segunda-feira, 31 de outubro de 2011

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Frases Marcantes



Todas as decepções são secundárias.
O único mal irreparável é o desaparecimento físico de alguém que amamos.
Romain Rolland

domingo, 23 de outubro de 2011

O véu pintado (Somerset Maugham)

Sinopse
Kitty sente-se prisioneira de um casamento infeliz e de um estilo de vida que está longe de ser aquele que sonhou para si. Sem que tivesse obtido a notoriedade social que desejava e afastada do seu país e da família devido à profissão do marido - bacteriologista destacado para Hong Kong - , a jovem acaba por encontrar algum consolo numa relação extra-conjugal. Mas a traição acaba por ser descoberta pelo marido, que leva a cabo uma estranha e terrível vingança...

Opinião
À alguns anos atrás, sem querer vi o filme o Véu pintado! Adorei o filme, mas andava longe de saber que tinha sido baseado num livro! Tal só aconteceu à algumas semanas atrás o que, desde logo, despertou em mim a curiosidade de ler o livro!
Agora que terminei a leitura sinto-me um pouco desiludida com o livro... Acho que é a primeira vez em que, na minha opinião, o filme supera o livro...
O tema que está presente no livro é, a meu ver, bastante interessante. O casamento forçado, a época dos loucos anos vinte, a personalidade frívola de Kitty, o embaraço de Walter... Tudo isto, parecem-me ingredientes de qualidade para uma história de qualidade. Contudo, acho que apartir do momento em que Walter decide partir para Mei-tan-fu com Kitty devido a traição desta, a narração fica pobre em termos de acontecimentos... Acho que a narrativa ficaria a ganhar se, tal como aconteceu no livro, houvesse uma maior exploração da relação deste casal que é obrigado a conviver mais, a falar, a re-descobrir-se... O autor vai dando indícios de uma mudança de opinião de Kitty em relação àquilo que pensa do marido, contudo não a concretiza em termos e atitudes.
O que vai sendo mais visível é o desenvolvimento de Kitty ao nível da sua personalidade e na forma como encara a vida. O narrador descreve grandes reflexões desta em que há uma comparação das diferentes fases da sua vida...
Em relação ao final do livro, fiquei com uma sensação de vazio... Parece que falta alguma coisa... Na minha opinião é um final um pouco vazio em termos de conteúdo...

Aspecto positivo: Considero como positivo as reflexões acerca da vida e das relações humanas que o narrador vai construindo em relação à Kitty.

Aspecto negativo: Como negativo, aponto o facto do pobre desenvolvimento da relação entre Kitty e Walter quando se encontram em Mei-tan-fu.

sábado, 22 de outubro de 2011

Poetic Dreams

O Teu Olhar
Passam no teu olhar nobres cortejos,
Frotas, pendões ao vento sobranceiros,
Lindos versos de antigos romanceiros,
Céus do Oriente, em brasa, como beijos,

Mares onde não cabem teus desejos
;
Passam no teu olhar mundos inteiros,
Todo um povo de heróis e marinheiros,
Lanças nuas em rútilos lampejos;

Passam lendas e sonhos e milagres!
Passa a Índia, a visão do Infante em Sagres,
Em centelhas de crença e de certeza!

E ao sentir-se tão grande, ao ver-te assim,
Amor, julgo trazer dentro de mim
Um pedaço da terra portuguesa!

Florbela Espanca,  "A Mensageira das Violetas"

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Frases Marcantes


Não é verdade que existem quatro cavidades. Na verdade, o coração divide-se - como sabemos - em tantas assoalhadas quantas as pessoas que ocupamum lugar dentro de nós.
Eduardo Sá, Tudo o que o amor não é

terça-feira, 18 de outubro de 2011

O Recife (Nora Roberts)

Sinopse
A arqueóloga marinha Tate Beaumont, é apaixonada pela caça ao tesouro. Ao longo da vida, ela e o pai descobriram muitas riquezas fabulosas, mas há um tesouro que nunca conseguiram encontrar: a Maldição de Angelique - um amuleto de pedras preciosas, oscurecido pela lenda e manchado de sangue. Para encontrarem este artefacto precioso os Beaumonts aceitam, hesitantemente, uma parceria com os mergulhadores Buck e Matthew Lassiter. Tate não fica feliz por partilhar o seu sonho, mas não tem alternativa.
E, à medida que os Beaumonts e os Lassiters disponibilizam recursos para localizar a Maldição de Angelique, as águas das Caraíbas adensam-se com desilusões sombrias e ameaças escondidas. A parceria entre as famílias é posta em causa quando Matthew se recusa a partilhar informação - incluindo a verdade sobre a morte misteriosa do seu pai, alguns anos antes. E conforme Tate e Matthew avançam com a sua desconfortável aliança… o perigo e o desejo ameaçam emergir.”
 

Opinião
Este foi apenas o terceiro livro que li de Nora Roberts por isso não posso fazer uma justa comparação com a vasta obra da autora. Contudo, em relação àqueles que já tinha lido (Era uma vez um estrela e Oferenda Mortal) assume a posição central.

A sinopse que é apresentada na contracapa não corresponde, na minha opinião, à estória que encontramos no livro. Pela minha leitura, a interpretação que faço é que não era  Tate que andava atrás da Maldição de Angelique e sim o Matthew e o seu tio Buck! Eles é que influenciaram Tate e os seus pais e os motivaram para a procurar desta jóia.

Confesso que, inicialmente, não fiquei logo presa ao enredo. Foi um processo gradual. Acho que fiquei completamente presa a esta "busca ao tesouro" a partir da segunda parte do livro quando a família de Tate se encontra com Matthew e Buck, passados oito anos após terem trabalhado junto uma primeira vez!  A partir deste ponto, a narrativa torna-se mais complexa, com mais pormenores acerca das características das personagens e das relações que elas vão estabelecendo ao longo do desenvolvimento dos acontecimentos.

Pontos positivos do livro:  Na minha opinião, o tema da busca ao tesouro e da simbologia que este envolve esta muito bem desenvolvido. As personagens Tate e Matthew juntam esforços para procurar algo que tem uma grande importância para ambos, mas conferem-lhe um significado diferente. Enquanto que para Matthew o valor monetário e a possibilidade de se vingar de Silas (o vilão da trama) é o motor motivacional para procurar arduamente a Maldição de Angelique, por seu lado Tate é movida pelo gosto cientifico e histórico que está inerente a este objecto. Porém, embora ambos sejam movidos por objectivos diferentes, tal não impede que se articulem profissionalmente. Esta busca ao tesouro oferece-lhes um "tesouro" com valor superior: o amor e a paixão! Esta paixão, ao longo do livro conhece altos e baixos, mas no fim este é o tesouro que as personagens mais valorizam.
A opção da autora de dividir o livro em três momentos principais - passado, presente e futuro - é um outro aspecto que eu considero positivo, uma vez que confere ao livro uma certa dinâmica narrativa e evolucional da estória. Oferece ao leitor uma perspectiva do tempo em que a acção se desenvolve.

Pontos negativos do livro: Na minha opinião, o único aspecto negativo do livro é a forma como se desenrola a relação amorosa entre Tate e Matthew quando se encontram, passados oito anos, depois de se terem separado. Acho que a autora acabou transformou o amor que se viveu na primeira parte do livro em atracção física na segunda parte. No fundo, no final do livro as coisas acabam por retomar a essência mais romântica, mas pareceu-me algo estranho o aspecto frio com que a relação recomeçou por parte de ambos os personagens.


(Des)Construir imagens


O final da semana passada trouxe-nos notícias pouco animadores relativamente à futura situação económica dos Portugueses!
Acho que nos devemos inspirar nesta imagem e, se possível, começar a programar o nosso futuro começando a fazer pequenas poupanças... 

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Poetic Dreams

Intervalo

Quem te disse ao ouvido esse segredo
Que raras deusas têm escutado —
Aquele amor cheio de crença e medo
Que é verdadeiro só se é segredado?...
Quem te disse tão cedo?

Não fui eu, que te não ousei dizê-lo.
Não foi um outro, porque não sabia.
Mas quem roçou da testa teu cabelo
E te disse ao ouvido o que sentia?
Seria alguém, seria?

Ou foi só que o sonhaste e eu te o sonhei?
Foi só qualquer ciúme meu de ti
Que o supôs dito, porque o não direi,
Que o supôs feito, porque o só fingi
Em sonhos que nem sei?

Seja o que for, quem foi que levemente,
A teu ouvido vagamente atento,
Te falou desse amor em mim presente
Mas que não passa do meu pensamento
Que anseia e que não sente?

Foi um desejo que, sem corpo ou boca,
A teus ouvidos de eu sonhar-te disse
A frase eterna, imerecida e louca —
A que as deusas esperam da ledice
Com que o Olimpo se apouca.

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Frases Marcantes

As viagens que se realizam em volta de nós mesmos são muito mais interessantes do que as que se fazem à volta do mundo.
(Nicholas Sparks, in A melodia do adeus)


segunda-feira, 10 de outubro de 2011

(Des)construir imagens

10 de Outubro- Dia Mundial da Doença Mental
Hoje assinalou-se o dia Mundial da Doença Mental.
O crescente número de pessoas que apresenta uma qualquer doença mental é algo que nos deve preocupar. A crise, o desemprego, a solidão são apenas alguns dos factores que, quando associados entre si, podem conduzir às mais diversas patologias!
A doença mental acarreta danos pesados para o doente e para a sua família... A importância de um tratamento multidisciplinar constitui um forma mais eficaz de retirar as pessoas do "buraco negro" em que as suas vidas mergulharam! Cuidar dos doentes mentais implica, esforço, paciência, sensibilidade e, acima de tudo, respeito pela situação frágil e difícil em que a pessoa se possa encontrar!
O preconceito ainda se encontra bem presente na mente de grande parte das pessoas, preconceito este que dificulta a recuperação destes doentes mentais... Preconceito em aceitar uma pessoa com doença mental para trabalhar, preconceito na interacção e relação que possam ser estabelecidas, preconceito em tratar pacientemente este tipo de pessoas, preconceito perante os familiares criando barreiras intransponíveis isolando-as na doença!
O resultado de todos estes preconceitos é o rótulo atribuído às pessoas. É frequente ouvirmos a deprimida, e não uma pessoa que sofre de depressão; a esquizófrenica, e não a pessoa que sofre de esquizofrenia! É extremamente doloroso para os doentes e para os seus familiares conviverem com tudo isto. Cabe-nos à nós, cidadãos responsáveis, agir de forma diferente para que o bom comportamento possa ser imitado por aqueles que ainda deixam o preconceito invadir as suas vidas.

Esta Espécie de Loucura
Esta espécie de loucura
Que é pouco chamar talento
E que brilha em mim, na escura
Confusão do pensamento,

Não me traz felicidade;
Porque, enfim, sempre haverá
Sol ou sombra na cidade.
Mas em mim não sei o que há

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"
Afinal, o que seria de Fernando Pessoa sem a sua loucura! Não lhe trazia felicidade, mas permitiu a emergência de um génio inigualável! 



domingo, 9 de outubro de 2011

A(braços) com a vida

E porque Florbela Espanca não se dedicava exclusivamente à poesia, deixo-vos aqui um bocadinho da sua prosa! Bonitas estas palavras!

A oferta do destino
Um dia, o destino, trôpego velho de cabelos cor da neve, deu-me uns sapatos e disse-me:
- Aqui tens estes sapatos de ferro, calça-os e caminha...
Caminha sempre, sem descanso nem fadiga, vai sempre avante e não te detenhas, não pares nunca!... A estrada da vida tem trechos de céu e paisagens infernais; não te assuste a escuridão, nem te deslumbres com a claridade; nem um minuto sequer te detenhas à beira da estrada; deixa florir os malmequeres, deixa cantar os rouxinois. Quer seja lisa, quer seja alcantilada a imensa estrada, caminha, caminha sempre!
Não pares nunca! Um dia, os sapatos hão-de romper-se; deter-te-ás então. É que terás encontrado, enfim, os olhos perturbadores e profundos, a boca embriagante e fatal que há-de prender-te para todo o sempre!
Isto disse-me um dia o destino, trôpego velho de cabelos cor da neve. Calcei os sapatos e caminhei, O luar era profundo; às vezes, cantavam nas matas os rouxinois... Outras vezes, ao sol ardente do meio-dia desabrochavam as rosas, vermelhas como beijos de sangue; as borboletas traziam nas asas, finas como farrapos de seda, os perfumes delirantes de milhares de corolas! Outras vezes ainda, nem uma estrela no céu, nem um perfume na terra, e eu ouvia a meus pés a voz de algum imenso abismo. Passei pelo reino do sonho, pelo país da esperança e do amor que, ao longe, banhado pelo sol, dá a impressão duma imensa esmeralda, e vi também as terras tristes da saudade, onde o luar chora noite e dia! Não me detive nem um só instante! O coração ficou-me a pedaços dispersos pelos caminhos que percorri, mas eu caminhei sempre, sem fraquejar um só momento!... Há muito tempo que ando, tenho quase cem anos já, os meus cabelos tomam-se da cor do linho, e o meu frágil corpo inclina-se suavemente para a terra, como uma fraca haste sacudida pela nortada. Começo a sentir-me cansada, os meus passos vão sendo vagarosos na estrada imensa da vida!
E os sapatos inda se não romperam! Onde estareis vós, ó olhos perturbadores e profundos, ó boca embriagante e fatal que há-de prender-me para todo o sempre?!...
Florbela Espanca

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Poetic Dreams

Conto de Fadas
Eu trago-te nas mãos o esquecimento
Das horas más que tens vivido, Amor!
E para as tuas chagas o ungento
Com que sarei a minha própria dor.

Os meus gestos são ondas de Sorrendo...
Trago no nome as letras de uma flor...
Foi dos meus olhos garços que um pintor
Tirou a luz para pintar o vento...

Dou-te o que tenho: o astro que dormita,
O manto dos crepúsculos da tarde,
O sol que é d'oiro, a onda que palpita.

Dou-te comigo o mundo que Deus fez!
- Eu sou Aquela de quem tens saudade,
A princesa do conto: "Era uma vez..."
                                    (Florbela Espanca, Charneca em Flor)

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

A Alquimia do Amor (The Notebook #2) [Opinião]

Imagem

Sinopse
Wilson cometeu um erro que colocou em causa o seu casamento: Esqueceu-se da data do aniversário de casamento deixando Jane, sua esposa, tremendamente desiludida. As longas reflexões de Wilson acerca do seu casamento e as conversas com o seu sogro Noah despertaram algum romantismo da sua parte e durante um ano planeia um surpresa para festejar o seu 30º aniversário de casamento!
A história de amor dos sogros Noah e Allie serve como fonte de inspiração para Wilson. Este casal viveu uma amor imenso e que só a doença e a morte tentou apagar... Felizmente não conseguiu e Noah agarra-se a algo que ele pensa acreditar que possui a alma da sua amada: um cisne!
Assim, ao longo deste livro são narradas as histórias de dois casamentos e a forma como foram vividos...

Opinião
Mais uma vez o amor é o tema de fundo do autor Nicholas Sparks. Gostei da história, da forma como ela se vai desenvolvendo e do seu momento final. Em comparação com outros livro do autor que já li, não é o meu livro preferido, mesmo assim a sua narrativa conseguiu-me cativar e senti-me envolvida pelo desenrolar da acção.

Todos nós cometemos erros nas nossas relações, mas existe sempre a possibilidade de dar-mos a volta por cima dando a oportunidade ao amor de corrigir esses erros. Foi o que aconteceu com a personagem Wilson. Ao cometer um erro, começou a reflectir acerca daquilo que tinha sido a sua vida e naquilo que fez de menos correcto. Estas reflexões são muito importantes para o desenrolar da história, são profundas e sentimentais, transmitindo um homem que ama profundamente a sua esposa e que sente mal por tudo aquilo que foi fazendo para que o seu casamento se tornasse um pouco frio, apagado e se afastasse da sua esposa Jane.

Paralelamente à história de Wilson, é-nos dado o desfecho do casal protagonista do livro o Diário da Nossa Paixão. Este aspecto, para mim, foi um surpresa muito feliz! Eu adorei este livro, já vi o filme muitas vezes e foi bom descobri que este Noah era o mesmo Noah do livro anterior. Aqui mostra-nos como Noah tem vivido depois da morte da Allie e como nem a morte conseguiu apagar esse sentimento. Achei muito bonito a forma como Noah re-descobriu a sua Allie através de um cisne (animal que fascinava Allie) e na simbologia que tinham os comportamentos do animal que foram descritos ao longo do livro. Segundo a minha interpretação de um dos acontecimentos finais do livro em que o cisne desaparece é como se quisesse transmitir que em breve Noah se encontraria em breve com Allie.

A forma como o livro termina é muito boa, porque ao longo da leitura do livro, o leitor é conduzido por um caminho em que os acontecimentos não estão em sintonia com o final. Contudo, ao longo do livro são dadas pistas, que só no fim da leitura nos apercebe-mos, que nos iam dado a indicação daquilo que seria o desenrolar final dos acontecimentos. Este aspecto, na minha opinião, torna o final mais grandioso e comovente.

Por todas estas razões, e para aqueles que não resistem a uma boa história de amor, este é um bom companheiro de cabeceira.

Boas leituras!

Frases Marcantes



"... vejo que aqueles que me tocaram a alma não conseguiram despertar o meu corpo, e aqueles que tocaram o meu corpo não conseguiram atingir a minha alma..."
Paulo Coelho, Onze Minutos








segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Dia 4 de Outubro - Dia Mundial do animal

Esta é uma história verídica que faz todo o sentido partilhar... Espero que as pessoas reflictam acerca dos seus próprios actos, para que não se voltem a repetir!

(Des)contruir imagens

É habitual dizer-se que uma imagem vale mais do que mil palavras! Contudo, acho que essas mil palavras podem tornar essa imagem mais rica! Quem é que nunca se demorou longos minutos a olhar para uma imagem, a reflectir com ela, a viajar até às profundezas do seu sub-consciente!?
Aquilo que pretendo com esta rubrica é uma fazer uma reflexão partindo de uma imagem! Neste momento serei eu a escolher as imagens, mas aceito sugestões dos leitores deste blog, se assim o entenderes.

Dia 4 de Outubro - Dia Mundial do Animal 

(imagem retirada do google)
Esta imagem apresenta-nos dois dos animais de estimação mais presentes nas casas do ser humano. Infelizmente, são também estas duas espécies que mais sofrem com o abandono dos animais. A época das férias é crítica no que respeita a este flagelo... Aumenta o número de animais abandonados na rua e em canis municipais, porque, de um momento para o outro, aquele que sempre nos acompanhou ao longo do ano torna-se um entrave para as férias!
No momento de abandonar este animais, os dono esquecem-se dos momentos de felicidade, companheirismo, respeito, lealdade... que estes pequenos seres nos proporcionam!
Na minha opinião, os animais são dos amigos mais fiéis que podemos ter! Já pensaram que eles não nos descriminam qualquer que seja o nosso tom de pele, adaptam-se à nossa rotina, são fiéis, estão presentes nos momentos de tristeza e de alegria, sem nunca abandonar aquele que o acolhe, respeita e alimenta... Não demonstram sinais de ingratidão, aceitam-nos tal e qual aquilo que somos. No fundo, nunca nos abandonam!
Antes de adoptar um animal, as pessoas devem pensar que estão assumir uma responsabilidade para a vida e que os animais não são simples objectos que possamos descartar de um momento para o outro! 


domingo, 2 de outubro de 2011

A(braços) com a vida!

A rubrica mensal A(braços) com a vida pretende dar a conhecer aos leitores a vida e obra de diferentes autores. Ao longo do mês irei postar aspectos que nos permitam conhecer melhor determinados autores!

Para este mês seleccionei uma poetisa portuguesa! É das minhas perferidas, e possui um vida repleta de aspectos interessantes e, muitos deles estão patentes ao longo da sua vasta obra! Assim, ao longo deste mês iremos estar a(braços) com a vida de Florbela Espanca!


Florbela Espanca (1984 - 1930) possui uma vasta obra: escreveu poesia, contos, um diário... Traduziu diferentes obras e, ainda, colaborou em jornais e revistas de índole diversa! Apesar desta vasta actividade é com a sua poesia que se torna conhecida! Desta forma, termino este primeiro post com o poema mais conhecido da autora, é que constitui a letra de uma música!

Ser poeta
Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente...
É seres alma e sangue e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!


Curiosidade: Este poema é retira do livro Charneca em Flor livro que Florbela organizou e acompanhou durante a edição de Guido Battelli (professor regente do Curso História da Literatura Italiana da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra) lhe conseguiu em Coimbra depois de ter conhecido os seus poemas através de um jornal. Florbela chegou mesmo a rever muitas das provas tipográficas, mas suicidou-se (08-12-1930) antes da sua publicação (Janeiro de 1931). (Florbela Espanca, Poesia completa - Publicações Dom Queixote, 6 ed. 2007).