segunda-feira, 28 de maio de 2012

(Des)construir imagens




A lua é uma fonte inspiradora para muitas estórias. Este elemento da natureza encerra em si uma boa dose de mistério, magia, sedução, poder... A sua beleza enfeitiça aqueles que a olham, e torna as noites menos escuras e tenebrosas.


domingo, 27 de maio de 2012

Opinião - A casa na praia



Autor: Anita Shreve
Ano: 2008
Editora: Edições Asa
Número de Páginas: 270
Classificação: 3/6

Sinopse
Quando casou, Sydney estava perdidamente apaixonada pelo marido Andrew, um piloto de aviões carismático e aventureiro. Mas o medo de o perder num acidente de aviação quase a leva à loucura, deixando-lhe apenas uma alternativa: o divórcio.
Quando voltou a casar, Sydney acreditou que nada tinha a temer, afinal Daniel era um jovem e pacato médico. Mas o destino prega-lhe uma partida, e o seu segundo marido morre subitamente no hospital onde trabalha.
Desencantada e sem rumo, a jovem viúva aceita um emprego de Verão na magnífica costa de New Hampshire.
O que ela não podia imaginar era que o amor ainda lhe reservava grandes surpresas.
Envolvida num surpreendente triângulo amoroso feito de velhas rivalidades e segredos amargos, é obrigada a ver para além das aparências e a questionar as suas opções do passado.
Porque o coração obedece a regras indecifráveis, Sydney descobrirá por si própria que amar é o maior e o mais compensador de todos os riscos...

Opinião
Confesso que espera mais deste livro. Fui arrastada por uma sinopse que se revelou um tanto ou quanto insuficiente acerca das palavras que as páginas deste livro encerravam.

Foi o primeiro livro que li da autora e não fiquei muito convencida. Acho que a base da estória é boa, contudo a autora quando a construiu não o fez de modo a agarrar o leitor. Simplesmente as palavras não são capazes de nos amarrar a atenção por longos períodos de tempo. É uma narração lenta e pouco dinâmica.

Esperava mais da personagem principal, Sydney. Esperava que a autora tivesse descrito, com mais pormenor e oferecesse a esta personagem mais carisma e a descrevesse de modo a que os leitores se identificassem com ela. Eu não me senti ligada a esta personagem. Gostei de algumas passagens do livro protagonizadas por ela, contudo era muito parada, sem características marcantes.

O triângulo amoroso que se formou com o desenrolar da estória, também se revelou pouco credível. As páginas dedicadas a esta fase da narrativa não revelaram a intensidade necessária que me fizesse sentir amor, carinho e admiração entre aqueles personagem. Parecia algo frio, tal como o cenário da casa da Praia que ia sendo descrito. Por estranho que possa parecer, enquanto lia o livro e as descrições da casa e da paria não conseguia sentir aqueles calor agradável que normalmente estas descrições me fazer sentir, por outro lado imaginava sempre um lugar frio, sem sol, mesmo no pico de Verão. Acho que isto é uma boa metáfora para a minha relação com o livro. Penso que estas sensações estão relacionadas com o fato de não me sentir cativada pelo livro.

Embora a minha opinião sobre o livro não tenha sido muito calorosa, considero que existe pontos positivos e que para grande infelicidade minha, não foram correctamente agarrados pela autora. Um deles é o nível intelectual baixo da jovem que Sydney vai tomar conta no Verão e da relação de extrema protecção que os pais assumem nesta jovem. Esta protecção não permite que a jovem partilhe as suas ideias e vai-se mostrando uma personagem reservada e misteriosa ao longo do livro. Não consegui perceber muito bem quais as reais dificuldades da jovem e em que medida isso a afectava. Daquilo que percebi não me pareceu nada significativo. Apenas não conseguia atingir os elevados patamares que os pais tinham para ela. A autora deveria ter sido mais clara nesta situação, até porque permitiria uma maior compreensão da extrema protecção que os pais exibiam.

A homossexualidade foi outros dos temas abordados no livro e que considerei bastante positivo. Neste caso, a autora desenvolveu mais o tema tornando-o mais esclarecedor.

A sensação que fica no final da leitura é uma sensação de que falta qualquer coisa que faça atribuir algum sentimento a este livro. Falta-lhe algo que o faça permanecer na nossa memória por tempo indetermidado. Falta-lhe aquele "tempero" que o torne memorável.

Boas leituras

 

Selo 3

Mais um bonito selo enviado pela Margarida do blog http://ospedacosdeamor.blogspot.pt. Mais uma vez obrigada, Margarida. É sempre bom receber estes pequenos miminhos, pois significa que existem pessoas que gostas de ler as nossas insiginficantes palavras.

Como é óbvio este selo vem acompanhado de um desafio. É o seguinte:

1- Dizer 7 factos sobre mim dos quais 3 são mentira.
2- Desafiar os seguidores a descobrir quais os 3 que são falsos.
3- Fazer um post uns dias depois a contar quais são mentira.
4- Passar o desafio e o selinho a 5 seguidores que considere merecedores.

As minhas verdades e as minhas mentiras.

  1. Estudei música durante 5 anos.
  2. Fiz parte de uma tuna.
  3. Escrevo pequenas histórias para crianças.
  4. Fiz parte de um grupo de teatro.
  5. Troco, frequentemente, de telemóvel.
  6. Adoro fazer longas caminhadas.
  7. Não gosto de praia.
E agora este selinho vai para os blogs:
Agora a tarefa é vossa!! Tentem descobrir quais as minhas mentiras!

Boas Leituras!




sábado, 26 de maio de 2012

Poetic Dreams

Auto-retrato
Espáduas brancas palpitantes:
asas no exílio dum corpo.
Os braços calhas cintilantes
para o comboio da alma.
E os olhos emigrantes
no navio da pálpebra
encalhado em renúncia ou cobardia.
Por vezes fêmea. Por vezes monja.
... Conforme a noite. Conforme o dia.
Molusco. Esponja
embebida num filtro de magia.
Aranha de ouro
presa na teia dos seus ardis.
E aos pés um coração de louça
quebrado em jogos infantis.

Natália Correia

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Frases Marcantes

Não se pode fazer as coisas «outra vez» nesta vida, é impossível repetir o que já aconteceu. Essas coisas [apaixonarmo-nos] só acontecem uma vez na vida.
Danielle Steel, Uma vez na vida

terça-feira, 22 de maio de 2012

Inverno de sombras

Autor: Liliana Lavado
Número de Páginas: 313
Classificação:5/6

Sinopse
“Todos ficam sujos de sangue e há sempre alguém que morre.”
Este era o lema de Danton.
Filho de dois poderosos feiticeiros, inimigos de séculos, a sua própria existência tinha origem num golpe de guerra entre os pais.
Criado e aperfeiçoado por Amauri e Goulart como a arma de eleição, o tempo tornou-o na mais mortífera de todas, temida até pelos próprios.
Em Lisboa, uma misteriosa Caixa detém um poder que uma família guarda em segredo há gerações, e Danton está decidido que é chegada a hora desse poder lhe pertencer.
Numa caça ao tesouro que se transforma num jogo de xadrez, não há bons nem maus, nem verdade que não esconda um segredo.
O passado colide com o presente e tudo acontece, apenas não como todos esperam.
Opinião

Este foi o segundo livro do desafio Leitor Beta, lançado pela fantástica escrito Liliana Lavado.
É um livro fantástico, com um enredo viciante e personagens que conquistam o leitor pelas suas personalidades tão bem descritas ao longo do livro.
Ao longo destas páginas somos levados por uma viagem marcada pelo misticismo, por criaturas estranhas... Somos levados aos locais mais sombrios de Paris, locais habitados por seres estranhos e sentimo-nos a passear pelas diferentes ruas de Lisboa.

Existe uma caixa que todos procuram. Uma caixa muito bem guardada que empurra Danton numa busca obsessiva em que não conhece os limites. Contudo, os sentimentos traem-no e ele vê-se obrigado a mudar as suas estratégias.

São muitas as revelações que vão sendo desvendadas... As personagens evoluem e o leitor vê-se arrastado por uma corrente de acontecimentos que nos prendem cada vez mais às palavras, à estória, aos acontecimentos...

As personagens vão-se movendo em diferentes caminhos, pois o desenrolar dos acontecimentos e as descobertas que vão sendo feitas obrigam-nas a assumir novos papeis e novas relações.

Confesso que no início tive alguma dificuldade em entrar na estória. Alguma dificuldade em apreender os diferentes conceitos e acontecimentos relacionados com a magia. Na minha opinião, a a parte inicial do livro, em que as personagens nos são apresentadas, poderia ser mais enriquecida com pormenores que facilitem ao leitor o conhecimento do sub-mundo da escuridão.

Liliana demonstra, com este livro, um qualidade e criatividade espantosas. Cria cenários, personagens e enredos complexos. E, em comparação com o livro anteriormente lido, demonstra mais cuidados na construção da narrativa e das personagens, sendo mais rico em pormenores.

É um livro de fantasia urbana que merece um lugar numa livraria próxima de nós. E, claro, um lugar na minha estante. Acho que a criatividade, empenho e trabalho da Liliana deverão ser reconhecidos.

Boas leituras :)


sábado, 19 de maio de 2012

Poetic Dreams

Soneto do amigo

Enfim, depois de tanto erro passado
Tantas retaliações, tanto perigo
Eis que ressurge noutro o velho amigo
Nunca perdido, sempre reencontrado.

É bom sentá-lo novamente ao lado
Com olhos que contêm o olhar antigo
Sempre comigo um pouco atribulado
E como sempre singular comigo.

Um bicho igual a mim, simples e humano
Sabendo se mover e comover
E a disfarçar com o meu próprio engano.

O amigo: um ser que a vida não explica
Que só se vai ao ver outro nascer
E o espelho de minha alma multiplica...

Vinicius de Morais

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Verão na Riviera

Autor: Elizabeth Adler
Ano: 2010
Editora: Quinta Essência
Número de Páginas: 292
Classificação: 5/6

Sinopse
A americana Lola Laforêt pensava que tinha tudo: um casamento estável com Patrick, um francês muito encantador, e o Hotel Riviera, um espaço mágico voltado para o azul do Mediterrâneo, a sua grande paixão. Até que um dia Patrick desaparece misteriosamente sem deixar rasto…
Seis meses depois, Jack Farrar, um americano que passeia pelo mundo a bordo do seu barco, lança âncora na enseada do Hotel Riviera e vai mostrar a Lola o verdadeiro significado do amor.
A atracção entre ambos é imediata, mas, após o que aconteceu com Patrick, Lola receia envolver-se novamente. Será Jack um homem de confiança? Quando a polícia a questiona acerca do paradeiro do marido e, em seguida, várias pessoas suspeitas reivindicam a posse do Hotel Riviera, Lola recorre à ajuda de Jack para encontrar o misterioso Patrick e resolver, de uma vez por todas, o seu futuro.

Opinião
Mais uma vez, Elisabeth Adler brinda-nos com um romance com cheiro a Verão, praia e leveza...

Lola encantou-se facilmente por Patrick, um mulherengo sem cura possível. Casa-se com ele e toma conta de um fantástico hotel em França com uma vista privilegiada para o Mediterrâneo. Esta fraqueza de Patrick pelas mulheres, faz com que desapareça dando origem a um mistério que Lola terá de resolver.

Durante os seis meses de ausência de Patrick Lola vivência sentimentos muito diferentes, para no fim restar uma profunda mágoa, pincelada pela raiva, pelo facto de Patrick a ter abandonado deixando completamente desamparada. Depois aparece Jack E Lola vê-se de novo envolvida pelos laços da paixão...

É um romance leve, envolto com algum mistério e ilustrado por fantásticas descrições. Em relação às personagens principais, acho que a autora deveria construi-las mais em termos de descrições dos seus sentimentos e reacções às diferentes situações. Por exemplo, acho que a história de vida da Lola deveria ter sido mais elaborada para que a ligação entre leitor-personagem se tornasse mais forte.

Uma das personagens que me irritou um bocadinho ao longo do livro foi a Sra. N. Embora considere que ele deteve um papel fundamental no desenrolar do mistério que envolvia o desaparecimento de Patrick, por vezes a estória arrastava-se, criando momentos muito parados no livro.

Boas leituras

Frases Marcantes

Sempre me interroguei se a beleza não será a simples tentativa de captar algo que nunca se possuiu ou se não será algo que tivemos na infância e queremos recuperar. O deslumbramento ou a magnifiência.
Anita Shreve, A casa na Praia

segunda-feira, 14 de maio de 2012

(Des)construir imagens

Os animais são extraordinários. Conseguem dar-nos verdadeiras lições de vida, transmitir-nos sentimentos, promover uma mudança na forma como olhamos o mundo.
Por tudo isto, devemos, SEMPRE, respeitá-los e amá-los de uma forma incondicional!

A Sedução (Notorious #1) [Opinião]



Autor: Nicole Jordan
Ano: 2010
Editora: Livros d'hoje
Número de Páginas: 348
Classificação: 5/6

Sinopse
Londres 1810: Lorde Damien Sinclair, o mais reconhecido libertino da alta sociedade londrina, preocupa-se apenas com o seu próprio prazer, até que a sua irmã mais nova, Olívia, num encontro proibido, sofre um acidente e a sua reputação fica arruinada. Damien fará de tudo para destruir o jovem culpado pelo estado de Olívia... E Vanessa Wyndham protegerá o seu insensato irmão a todo o custo, mesmo que isso signifique entrar num pacto ilícito com o perigosamente bonito "Lorde Sin". Quando Vanessa se oferece para o cargo de ama de companhia da irmã incapacitada de Lorde Sin. Damien aceita mas impõe uma condição escandalosa - ele perdoará a "dívida" do seu irmão, se ela concordar tornar-se sua amante.

Opinião
Damien é um homem da alta sociedade incapaz de resistir a uma mulher atraente. Contudo, estes relacionamentos eram curtos não permitindo que ele quebrasse o seu lema: apaixonar-se! O relacionamento dos pais foi algo que o marcou profundamente. Detestava as relações extra-conjugais do seu pai, e particularmente uma que arruinou o casamento. Partindo deste princípio vivia uma vida libertina na cidade de Londres até ao momento em que a sua irmã mais nova teve um acidente e ficou confinada a uma cama. Este acidente ocorreu quando ela decidiu fugir com o irmão de Vanessa Wyndham.

Damien queria vingança. E a sua vingança poderia levar a família de Vanessa à ruína. Então, num acto de protecção Vanessa faz um acordo com Damien e acaba como amante de Damien. O que nenhum deles esperava era que se apaixonam-se um pelo outro. Nesta relação ambos aprenderam um com o outro. Damien ensinou a Vanessa as regras da sedução, todos os truques que as mulheres podem usar para levar um homem à loucura. E Vanessa, por seu lado ensinou a Damien que o amor e a paixão não inferiorizam ninguém e que, acima de tudo as pessoas podem mudar e assumir uma posição nova perante a vida.

É um livro fantástico que nos conduz numa leitura compulsiva, devorando todas as páginas até ao virar da última página. A narrativa está muito bem construída havendo um encadeamento das diferentes peripécias. O leitor assiste ao crescimento, desenvolvimento e mudança de atitude das personagens. Somos conquistados pela personalidade forte e determinada de Vanessa que, depois de um casamento triste em que não conheceu a felicidade, se entrega a Damien e ensina-lhe o verdadeiro prazer que pode nascer do simples facto de estarmos na companhia de alguém que nos emociona, cativa, estimula e nos leva por conversas intensas que nos fazem pensar. Damien deixa-se conquistar pelos modos simples de Vanessa e por seu lado ensina-lhe o prazer que um homem e uma mulher podem retirar um do outro. Ensina-lhe os prazeres do sexo. Ambos caem nas redes um do outro e conquistam o leitor.

Paralelamente, assistimos à evolução de Olívia física e psicologicamente o que também provoca mudanças na forma como Damien encara a vida e  as suas relações. Após tudo isto, Damien vê-se obrigado a repensar na sua vida, a repensar a forma como sempre lidou com a sua irmã, a questionar o seu comportamento.

Apesar do final ser um pouco previsível, os acontecimentos que se vão sucedendo conferem um dinamismo especial ao livro. O leitor não é arrastado por páginas em que a narrativa se arrasta sem novidades.

domingo, 13 de maio de 2012

As regras da sedução (Rothwell Brothers #1) [Opinião]



Autor: Madeline Hunter
Ano: 2006
Editora: Edições Asa
Número de páginas: 319
Classificação: 3/6

Sinopse
Hayden chega sem aviso e sem ser convidado - um estranho com convicções secretas e um forte carisma. Em poucas horas, Alexia Welbourne vê a sua vida mudar irremediavelmente. A relação entre ambos é tensa, agitada e incómoda. Para Alexia, Hayden é o culpado da sua desventura: sem dote, ela perdeu qualquer esperança de algum dia se casar. Mas tudo muda quando Hayden lhe rouba a incocência num acto impulsivo de paixão. As regras da sociedade obrigam-na a casar com o homem que arruinou a sua família. O que ela desconhece é que o seu autoritário e sensual marido é movido por uma intensão oculta e carregada consigo numa pesada dívida de honra. Para a poder pagar, ele arriscará tudo... excepto a mulher, que começa a jogar segundo as suas próprias regras...

Opinião
As Regras da sedução foi o primeiro livro que li de Madeline Hunter. Foi um livro que eu gostei, que me cativou, mas não me deslumbrou nem me levou a uma leitura compulsiva. 
Este romance apresenta-nos a estória de Alexia e Hayden, duas pessoas que se cruzam devido a problemas familiares. Alexia vê-se obrigada, depois da falência dos seu próprio pai, a viver com os primos maternos. Alexia acaba por se apaixonar por um dos primos que morre, misteriosamente. Mas esta família guarda mais mistérios que acabam por levá-los à ruína financeira.
Alexia, enquanto chora a perda do primo deixa-se seduzir por Hayden e acaba por casar com ele.
É uma relação marcada por muita sensualidade onde o amor e a paixão vão nascendo com a convivência e com as pequenas partilhas.

Em termos narrativos, este livro não cativa muito. Por vezes, torna-se pouco apelativo e não agarra o leitor às personagens e aos acontecimentos que vão sucedendo. Não é um livro que obrigue a fazer grandes reflexões.
Alexia gostava de Benjamin (o seu primo) mas descobriu facetas dele que não conhecia. Este acontecimento é dos raros  momento em que pode levar o leitor a questionar as coisas e a questionar a sua própria a vida. Afinal, até que ponto conhecemos verdadeiramente as pessoas de quem gostamos e que nos são próximas.

Não é uma narrativa arrebatadora. Porém consegue transportar-nos para o passado, com boas descrições do vestuário da época e do modo de viver. A descrição que é feita das personagens é, igualmente, um aspecto positivo uma vez que nos permite criar uma imagem mental das personagens.

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Frases Marcantes

Se todos os dias fossem assim, então o dia de hoje já não seria especial.
Nicole Jordan, A sedução

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Remexendo no báu das memórias


Hoje, em Coimbra, tem início uma das maiores festas dos estudantes do país.
Já se passaram dois anos desde que assisti a minha última serenata enquanto estudante desta bela cidade.

É impossível ouvir este fado sem sentir a nostalgia a invadir-nos a mente e um aperto intenso no nosso coração.

Foram anos fantásticos... Experiências que guardamos para sempre. Pessoas que entraram na linha da nossa vida, cresceram connosco e ainda hoje caminham ao nosso lado, mantendo-se firmes nos momentos de tristeza e eufóricos na conquista das pequenas vitórias.

Coimbra é magia, é saudade, é eterna...  Em nós trazemos um pedaço desta cidade e, nesta cidade ficou um bocado de nós.

Para mim, Coimbra nunca parte!

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Selo 2

Mais uma vez, a querida Margarida do blog Pedaços de Amor presenteou este meu cantinho com mais um bonito selo.

Este selo vem acompanhado de um desafio: confessar cinco factos aleatório sobre mim.
Então:
  1. Sou psicóloga clínica;
  2. Sou do norte do país;
  3. Gostaria de conhecer a Islândia;
  4. Gosto do Inverno;
  5. Adoraria ser um bocadinho mais alta. Tenho apenas 1,53m.

A segunda parte do desafio é enviar este selo a cinco blogs com menos de 200 seguidores. Então os escolhidos são:
  1. O desafio da leitura;
  2. Palavras soltas;
  3.  Gosto de ti livro;
  4. Crónicas na Helvética;
  5. O labirinto dos livros.

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Frases Marcantes

Cada um tem problemas na sua própria vida para a preencher, e só alguém cuja vida é vazia é que precisa de viver agarrado na dos outros.
Liliana Lavado, O Inverno das Sombras