágoa desmedida
Põe-se o sol, cerro meu olhar
Cai a noite em mim, só por te amar

Sonho, que encerra em agonia
Ferida, onde curei o que sentia
Livre, sigo o tempo
E te encontro no pensamento

Solto a lágrima que me invade o coração
Prendo o sorriso que me guia na escuridão
Adeus doce vida, chegou a perdição
Num amargo momento, mergulho na solidão

E te abraço na partida
Com a mágoa desmedida
Põe-se o sol, cerro meu olhar
Cai a noite em mim, só por te amar

E te abraço na partida
Com a mágoa desmedida
Põe-se o sol, cerro meu olhar
Cai a noite em mim, vou guardar

A saudade, saudade...
A saudade, guardo em mim...
Saudade."

Francisco Requicha

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Frases Marcantes

"O esquecimento é a arma mais letal do amor, quem nos esquece é como se esquecesse de tudo o que fomos ou pior: que existimos."
Margarida Rebelo Pinto, Alma de Pássaro

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Beijo encantado

Meu coração estava gelado…
O frio emocional transformou-o.
Insensível, duro, acorrentado…
Preso à solidão e à dor da rejeição.
Eis que chegaste tu…
Como o sussurro forte do vento
Numa fria noite de Inverno
Para o libertar daquele tormento.
Com um beijo cheio de encanto
Derretestes as algemas que o aprisionavam.
Das entranhas sombrias do meu ser
O amor emergiu, colorindo as sombras
Destruindo o gelo…
O impossível tornou-se possível
E o coração, agora quente, voltou a sorrir!
O amor emergiu do fundo gelado e sombrio…
A alma elevou-se… O coração desabrochou…

(Silvana, Outubro de 2001)

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

(Des)construir imagens

No passado dia 25 de Novembro, assinalou-se o Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres.
Não é um fenómeno os dias de hoje... É um fantasma que assombra a vida de muitas mulheres... Fantasma este que assume diferentes formas, ferindo de diferentes maneiras, deixando diferentes marcas, conduzindo a caminhos diversos...
São situações difíceis, mas em que a mulher deverá ter um papel activo, deverá ser a responsável por banir o fantasma que a assombra, saltar a barreira do medo, deixando para trás uma vida de sofrimento e recebendo de braços abertos as coisas boas que a nova vida tem para lhe oferecer...


Lua-de-Mel em Paris

Sinopse
Paris, a cidade mais romântica do mundo, é palco de luas-de-mel de sonho e de paixões recentemente descobertas. E para Lara Lewis é o lugar onde ela e o marido viveram o amor no seu melhor. Mais de vinte anos depois, Lara deseja reacender a chama do seu casamento e planeia uma aventura romântica para os dois: reconstituir todos os momentos da sua idílica lua-de-mel em Paris e pela França, visitar os mesmos lugares, comer nos mesmos restaurantes, explorar as mesmas aldeias mágicas. Porém, quando o marido lhe diz, à última hora, que existe outra mulher na sua vida, o coração de Lara quase se estilhaça em mil pedaços.
Algures na estrada da vida, Lara perdeu-se a si própria. Agora, terá de descobrir um novo rumo para a sua existência. Inesperadamente, Lara dá um passo ousado e convida um homem, mais novo e com quem ela acaba de se envolver, para fazer a tão desejada segunda lua-de-mel. O que se segue é a história de dois apaixonados errando pela França numa louca aventura romântica, que se inicia com voos perdidos e bagagem extraviada e termina como sendo a viagem de uma mulher para se encontrar a si própria e ao amor que lhe escapou a vida inteira.
Lua-de-mel em Paris é uma incursão apaixonante pelos sabores, sons, paisagens e aromas de França e a história de uma mulher que se reconcilia com o seu passado e se converte na mulher que sempre desejara ser.


Opinião
Este livro conduz-nos por uma envolvente viagem por Paris e enlaça-nos na vida de personagens carregadas de estórias, amor, traição, tristeza e fragilidade...
Lara Lewis, com 45 anos, vê o seu casamento a desmoronar-se. O marido Bill, trai-a com uma assistente e ela começa a questionar todos estes anos de casamento... Procura na sua mente, vagueando ao pelas suas memórias em busca de momentos felizes, de dificuldades ultrapassadas, de companheirismo... Contudo, aquilo que encontra nesta busca pela sua própria identidade traz-lhe um sabor amargo. Em paralelo com  esta procura, Lara Lewis apaixona-se por Dan com quem passa belos momentos a re-descobrir os fantásticos lugares franceses.
A leitura deste livro revela-se bastante agradável com o desfolhar de folha após folha... Não nos leva às lágrimas, mas deixa-nos entrar na mente de alguém que tem de superar uma traição. As fantásticas descrições que a autora faz das paisagens, monumentos, casas, castelos e vilas franceses absorvem a nossa atenção, fazendo com que, por breves momentos, a nossa imaginação transporte o nosso ser para esses mesmo locais. Por este motivo, destaco este aspecto como o grande ponto positivo deste enredo.
Porém, nem tudo neste livro sossegou a minha mente inquieta.... Houve algo que a perturbou, deixando-me um pouco aborrecida com a personagem de Lara. Os momentos de descoberta que ela ia fazendo, por vezes, não deixava com que ela evolui-se psicologicamente. Não permitia que ela se começasse a valorizar enquanto pessoa, enquanto ser humano independente, com vontade própria, capaz de ultrapassar os seus obstáculos de cabeça levantada... No fundo, Lara só se sentia valorizada na presença de uma figura masculina, neste caso de Dan que veio substituir o marido traidor Bill. Para mim, assume-se como o ponto negativo do livro.
Este foi o primeiro livro que li desta autora e que despertou a minha curiosidade para a leitura de outras obras por ela escritas. Sedutor, é uma palavra que descreve bem este livro, uma vez que seduz o leitor para a descoberta da intensa paixão que vai desabrochando entre Dan e Lara em paralelo com todos os dramas que esta vai vivênciando ao longo do livro.

Boas leituras :) 

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Frases Marcantes

"Se nós não quisermos permitir que o mundo se afogue num caos, temos que libertar o amor que está preso no coração dos homens."
Victoria Hislop, A ilha

domingo, 4 de dezembro de 2011

Obrigada pelas recordações (Cecelia Ahern)


Sinopse
Quando Joyce Conway acorda no hospital depois de uma queda grave, sabe que a sua vida nunca mais será a mesma. Não só perdeu o filho que carregava no ventre, como se apercebe que o seu casamento chegou a um beco sem saída. Mas estas não são as únicas consequências. Joyce simplemente já não é a mesma pessoa. De repente disserta sobre arte e arquitectura europeias, tem hábitos alimentares completamente indiferentes, fala sobre ruas parisienses onde nunca esteve e cruza-se amiúde comm um homem a quem se sente estranhamente ligada...

Opinião
Obrigada pelas recordações foi o primeiro livro que li da autora Cecelia Ahern, desta forma parti para a leitura do livro sem expectativas criadas pela leitura de livros anteriores.  É um livro com estória marcada por momentos de reflexão, momentos cómicos, momentos de romance, momentos de tristeza... É um livro que nos leva numa viagem pelas emoções do seu humano, mesmo aquelas que nos são estranhas e para as quais  não obtemos nenhuma explicação.
Confesso que foi um livro que não me cativou no inicio... Aliás, demorei muito tempo a lê-lo porque os primeiros capítulos eram um pouco aborrecidos e a temática que servia de base a todo o desenvolvimento da narrativa, não fazia nenhum sentido para mim.
Joyce é uma jovem mulher que sofre um queda e perde o seu bebé. Na sequência deste pequeno acidente, recebe uma transfusão de sangue que muda radicalmente a sua vida! Passa a ter os conhecimentos da pessoa que doou o sangue, assim como passou a ter os gostos alimentares desta pessoa que ela não conhece, mas desde a primeira vez que a vê se sente fortemente atraída por ela. Esta pessoa é Justin um senhor que é responsável pelos grandes momentos cómicos que aparecem ao longo do livro.
Apesar de não acreditar nada neste tipo de possibilidades devo considerar que foi um tema original e foi muito bem estrurado pela autora. Na minha opinião, este é o grande ponto positivo da história. Contudo, Joyce irá demorar demasiado tempo para ter o tão aguardado encontro com Justin. Foi este pequeno pormenor que me fez arrastar a leitura do livro... Por várias vezes estiveram quase a enfrentarem-se, mas tal só acontece muito no final do livro o que não possiblitou, um desenvolvimento do relacionamento entre eles. Acho que  a narrativa ficaria mais completa se o relacionamente de Justin e Joyce tivesse um desenvolvimento. Assim sendo, considero este aspecto como o ponto menos positivo . Não o classifico como negativo, porque a autora poderá desenvolver esta história num livro seguinte ou para deixar a mente e a imaginação do leitor divagar para o futuro das personagens. 

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Frases Marcantes

O que nos acontece na infância molda-nos como adultos, e se somos magoados enquanto crianças, transportamos para sempre as cicatrizes.
(Cathy Kelly in Uma vez na vida)

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Frases Marcante

Sem amor, somos apenas sombras de nós próprios, vagueando pela solidão. Com o amor, sentimo-nos tão bem. É como se a alma se elevasse ao infinito, como se de repente, o mundo parecesse mais belo. Por outro lado, pode fazer-nos sofrer, sentir saudades quando estamos longe, ciúmes...
(Suzannah, Ana Margarida Cardoso)

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

(Des)construir imagens

Muitas vezes temos dificuldades em percorrer os nossos próprios caminhos. Optámos por seguir caminhos que outros já desbravaram por uma questão de comodidade, facilitismo... Nestes caminhos já conhecemos os buracos, os obstáculos, os troços mais difíceis de percorrer!
O medo do desconhecido leva-nos a evitar os caminhos menos percorridos e explorados, mas só seguindo por estes caminhos é que os podemos conhecer melhor... Talvez, se arriscarmos, seremos surpreendidos com acontecimentos extremamente importantes portadores de felicidade, sucesso, amizade...
Apesar de tudo isto, não nos podemos esquecer de que as coisas menos boas que marcam um percurso são portadoras de aprendizagens e podem permitem-nos ultrapassar obstáculos futuros.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Frases Marcantes



Viver a vida era como meter a praia dentro de um frasco. O mais importante não era enfiar tudo lá dentro; era, em primeiro lugar, prestar atenção às coisas mais importantes - as pedras lindas e grandes, ou seja, as pessoas e experiências mais preciosas - e depois acomodar à sua volta o que não tinha tanta importância.
James Patterson, Abre o teu coração

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

(Des)construir imagens


Relaxe... Liberte-se... Aprovei-te ao máximo aquilo que a vida lhe pode oferecer...
Ame... Chore... Ria... Viva tudo intensamente!
Não deixe nada por fazer para, no fim do percurso, sentir que a sua missão foi cumprida!

domingo, 13 de novembro de 2011

Para onde vamos quando morremos?

A rua está cheia de gente! Avanço ao longo do passeio e demoro o meu olhar nos pormenores que os outros exibem… Um penteado diferente, uma roupa extravagante, uma criança de mão dada com a mãe que se mostra insaciável na resposta à sua contínua pergunta: Mãe para onde vamos quando morremos? Olho para o rosto impaciente e nervoso da mãe que lhe responde: Já te disse filho, vamos para o céu!. Esta resposta não foi capaz de saciar a alma inquieta da criança que, muito prontamente, diz: Como é que isso pode acontecer se eu vejo as pessoas a serem enterradas?! Porque é que me dão sempre repostas diferentes quando faço esta pergunta? E mãe, nós não temos asas para voar para o céu!  
Esta mãe ficou sem resposta e passou a ignorar a insistência da criança. Aumentou a velocidade do seu passo e, rapidamente se dissolveu na multidão. Pergunta sábia! E se fosse eu, que resposta daria à criança?  
Esta criança conduziu-me a uma reflexão mais profunda. Será que eu sei o que realmente acontece ao ser humano quando a caixinha da vida chamada coração decide parar? De facto, não possuo reposta específica, mas sim o aglomerado de diferentes visões que o meu cérebro foi assimilando ao longo da minha existência!
A via racional que caracteriza o meu pensamento emite uma resposta simples, baseada em conceitos biológicos. Por algum motivo, o coração deixa de bater, o sangue deixa de alcançar as diferentes partes do corpo e acabamos por morrer. Em seguida, o nosso corpo pode ser enterrado ou cremado, seguindo os rituais religiosos, ou não.
Por outro lado, a via menos racional, influenciada pela religião e pelo misticismo leva-me por caminhos mais complexos. Se por um lado o corpo é matéria que irá desaparecer, a alma ou espírito associado a este corpo ficará livre. Libertar-se-á do corpo e alcançará um lugar bonito, calmo, feliz… Este lugar, segundo diferentes lendas, é aquele que ocupávamos antes de sermos associados ao nosso corpo e libertados na terra para cumprir a nossa missão. É um lugar tão bonito que é necessário apagar as memórias que possuímos dele para vivermos na máxima plenitude e não queremos voltar para lá.
Esta última perspectiva permite arranjar o baú dos nossos sentimentos em relação àqueles que partem. Permite criar um escudo protector na nossa memória, formatando o nosso pensamento, levando-nos a acreditar que alguém que nos é querido partiu para um lugar melhor. Acima de tudo contribui para mitigar a nossa dor tornando-a mais suportável.
Depois de todas estas conclusões o que é que eu responderia à criança? Simples: a verdade!
Na realidade, não temos a certeza daquilo que nos acontece quando deixa-mos de estar presentes neste imenso palco da vida. Sabemos que a parte física da nossa essência é depositada uns quantos palmos abaixo da terra ou transformada em cinzas que podemos devolver ao mundo da forma que quisermos. Contudo, a parte invisível da nossa essência, o espírito, pode ir para um lugar que faça sentido para nós e, por esta razão é que existem tantas explicações possíveis acerca do lugar que a nossa alma decide habitar depois de morrermos. Eu, pessoalmente, gosto de acreditar que a alma dos seres humanos, em particular das pessoas que nos são queridas, se transforma numa bonita e gigante estrela que iluminará o céu todas as noites. Uma estrela que estará lá para nós, para nos guiar e conduzir por trilhos pintados de felicidade e iluminados pelo brilho ofuscante do amor e da amizade!

Será que a criança ficaria satisfeita com esta resposta? E você que resposta lhe daria?

Se gostaram desta pequena reflexão votem aqui http://www.conteconnosco.com/trabalho-detalhe2.php?id=1422, por favor!

Um dia (David Nicholls)


Sinopse
Vinte anos, duas pessoas, um dia
15 de Julho de 1988 Emma e Dexter conhecem-se na noite em que acabaram o curso. No dia seguinte, terão de seguir caminhos diferentes.
Onde estarão daí a um ano? 
E no ano depois desse? E em todos os anos que se seguirão?
Podemos viver toda uma vida sem nos apercebermos de que aquilo que procuramos está mesmo à nossa frente.

Opinião
O livro é simplesmente emocionante! É um livro com a capacidade de levar  às experienciar as mais diversas emoções! Se num capítulo é fácil chegar às gargalhadas, no próximo as lágrimas limpam o resto do sorriso de um capítulo anterior!
É um livro que fala, essencialmente, da amizade que nasce entre Dexter e a Emma e que com o passar dos anos se vai transformando em algo mais profundo, mas que ambos são incapazes de assumir!
Ao longo do livro, a vida de Dexter e Emma é nos apenas um dia em cada ano, o dia especial é que marca o inicio da história deles: 15 de Julho! Cada capítulo descreve-nos a vida pessoal e profissional de Dexter e Emma, os seus relacionamento, as suas angústias, o enorme sentimento de confiança e partilha que vai crescendo entre eles! Assisti-mos ao declínio profissional de Dexter contrariamente ao crescimento profissional de Emma! Vivência-mos as relações conturbadas de Dexter e a relação estável, mas sem brilho de Emma com o comediante Ian. Partilhamos as derrotas e festejamos as alegrias e conquistas deste apaixonante casal de amigos.
É um história que poderia acontecer a qualquer um. Transmite realismo e acima de tudo deixa uma mensagem importante: muitas vezes a pessoa que verdadeiramente amamos está ao nosso lado, mas estamos tão distraídos com aquilo que nos rodeia que simplesmente achamos que não é possível!

É uma história muito envolvente, que nos mostra que o um amor forte tem por base um amizade verdadeira, intensa, que o tempo e as adversidades são incapazes de destruir.

Pontos Positivos: Acho deverás importante a forma como o autor aborda temas sensíveis como o alcoolismo e a fama. Dexter utiliza o álcool como um aliado no combate com seus problemas profissionais e emocionais. O autor mostra, claramente, as consequências que esta substância provoca no quotidiano do ser humano através desta personagem. Mais uma vez cabe a Dexter viver a experiência amarga do outro lado da fama. Depois de um período de estrela, Dexter caí no esquecimento e conhece o lado negro do mundo televisivo. O final do livro, embora inesperado, confere um simbolismo especial à história destas duas pessoas e confere realismo à narrativa!

Ponto negativo: Considero negativo o facto de apenas nos ser narrado os acontecimentos uma vez por ano! Embora o autor faça um apanhado dos aspectos mais importantes que foram acontecendo fiquei com uma grande sensação de vazio à medida que o livro ia avançando! Queria saber mais, queria saber como é que Dexter e Emma descobriram que afinal já se amavam à tanto tempo... Queria saber qual a dedicatória que Emma deixou a Dexter no livro (Emma tornou-se escritora e Dexter pediu-lhe para ela o autografar e deixar-lhe uma dedicatória)... Gostaria de ter uma descrição detalhada do casamento de ambos... Acho que este método de escrita faz com que fique muita coisa por dizer. Fica a cargo do leitor imaginar aquilo que vai acontecendo.

Este livro deu origem a um filme. Fica aqui o trailer que foi um dos motivos que me levou a ler o livro. Pode ser que vos deixe curiosos.

sábado, 12 de novembro de 2011

Poetic Dreams

Liberdade
Ai que prazer
Não cumprir um dever,
Ter um livro para ler
E não fazer!
Ler é maçada,
Estudar é nada.
Sol doira
Sem literatura
O rio corre, bem ou mal,
Sem edição original.
E a brisa, essa,
De tão naturalmente matinal,
Como o tempo não tem pressa...

Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.

Quanto é melhor, quanto há bruma,
Esperar por D.Sebastião,
Quer venha ou não!

Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças,

Flores, música, o luar, e o sol, que peca
Só quando, em vez de criar, seca.

Mais que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças
Nem consta que tivesse biblioteca...

Fernando Pessoa, "Cancioneiro"

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Frases Marcantes

Afinal de contas, é por isso que não dizemos certas coisas àqueles que nos são próximos, não é? Porque não queremos que façam o que os bons amigos e os entes queridos devem fazer: que nos digam as verdades que não queremos ouvir, as verdades que derrubariam todos os argumentos de que nos servimos para cometer loucuras.
Um erro inocente, Dorothy Koomson


segunda-feira, 7 de novembro de 2011

(Des)construir imagens


A magia da vida... Uma magia despediçada por uns, valorizada por outros!
Contudo, é a forma como decidimos viver a nossa vida que reside a verdadeira magia. Por isso, não devemos desperdiçar o nosso precioso tempo com futilidades ou coisas insignificantes para o nosso bom desenvolvimento pessoal! Devemos absorver o máximo que  consigamos, inalar todos os odores, sentir todas as emoções, chorar, limpar as lágrimas, sorrir, partilhar....
Por tudo isto devemos fazer o favor a nós próprios e sermos FELIZES!

domingo, 6 de novembro de 2011

Poetic Dreams

Cantigas de Maio -  Zeca Afonso
Eu fui ver a minha amada
Lá p'rós baixos dum jardim
Dei-lhe uma rosa encarnada
Para se lembrar de mim

Eu fui ver o meu benzinho
Lá p'rós lados dum passal
Dei-lhe o meu lenço de linho
Que é do mais fino bragal

Minha mãe quando eu morrer

Ai chore por quem muito amargou
Para então dizer ao mundo
Ai Deus mo deu Ai Deus mo levou

Eu fui ver uma donzela
Numa barquinha a dormir
Dei-lhe uma colcha de seda
Para nela se cobrir

Eu fui ver uma solteira
Numa salinha a fiar
Dei-lhe uma rosa vermelha

Para de mim se encantar

Minha mãe quando eu morrer
Ai chore por quem muito amargou
Para então dizer ao mundo
Ai Deus me deu Ai Deus me levou

Eu fui ver a minha amada
Lá nos campos eu fui ver
Dei-lhe uma rosa encarnada

Para de mim se prender

Verdes prados, verdes campos
Onde está minha paixão
As andorinhas não param
Umas voltam outras não

Minha mãe quando eu morrer
Ai chore por quem muito amargou
Para então dizer ao mundo
Ai Deus me deu Ai Deus me levou


São sublimes os poemas que acompanham as músicas de Zeca Afonso! As palavras que ele ofereceu às suas músicas reflectem o génio que era. São poemas com mensagens muito próprias e que, muitos deles, se aplicam na perfeição à realidade que vivemos na actualidade. Infelizmente, tal como tantos outros génios, cai muitas vezes no esquecimento...

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Frases Marcantes

E de novo acredito que nada do que é importante se perde verdadeiramente. Apenas nos iludimos, julgando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros. Comigo caminham todos os mortos que amei, todos os amigos que se afastaram, todos os dias felizes que se apagaram. Não perdi nada, apenas a ilusão de que tudo poderia ser meu para sempre.
Miguel Sousa Tavares

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Frases Marcantes



Todas as decepções são secundárias.
O único mal irreparável é o desaparecimento físico de alguém que amamos.
Romain Rolland

domingo, 23 de outubro de 2011

O véu pintado (Somerset Maugham)

Sinopse
Kitty sente-se prisioneira de um casamento infeliz e de um estilo de vida que está longe de ser aquele que sonhou para si. Sem que tivesse obtido a notoriedade social que desejava e afastada do seu país e da família devido à profissão do marido - bacteriologista destacado para Hong Kong - , a jovem acaba por encontrar algum consolo numa relação extra-conjugal. Mas a traição acaba por ser descoberta pelo marido, que leva a cabo uma estranha e terrível vingança...

Opinião
À alguns anos atrás, sem querer vi o filme o Véu pintado! Adorei o filme, mas andava longe de saber que tinha sido baseado num livro! Tal só aconteceu à algumas semanas atrás o que, desde logo, despertou em mim a curiosidade de ler o livro!
Agora que terminei a leitura sinto-me um pouco desiludida com o livro... Acho que é a primeira vez em que, na minha opinião, o filme supera o livro...
O tema que está presente no livro é, a meu ver, bastante interessante. O casamento forçado, a época dos loucos anos vinte, a personalidade frívola de Kitty, o embaraço de Walter... Tudo isto, parecem-me ingredientes de qualidade para uma história de qualidade. Contudo, acho que apartir do momento em que Walter decide partir para Mei-tan-fu com Kitty devido a traição desta, a narração fica pobre em termos de acontecimentos... Acho que a narrativa ficaria a ganhar se, tal como aconteceu no livro, houvesse uma maior exploração da relação deste casal que é obrigado a conviver mais, a falar, a re-descobrir-se... O autor vai dando indícios de uma mudança de opinião de Kitty em relação àquilo que pensa do marido, contudo não a concretiza em termos e atitudes.
O que vai sendo mais visível é o desenvolvimento de Kitty ao nível da sua personalidade e na forma como encara a vida. O narrador descreve grandes reflexões desta em que há uma comparação das diferentes fases da sua vida...
Em relação ao final do livro, fiquei com uma sensação de vazio... Parece que falta alguma coisa... Na minha opinião é um final um pouco vazio em termos de conteúdo...

Aspecto positivo: Considero como positivo as reflexões acerca da vida e das relações humanas que o narrador vai construindo em relação à Kitty.

Aspecto negativo: Como negativo, aponto o facto do pobre desenvolvimento da relação entre Kitty e Walter quando se encontram em Mei-tan-fu.

sábado, 22 de outubro de 2011

Poetic Dreams

O Teu Olhar
Passam no teu olhar nobres cortejos,
Frotas, pendões ao vento sobranceiros,
Lindos versos de antigos romanceiros,
Céus do Oriente, em brasa, como beijos,

Mares onde não cabem teus desejos
;
Passam no teu olhar mundos inteiros,
Todo um povo de heróis e marinheiros,
Lanças nuas em rútilos lampejos;

Passam lendas e sonhos e milagres!
Passa a Índia, a visão do Infante em Sagres,
Em centelhas de crença e de certeza!

E ao sentir-se tão grande, ao ver-te assim,
Amor, julgo trazer dentro de mim
Um pedaço da terra portuguesa!

Florbela Espanca,  "A Mensageira das Violetas"

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Frases Marcantes


Não é verdade que existem quatro cavidades. Na verdade, o coração divide-se - como sabemos - em tantas assoalhadas quantas as pessoas que ocupamum lugar dentro de nós.
Eduardo Sá, Tudo o que o amor não é

terça-feira, 18 de outubro de 2011

O Recife (Nora Roberts)

Sinopse
A arqueóloga marinha Tate Beaumont, é apaixonada pela caça ao tesouro. Ao longo da vida, ela e o pai descobriram muitas riquezas fabulosas, mas há um tesouro que nunca conseguiram encontrar: a Maldição de Angelique - um amuleto de pedras preciosas, oscurecido pela lenda e manchado de sangue. Para encontrarem este artefacto precioso os Beaumonts aceitam, hesitantemente, uma parceria com os mergulhadores Buck e Matthew Lassiter. Tate não fica feliz por partilhar o seu sonho, mas não tem alternativa.
E, à medida que os Beaumonts e os Lassiters disponibilizam recursos para localizar a Maldição de Angelique, as águas das Caraíbas adensam-se com desilusões sombrias e ameaças escondidas. A parceria entre as famílias é posta em causa quando Matthew se recusa a partilhar informação - incluindo a verdade sobre a morte misteriosa do seu pai, alguns anos antes. E conforme Tate e Matthew avançam com a sua desconfortável aliança… o perigo e o desejo ameaçam emergir.”
 

Opinião
Este foi apenas o terceiro livro que li de Nora Roberts por isso não posso fazer uma justa comparação com a vasta obra da autora. Contudo, em relação àqueles que já tinha lido (Era uma vez um estrela e Oferenda Mortal) assume a posição central.

A sinopse que é apresentada na contracapa não corresponde, na minha opinião, à estória que encontramos no livro. Pela minha leitura, a interpretação que faço é que não era  Tate que andava atrás da Maldição de Angelique e sim o Matthew e o seu tio Buck! Eles é que influenciaram Tate e os seus pais e os motivaram para a procurar desta jóia.

Confesso que, inicialmente, não fiquei logo presa ao enredo. Foi um processo gradual. Acho que fiquei completamente presa a esta "busca ao tesouro" a partir da segunda parte do livro quando a família de Tate se encontra com Matthew e Buck, passados oito anos após terem trabalhado junto uma primeira vez!  A partir deste ponto, a narrativa torna-se mais complexa, com mais pormenores acerca das características das personagens e das relações que elas vão estabelecendo ao longo do desenvolvimento dos acontecimentos.

Pontos positivos do livro:  Na minha opinião, o tema da busca ao tesouro e da simbologia que este envolve esta muito bem desenvolvido. As personagens Tate e Matthew juntam esforços para procurar algo que tem uma grande importância para ambos, mas conferem-lhe um significado diferente. Enquanto que para Matthew o valor monetário e a possibilidade de se vingar de Silas (o vilão da trama) é o motor motivacional para procurar arduamente a Maldição de Angelique, por seu lado Tate é movida pelo gosto cientifico e histórico que está inerente a este objecto. Porém, embora ambos sejam movidos por objectivos diferentes, tal não impede que se articulem profissionalmente. Esta busca ao tesouro oferece-lhes um "tesouro" com valor superior: o amor e a paixão! Esta paixão, ao longo do livro conhece altos e baixos, mas no fim este é o tesouro que as personagens mais valorizam.
A opção da autora de dividir o livro em três momentos principais - passado, presente e futuro - é um outro aspecto que eu considero positivo, uma vez que confere ao livro uma certa dinâmica narrativa e evolucional da estória. Oferece ao leitor uma perspectiva do tempo em que a acção se desenvolve.

Pontos negativos do livro: Na minha opinião, o único aspecto negativo do livro é a forma como se desenrola a relação amorosa entre Tate e Matthew quando se encontram, passados oito anos, depois de se terem separado. Acho que a autora acabou transformou o amor que se viveu na primeira parte do livro em atracção física na segunda parte. No fundo, no final do livro as coisas acabam por retomar a essência mais romântica, mas pareceu-me algo estranho o aspecto frio com que a relação recomeçou por parte de ambos os personagens.


(Des)Construir imagens


O final da semana passada trouxe-nos notícias pouco animadores relativamente à futura situação económica dos Portugueses!
Acho que nos devemos inspirar nesta imagem e, se possível, começar a programar o nosso futuro começando a fazer pequenas poupanças... 

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Poetic Dreams

Intervalo

Quem te disse ao ouvido esse segredo
Que raras deusas têm escutado —
Aquele amor cheio de crença e medo
Que é verdadeiro só se é segredado?...
Quem te disse tão cedo?

Não fui eu, que te não ousei dizê-lo.
Não foi um outro, porque não sabia.
Mas quem roçou da testa teu cabelo
E te disse ao ouvido o que sentia?
Seria alguém, seria?

Ou foi só que o sonhaste e eu te o sonhei?
Foi só qualquer ciúme meu de ti
Que o supôs dito, porque o não direi,
Que o supôs feito, porque o só fingi
Em sonhos que nem sei?

Seja o que for, quem foi que levemente,
A teu ouvido vagamente atento,
Te falou desse amor em mim presente
Mas que não passa do meu pensamento
Que anseia e que não sente?

Foi um desejo que, sem corpo ou boca,
A teus ouvidos de eu sonhar-te disse
A frase eterna, imerecida e louca —
A que as deusas esperam da ledice
Com que o Olimpo se apouca.

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Frases Marcantes

As viagens que se realizam em volta de nós mesmos são muito mais interessantes do que as que se fazem à volta do mundo.
(Nicholas Sparks, in A melodia do adeus)


segunda-feira, 10 de outubro de 2011

(Des)construir imagens

10 de Outubro- Dia Mundial da Doença Mental
Hoje assinalou-se o dia Mundial da Doença Mental.
O crescente número de pessoas que apresenta uma qualquer doença mental é algo que nos deve preocupar. A crise, o desemprego, a solidão são apenas alguns dos factores que, quando associados entre si, podem conduzir às mais diversas patologias!
A doença mental acarreta danos pesados para o doente e para a sua família... A importância de um tratamento multidisciplinar constitui um forma mais eficaz de retirar as pessoas do "buraco negro" em que as suas vidas mergulharam! Cuidar dos doentes mentais implica, esforço, paciência, sensibilidade e, acima de tudo, respeito pela situação frágil e difícil em que a pessoa se possa encontrar!
O preconceito ainda se encontra bem presente na mente de grande parte das pessoas, preconceito este que dificulta a recuperação destes doentes mentais... Preconceito em aceitar uma pessoa com doença mental para trabalhar, preconceito na interacção e relação que possam ser estabelecidas, preconceito em tratar pacientemente este tipo de pessoas, preconceito perante os familiares criando barreiras intransponíveis isolando-as na doença!
O resultado de todos estes preconceitos é o rótulo atribuído às pessoas. É frequente ouvirmos a deprimida, e não uma pessoa que sofre de depressão; a esquizófrenica, e não a pessoa que sofre de esquizofrenia! É extremamente doloroso para os doentes e para os seus familiares conviverem com tudo isto. Cabe-nos à nós, cidadãos responsáveis, agir de forma diferente para que o bom comportamento possa ser imitado por aqueles que ainda deixam o preconceito invadir as suas vidas.

Esta Espécie de Loucura
Esta espécie de loucura
Que é pouco chamar talento
E que brilha em mim, na escura
Confusão do pensamento,

Não me traz felicidade;
Porque, enfim, sempre haverá
Sol ou sombra na cidade.
Mas em mim não sei o que há

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"
Afinal, o que seria de Fernando Pessoa sem a sua loucura! Não lhe trazia felicidade, mas permitiu a emergência de um génio inigualável! 



domingo, 9 de outubro de 2011

A(braços) com a vida

E porque Florbela Espanca não se dedicava exclusivamente à poesia, deixo-vos aqui um bocadinho da sua prosa! Bonitas estas palavras!

A oferta do destino
Um dia, o destino, trôpego velho de cabelos cor da neve, deu-me uns sapatos e disse-me:
- Aqui tens estes sapatos de ferro, calça-os e caminha...
Caminha sempre, sem descanso nem fadiga, vai sempre avante e não te detenhas, não pares nunca!... A estrada da vida tem trechos de céu e paisagens infernais; não te assuste a escuridão, nem te deslumbres com a claridade; nem um minuto sequer te detenhas à beira da estrada; deixa florir os malmequeres, deixa cantar os rouxinois. Quer seja lisa, quer seja alcantilada a imensa estrada, caminha, caminha sempre!
Não pares nunca! Um dia, os sapatos hão-de romper-se; deter-te-ás então. É que terás encontrado, enfim, os olhos perturbadores e profundos, a boca embriagante e fatal que há-de prender-te para todo o sempre!
Isto disse-me um dia o destino, trôpego velho de cabelos cor da neve. Calcei os sapatos e caminhei, O luar era profundo; às vezes, cantavam nas matas os rouxinois... Outras vezes, ao sol ardente do meio-dia desabrochavam as rosas, vermelhas como beijos de sangue; as borboletas traziam nas asas, finas como farrapos de seda, os perfumes delirantes de milhares de corolas! Outras vezes ainda, nem uma estrela no céu, nem um perfume na terra, e eu ouvia a meus pés a voz de algum imenso abismo. Passei pelo reino do sonho, pelo país da esperança e do amor que, ao longe, banhado pelo sol, dá a impressão duma imensa esmeralda, e vi também as terras tristes da saudade, onde o luar chora noite e dia! Não me detive nem um só instante! O coração ficou-me a pedaços dispersos pelos caminhos que percorri, mas eu caminhei sempre, sem fraquejar um só momento!... Há muito tempo que ando, tenho quase cem anos já, os meus cabelos tomam-se da cor do linho, e o meu frágil corpo inclina-se suavemente para a terra, como uma fraca haste sacudida pela nortada. Começo a sentir-me cansada, os meus passos vão sendo vagarosos na estrada imensa da vida!
E os sapatos inda se não romperam! Onde estareis vós, ó olhos perturbadores e profundos, ó boca embriagante e fatal que há-de prender-me para todo o sempre?!...
Florbela Espanca

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Poetic Dreams

Conto de Fadas
Eu trago-te nas mãos o esquecimento
Das horas más que tens vivido, Amor!
E para as tuas chagas o ungento
Com que sarei a minha própria dor.

Os meus gestos são ondas de Sorrendo...
Trago no nome as letras de uma flor...
Foi dos meus olhos garços que um pintor
Tirou a luz para pintar o vento...

Dou-te o que tenho: o astro que dormita,
O manto dos crepúsculos da tarde,
O sol que é d'oiro, a onda que palpita.

Dou-te comigo o mundo que Deus fez!
- Eu sou Aquela de quem tens saudade,
A princesa do conto: "Era uma vez..."
                                    (Florbela Espanca, Charneca em Flor)

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

A Alquimia do Amor (The Notebook #2) [Opinião]

Imagem

Sinopse
Wilson cometeu um erro que colocou em causa o seu casamento: Esqueceu-se da data do aniversário de casamento deixando Jane, sua esposa, tremendamente desiludida. As longas reflexões de Wilson acerca do seu casamento e as conversas com o seu sogro Noah despertaram algum romantismo da sua parte e durante um ano planeia um surpresa para festejar o seu 30º aniversário de casamento!
A história de amor dos sogros Noah e Allie serve como fonte de inspiração para Wilson. Este casal viveu uma amor imenso e que só a doença e a morte tentou apagar... Felizmente não conseguiu e Noah agarra-se a algo que ele pensa acreditar que possui a alma da sua amada: um cisne!
Assim, ao longo deste livro são narradas as histórias de dois casamentos e a forma como foram vividos...

Opinião
Mais uma vez o amor é o tema de fundo do autor Nicholas Sparks. Gostei da história, da forma como ela se vai desenvolvendo e do seu momento final. Em comparação com outros livro do autor que já li, não é o meu livro preferido, mesmo assim a sua narrativa conseguiu-me cativar e senti-me envolvida pelo desenrolar da acção.

Todos nós cometemos erros nas nossas relações, mas existe sempre a possibilidade de dar-mos a volta por cima dando a oportunidade ao amor de corrigir esses erros. Foi o que aconteceu com a personagem Wilson. Ao cometer um erro, começou a reflectir acerca daquilo que tinha sido a sua vida e naquilo que fez de menos correcto. Estas reflexões são muito importantes para o desenrolar da história, são profundas e sentimentais, transmitindo um homem que ama profundamente a sua esposa e que sente mal por tudo aquilo que foi fazendo para que o seu casamento se tornasse um pouco frio, apagado e se afastasse da sua esposa Jane.

Paralelamente à história de Wilson, é-nos dado o desfecho do casal protagonista do livro o Diário da Nossa Paixão. Este aspecto, para mim, foi um surpresa muito feliz! Eu adorei este livro, já vi o filme muitas vezes e foi bom descobri que este Noah era o mesmo Noah do livro anterior. Aqui mostra-nos como Noah tem vivido depois da morte da Allie e como nem a morte conseguiu apagar esse sentimento. Achei muito bonito a forma como Noah re-descobriu a sua Allie através de um cisne (animal que fascinava Allie) e na simbologia que tinham os comportamentos do animal que foram descritos ao longo do livro. Segundo a minha interpretação de um dos acontecimentos finais do livro em que o cisne desaparece é como se quisesse transmitir que em breve Noah se encontraria em breve com Allie.

A forma como o livro termina é muito boa, porque ao longo da leitura do livro, o leitor é conduzido por um caminho em que os acontecimentos não estão em sintonia com o final. Contudo, ao longo do livro são dadas pistas, que só no fim da leitura nos apercebe-mos, que nos iam dado a indicação daquilo que seria o desenrolar final dos acontecimentos. Este aspecto, na minha opinião, torna o final mais grandioso e comovente.

Por todas estas razões, e para aqueles que não resistem a uma boa história de amor, este é um bom companheiro de cabeceira.

Boas leituras!

Frases Marcantes



"... vejo que aqueles que me tocaram a alma não conseguiram despertar o meu corpo, e aqueles que tocaram o meu corpo não conseguiram atingir a minha alma..."
Paulo Coelho, Onze Minutos








segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Dia 4 de Outubro - Dia Mundial do animal

Esta é uma história verídica que faz todo o sentido partilhar... Espero que as pessoas reflictam acerca dos seus próprios actos, para que não se voltem a repetir!

(Des)contruir imagens

É habitual dizer-se que uma imagem vale mais do que mil palavras! Contudo, acho que essas mil palavras podem tornar essa imagem mais rica! Quem é que nunca se demorou longos minutos a olhar para uma imagem, a reflectir com ela, a viajar até às profundezas do seu sub-consciente!?
Aquilo que pretendo com esta rubrica é uma fazer uma reflexão partindo de uma imagem! Neste momento serei eu a escolher as imagens, mas aceito sugestões dos leitores deste blog, se assim o entenderes.

Dia 4 de Outubro - Dia Mundial do Animal 

(imagem retirada do google)
Esta imagem apresenta-nos dois dos animais de estimação mais presentes nas casas do ser humano. Infelizmente, são também estas duas espécies que mais sofrem com o abandono dos animais. A época das férias é crítica no que respeita a este flagelo... Aumenta o número de animais abandonados na rua e em canis municipais, porque, de um momento para o outro, aquele que sempre nos acompanhou ao longo do ano torna-se um entrave para as férias!
No momento de abandonar este animais, os dono esquecem-se dos momentos de felicidade, companheirismo, respeito, lealdade... que estes pequenos seres nos proporcionam!
Na minha opinião, os animais são dos amigos mais fiéis que podemos ter! Já pensaram que eles não nos descriminam qualquer que seja o nosso tom de pele, adaptam-se à nossa rotina, são fiéis, estão presentes nos momentos de tristeza e de alegria, sem nunca abandonar aquele que o acolhe, respeita e alimenta... Não demonstram sinais de ingratidão, aceitam-nos tal e qual aquilo que somos. No fundo, nunca nos abandonam!
Antes de adoptar um animal, as pessoas devem pensar que estão assumir uma responsabilidade para a vida e que os animais não são simples objectos que possamos descartar de um momento para o outro! 


domingo, 2 de outubro de 2011

A(braços) com a vida!

A rubrica mensal A(braços) com a vida pretende dar a conhecer aos leitores a vida e obra de diferentes autores. Ao longo do mês irei postar aspectos que nos permitam conhecer melhor determinados autores!

Para este mês seleccionei uma poetisa portuguesa! É das minhas perferidas, e possui um vida repleta de aspectos interessantes e, muitos deles estão patentes ao longo da sua vasta obra! Assim, ao longo deste mês iremos estar a(braços) com a vida de Florbela Espanca!


Florbela Espanca (1984 - 1930) possui uma vasta obra: escreveu poesia, contos, um diário... Traduziu diferentes obras e, ainda, colaborou em jornais e revistas de índole diversa! Apesar desta vasta actividade é com a sua poesia que se torna conhecida! Desta forma, termino este primeiro post com o poema mais conhecido da autora, é que constitui a letra de uma música!

Ser poeta
Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente...
É seres alma e sangue e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!


Curiosidade: Este poema é retira do livro Charneca em Flor livro que Florbela organizou e acompanhou durante a edição de Guido Battelli (professor regente do Curso História da Literatura Italiana da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra) lhe conseguiu em Coimbra depois de ter conhecido os seus poemas através de um jornal. Florbela chegou mesmo a rever muitas das provas tipográficas, mas suicidou-se (08-12-1930) antes da sua publicação (Janeiro de 1931). (Florbela Espanca, Poesia completa - Publicações Dom Queixote, 6 ed. 2007).

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Poetic Dreams

O Poetic Dreams quer deixar-vos um poema de Paulo Setúbal (autor brasileiro). Este poema ficou muito conhecido por seu usado numa telenovela brasileira "Laços de Família".

Só tu
De todos os que me beijaram
De todos os que me abraçaram
Já nem me lembro nem sei
Foram tantos os que me amaram
Foram tantos os que eu amei

Mas tu - que rude contraste
Tu que já mais me beijaste
Tu que já mais abracei
Só tu, nesta alma ficaste
De todos os que eu amei.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Frases Marcantes

Para mim é impossível estar a ler um livro sem um lápis ou caneta e um pedaço de papel onde apontar algumas passagens ou frases que de alguma forma nos marcam, nos fazem reflectir ou, simplesmente, transmitem emoções ou sentimentos de uma forma bela e singela.
Desta forma, esta rubrica pretende dar a conhecer as frases de livros ou frases proferidas por alguém mas que não estejam publicadas em nenhum livro que, por algum motivo, me marcaram.

É bom pensar que as pessoas com quem estamos não
procuram a primeira oportunidade para abrir a porta e correr connosco.
                                                              Torey Hayden
Esta frase foi retira do livro "A menina que nunca chorava" da autora Torey Hayden. Este livro é a continuação da história apresentada no livro "A crianças que não queria falar", e apresenta-nos a forma como a autora lidou com a partida de Sheila, uma menina de 6 que foi violada, e como é o seu reencontro com ela alguns anos depois. É uma história comovente e envolvente e que mostra o quanto o empenho de uma profissional consegue influenciar positivamente o percurso de vida de alguém! 


segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Encontros e Despedidas!


Esta música de Maria Rita é um pouco o símbolo da vida do ser Humano... A nossa vida agitada conduz-nos por longos e diferentes caminhos! Conhecemos lugares e pessoas, experimentamos diferentes sentimentos... A nossa vida é feita por "estações" onde, simultaneamente, nos despedimos de algo e conhecemos algo!
Apesar de nem todos os locais em que fazemos uma paragem para mudar de direcção sejam carregados de sentimentos positivos, todos eles são locais de aprendizagem! Partir e deixar algo ou alguém para trás não é uma tarefa fácil. Gerir bem as perdas é algo importante para que o nosso estado mental se mantenha saudável.

Relativamente à relação com os outros, Saint- Exupéry deixou-nos uma frase que resume a verdadeira essência dos efeitos que provocam em nós e que nós provocamos nos outros e é a seguinte:

Aqueles que passam por nós não vão sós,
deixam um pouco de si levam um pouco de nós!

Uma vez na vida (Cathy Kelly)

Sinopse
Três mulheres. Três amores. Três razões para mudar de rumo…

[uma+vez+na+vida.jpg]A loja Kenny’s, em Ardagh, é muito mais do que um espaço comercial, é o coração da vila onde vivem três mulheres cujas vidas estão prestes a mudar… Ingrid Fitzgerald, apresentadora de televisão, viu o marido, David, o carismático proprietário da Kenny’s, entregar-se de alma e coração ao negócio da família, enquanto ela equilibrava admiravelmente a carreira e a vida familiar. Agora que os filhos se preparam para abandonar o ninho, Ingrid descobre um segredo que abalará o seu mundo. Natalie Flynn partilha um apartamento com a filha de Ingrid, Molly. Ao mesmo tempo que o amor desponta na sua vida, Natalie começa a colocar perguntas que nunca antes se atrevera a fazer sobre o seu passado. Irão elas ajudá-la a entender quem é na verdade? Charlie Fallon, entusiasta empregada da Kenny’s, adora o filho e o marido, mas a mãe parece determinada em arruinar-lhe a vida. Agora está na altura de, finalmente, lutar pela sua felicidade. Star Bluestone é a única que as poderá ajudar quando as suas vidas estão prestes a mudar para sempre… Star, uma mulher com uma sabedoria muito especial, sabe por experiência própria que as coisas mais importantes da vida têm de ser estimadas e acarinhadas e que a oportunidade para se ser feliz surge apenas uma vez na vida… Calorosa e envolvente, esta é uma história sobre o amor, a amizade e os efeitos devastadores que os segredos do passado têm na vida de cada um…

Opinião
Este foi um livro que trouxe ocasionalmente da biblioteca à alguns meses atrás! Não conhecia a autora, mas a beleza da capa e o título sugestivo contrinbuiram para que eu o retirasse da estatante e o conduzi-se numa viagem até minha casa.

Após a leitura das primeira páginas o leitor fica completamente preso. Com uma escrita envolvente e cativante, este livro conduz-nos numa viagem por uma viagem onde emergem diferentes sentimentos... O amor, a amizade, a fidelidade... estão presentes ao longo de todo o livro. O misticismo está também presente o que confere ao livro uma certa magia...

Um aspecto curioso é que cada capítulo do livro começa com um pensamento/ reflexão que encaixa na perfeição naquilo que é narrado ao longo do capítulo...

Vale a pena ler este livro! É daqueles que nos deixa a pensar durante alguns dias! Pensamos no enredo, pensamos nas personagens, nas suas histórias e na sua forma de ultrapassar as dificuldades...

domingo, 25 de setembro de 2011

Aparição

Imagem retirada do Google
Num mundo onde a solidão domina
Onde o amor é ofuscado pela tristeza
E as lágrimas,
Limpam a pouca felicidade que existe.

Ali, apareceste tu
Brilhante, sorridente
Com todo o teu amor para dar

Com o teu imponente sorriso
Irradiaste esse mundo
Fizeste voltar o sol, a alegria, o amor...
Tudo se modificou
Quando tu apareces-te!!
        S. (Fevereiro de 2005)


sábado, 24 de setembro de 2011

Poetic Dreams

Esta é a primeira rubrica que quero introduzir neste meu cantinho.

A poesia nem sempre tem um papel principal nas nossas leituras. Considero um género literário difícil de produzir e que necessita de um forte apelo da criatividade e da sensibilidade. Desta forma, todas as sextas-feiras pretendo deixar um poema que de alguma forma me tenha tocado!

O primeiro poema que aqui deixo é de Antero de Quental que e é letra de um fado de Coimbra... A beleza do poema associada ao arranjo musical fica sublime!

Maria

Tenho cantado esperanças...
Tenho falado d' amores...
Das saudades e dos sonhos
Com que embalo minhas dores...

Entre os ventos supirando
Vagas, tênues harmonias,
Tendes visto como correm
Minhas doidas fantasias.

E eu cudei que era poesia
Todo esse louco sonhar...
Cuidei saber o que é vida
Só porque sei delirar...

Só porque a noite, dormindo
Ao seio duma visão,
Encontrava algum alívio,
Meu dorido coração,

Cuidei ser amor aquilo
E ser aquilo viver...
Oh! Sonhos que se abraçam
Quando se quer esquecer.

Eram fantasmas que a noite
Trouxe, e o dia já levou...
A luz d'estranha alvorada
Hoje minha alma acordou!

Esquecei aqueles cantos...
Só agora sei falar!
Perdoa-me esses delírios...
Só agora soube amar!
                   Antero de Quental