quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Palavras Memoráveis

O que seria que tornava o amor humano muito mais desejável para mim do que o amor da minha própria espécie? Devia-se a ele ser o único e caprichoso? As Almas ofereciam amor e consideração a todos. Teria eu necessidade de um desafio mais estimulante? Este amor era complicado - podia ser dado de forma espontânea, tal como acontecia com Jamie, ou ser conquistado com o tempo e a persistência, tal como acontecia com Ian, ou ainda ser completamente inatingível e doloroso tal como acontecia com Jared.
Ou seria apenas melhor, fosse qual fosse a razão? Uma vez que estes Humanos tinham uma capacidade de odiar tão intensa, será que na outra extremidade do espectro estava um amor mais sentido, persistente e apaixonado?
Não sabia porque o desejava tão intensamente. Tudo o que sabia era que, agora que o sentia, ele merecia cada grama de risco e de aflição que me custara. Era melhor do que tinha imaginado.
Era tudo.
Retirado de Nómada  de Stephenie Meyer

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Vida


Quero acreditar nisto! Que a vida é um enorme conjunto de metamorfoses. E no final, despertamos sempre para uma nova etapa que nos encha o espírito! 

Palavras Memoráveis

Quando o coração dos outros se apaga não há nada que possamos fazer.
Rodrigo Guedes de Carvalho, Mulher em branco

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Por detrás da tela | As palavras

Ficha Técnica
Dirigido por: Brien Klugman, Lee Sternthal
Actores: Bradley Cooper, Zoe Saldana, Olivia Wilde
Género: Drama/Romance
Ano: 2012
Classificação: 5/5 Estrelas

Opinião
Se me pedissem que descrevesse este filme numa palavra escolheria FANTÁSTICO. Sinceramente, não percebi porque não recebeu, pelo menos, uma nomeação para os Oscars. 

Este filme conta-nos a história de um homem que tinha um sonho: ser escritor. Durante algum tempo dedicou-se apenas a escrever e a enviar os seus livros a editoras, mas nunca obteve uma resposta positiva. Como precisa de ganhar dinheiro, arranjou trabalho numa editora.

Uma peripécia do destino leva-o a encontrar um manuscrito com uma história escrita por alguém que não estava identificado. A curiosidade vence-lhe e ele lê o livro de uma vez só e a aquelas palavras incendeiam-lhe o espírito não lhe dando descanso. As coisas desenvolvem-se e ele acaba por ver publicado um livro que não foi escrito por ele, mas que alcança um sucesso que nunca antes ele tinha experimentado.

Acho que este filme conduz aos espectadores bons momentos de reflexão. Até onde iríamos pelos nossos sonhos? Como é que lidamos com as nossas escolhas? Qual a melhor opção a tomar perante duas alternativas? Será que compensa realizarmos algum sonho quando podemos perder outras coisas na nossa vida? Estas foram algumas das questões que me fui colocando ao longo do visionamento do filme.

De facto, todos nós fazemos escolhas na vida. E, como o filme alerta muito bem, não é muito difícil escolhermos alguma coisa o pior é lidarmos com essa escolha e com as consequências que ela acarreta para a nossa vida.

O fim do filme pode parecer um pouco confuso. Não estava à espera daquele final, confesso que fui apanhada de surpresa! Mas é neste final que se encontra a verdadeira essência do filme. É neste final que sentimos o poder das consequências das nossas escolhas e das nossas prioridades na vida. É difícil perder algo do qual gostamos muito em detrimento de outra coisa que apesar de ser importante talvez não nos preencha da mesma forma.

É um filme que recomendo. À primeira vista, o trailer pode não captar muito a vossa atenção, mas acreditem que vale a pena todo o tempo que dispensarem a ver. 

Deixem-se invadir pelas imagens!  


quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Palavras Memoráveis

- Não queremos empatar-te - argumentou Júlia. - Seguramente que vieste com alguém. 
- Vim sozinho, se é isso que queres saber. Encontrei-me com a Stella há um bocado, mas depois o séquito dela tornou-se demasiado grande. A Stella é como um cometa que vai atraindo detritos espaciais à medida que passa.

(...)

- E tu não quiseste fazer parte da cauda desse cometa da Stella?
- Fui subitamente atraído por outro corpo celeste - respondeu ele, olhando-a nos olhos.
Retirado de O Feitiço da lua de Sarah Addison Allen

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Escândalos Privados - Opinião


Escândalos Privados

Autor: Nora Roberts
Ano: 2008
Editora: Edições Chá das Cinco
Número de páginas: 416
Classificação: 5 Estrelas
Desafio: Reading Romances

Sinopse
No mundo glamoroso dos talk-shows, as estrelas mais brilhantes escondem os segredos mais negros.

Desenrolando-se no glamoroso mundo da televisão, Escândalos Privados conta-nos a história de Deanna Reynolds, a apresentadora de um pequeno talk-show em ascensão. Bonita, sincera e muito profissional, Deanna decide então partir para Nova Iorque, determinada em tornar-se a melhor dentro do género. Mas isto fá-lo atravessar no caminho da sua antiga mentora, Angela Perkins, a actual rainha da televisão e uma mulher perigosa de desafiar. Angela não hesita em roubar convidados, fazer chantagem e até atravessar os limites do bom jornalismo para combater a crescente popularidade de Deanna. E o romance desta com o famoso e encantador repórter Finn Riley, por quem Angela sempre teve uma paixão, só aumenta a tensão. Mas a prova de que as coisas podem sempre piorar é o aparecimento de um fã obcecado, que deseja Deanna só para si, e que começa por matar todos aqueles que se aproximam dela. 

Opinião
À medida que vou lendo mais livros de Nora Roberts, mas simpatia ganho por esta escrito. De facto, começo a tornar-me fã assumida. Até ao momento tinha lido muito poucos livros dela e tinha uma maior simpatia pelo seu pseudónimo na Série Morta (que adoro).

Começando pelas personagens, considero-as credíveis e bem elaboradas. Deanna, uma jornalista inteligente, simpática mas com uma personalidade insegura. Gostei muito de Deanna e identifiquei-me muito com ela principalmente no que se refere à dedicação ao trabalho, a forma metódica como trabalha, a insegurança... É uma personagem muito simpática que vai sofrendo com alguns acontecimentos do livro. Finn, o jornalista que rouba o coração de Deanna, é um homem inteligente, observador, perspicaz, cuidador e muito protector. Finn é o verdadeiro homem modelo, que arrebata os corações das leitoras. Achei os diálogos e as discussões entre estas duas personagens muito bem elaborados e em que deixavam transparecer a inteligência e a forte personalidade de ambos.  Adorei estes dois!

Angela, uma das personagens más, é uma má que gosta de esmiuçar as partes obscuras das pessoas! É uma mulher ambiciosa que não tem em conta os meios necessários para atingir aquilo que pretende. Gostei dela e   do declínio profissional e emocional que ela vai sofrendo ao longo do livro. Considero o declínio emocional muito bem estruturado e encaixado com o perfil de Angela. 

Para fomentar mais a mente curiosa dos leitores aparece um fã obcecado por Deanna. Este aspecto, a certo momento do livro, deixou-me com os nervos aos pulos. Quando cheguei a um certo momento da narrativa, comecei a desconfiar de uma personagem em particular, mas a fantástica Nora conseguia semear pequenos momentos que me levavam a desconfiar de outros. Criava a dúvida! Eu não resisto a livros que me obriguem a pensar e andar às voltas para resolver determinado mistério, o que me levou a uma leitura compulsiva das páginas finais. A partir do momento em que este(a) fã obcecado é descoberto, as coisas desenrolam-se de uma forma uma pouco previsível e, na minha opinião um pouco apressadas. Acho que a última parte deveria ter sido mais desenvolvida. Por acaso gostaria que o final do livro fosse mais além.

Há uma pequena imprecisão na sinopse. Normalmente copio as sinopses das contra-capas do livro e enquanto passava apercebi-me de uma pequena lacuna. Deanna não se mudou para Nova Iorque. Ela permaneceu em Chicago, quem se mudou foi Angela.
Há certas partes da narrativa que também não estão claras. Por exemplo, numa parte em que descreve a partida de Finn para o Haiti leva o leitor a pensar ele irá lá passar algum tempo, mas no capítulo seguinte ela já estava em Chicago. Falta aqui uma transição, bastava uma frase a indicar que ele já tinha voltado uns dias antes.

É um livro com uma narrativa que de desenvolve rapidamente, capaz de prender o leitor desde as primeiras páginas. Cativa-nos e faz-nos envolver na história e nas personagens. Tal como no livro Jogo de Mãos, a última parte é um pouco apressava merecendo um maior desenvolvimento.

Boas leituras e deixem-se invadir pelas palavras!
Silvana

Palavras Memoráveis

A maior parte das pessoas é muito inteligente em deixar os outros verem apenas aquilo que quer que eles vejam. E, de qualquer forma, a maior parte das pessoas só vê aquilo que quer ver. Se a raça humana fosse mais simples, nós os dois estaríamos à procura de outro emprego.
Escândalos Privados, Nora Roberts

[Divulgação] Soberba Escuridão e Soberba Tentação de Andreia Ferreira

De forma a participar num passatempo só para bloggers que está a decorreu no D311nh4 venho aqui divulga a informação relativa a dois livros de Andreia Ferreira.

                                       
Caso queiram adquirir o fantástico livro Soberba Escuridão, pode fazê-lo através das seguintes formas:

  1. WOOK: http://www.wook.pt/ficha/soberba-escuridao/a/id/10958871?a_aid=4e60dfa339df0
  2. BERTRAND: http://www.bertrand.pt/ficha/soberba-escuridao?id=10958871
  3. Ou directamente com a Alfarroba em: geral@alfarroba.com
Mas se o seu interesse recai sobre o livro Soberba tentação, pode encomendá-lo enviando um e-mail para: d311nh4@gmail.com (o livro custa a simpática quantia de 10 euros - desconto especial - com portes de envio incluídos.

Podem também encontrar a autora no facebook, para isso basta clicarem aqui

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

27ª Maratona Literária - Balanço

Os objectivos que eu tinha estabelecido para esta maratona não foram atingidos. 
Apesar de não ter pelo menos igualado as 939 páginas da maratona anterior consegui terminar dos livros e iniciar um terceiro perfazendo um total de 613 páginas.

Assim, as minhas leituras foram as seguintes:
Mulher em Branco 295 páginas

Sangue Fresco (Sangue Fresco, #1) 263 páginas

Escândalos Privados 55 páginas

Total: 613 páginas

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Por detrás da tela | Guia para um final feliz



Ficha Técnica
De: David O. Russell
Actores: Robert de Niro, Bradley Cooper, Jennifer Lawrence
Género: Drama, Comédia
Ano: 2012 (EUA)
Classificação: 5/5 Estrelas

Opinião
O início deste filme não me cativou muito, mas à medida que ia percebendo melhor os acontecimentos fiquei presa. 
Este filme conta-nos a história de Pat, uma homem diagnosticado com Bipolaridade que quando descobre uma traição da mulher perde o controlo e comete uma terrível asneira. Nestas circunstâncias é "atirado" para uma clínica psiquiátrica para se recuperar. Como em muitos casos, o internamento psiquiátrico e o constante bombardeamento com mediação não resolve os problemas na sua totalidade. Gostei muito da forma como a questão da medicação psiquiátrica foi abordada no filme, principalmente quando Pat se recusa a tomar medicação dizendo que se sente estranho quando a toma, que não se sente ele. Atenção, não quero com isto dizer que sou contra a medicação, a mensagem que eu quero passar é que por vezes os psiquiatras exageram na medicação prescrita e isso não se traduz em ganhos positivos e significados para as pessoas.
Como é um filme e está limitado em termos de tempo, a fase da adaptação de Pat não transparece com grande exactidão as dificuldades que ele sente. Mesmo assim, dá para quem assiste ao filme perceber pois as rotinas dele ficam um pouco alteradas. 
Pat vai-se regendo por um único objectivo conquistar a mulher e a vida que ele tinha anteriormente. Durante a perseguição por este objectivo, Pat faz um enorme processo de auto-descoberta e consegue uma forma mais saudável de olhar para si de outro modo. Grande parte desta mudança deve-se a Tiffany, também ela vista pelos outros como uma louca, uma doente mental.
E é assim que dois loucos, dois anormais aos olhos da sociedade comum, sociedade dita normal, que constroem uma nova vida sobre os "restos" de um vida anterior marcada por acontecimentos infelizes.
Pat queria fazer o seu próprio final feliz, o que ele não sabia e que acabou por descobrir é que a felicidade pode ser feita por outros caminhos.

O tema das doenças mentais não me é diferente e gosto de ver filmes que abordem estas questões. Acho que são bons para quem assiste pensar um pouco nestas questões. Acho que o filme consegue transmitir algumas das dificuldades que pessoas que vivem estes problemas passam. A incompreensão por parte dos outros, ditos normais, dificulta a integração. Pat só se sentiu aceite e integrado, só começou a caminhar em frente quando encontrou alguém que percebia as suas emoções, sentimentos, dificuldades... Logo na minha conversa falam das medicações de cada um e de como elas os deixam pior. Odeio quando rotulam os doentes mentais de anormais, porque são pessoas iguais e diferentes como tantas outras. Porque afinal, o que é ser normal? Acho que se fosse a pedir respostas iriam chegar-me reflexões muito diferentes.

Sei que este filme tem um livro por trás e estou muito curiosa para ler o livro. Pelo que já fui lendo por aqui nos diferentes blogs que acompanho o livro parece-me ser muito melhor. 

Deixem-se invadir pelas imagens! 

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Sangue Fresco (Sangue Fresco #1) [Opinião]


Sangue Fresco (Sangue Fresco, #1)

Autor: Charlaine Harris
Ano: 2009
Editora: Saída de Emergência
Número de páginas: 263
Classificação: 3 Estrelas
Desafio: Novos autores

Sinopse
Uma grande mudança social está a afectar toda a humanidade. Os vampiros acabaram de ser reconhecidos como cidadãos. Após a criação em laboratório, de um sangue sintético comercializável e inofensivo, eles deixaram de ter que se alimentar de sangue humano. Mas o novo direito de cidadania traz muitas outras mudanças...
Sookie Stackhouse é uma empregada de mesa numa pequena vila de Louisiana. É sossegada, tímida, e não sai muito. Não porque não seja bonita - porque é - mas acontece que Sookie tem um certo "problema": consegue ler os pensamentos dos outros. Isso não a torna uma pessoa muito sociável.

Então surge Bill: alto, moreno, bonito, a quem Sookie não consegue ouvir os pensamentos. Com bons ou mais pensamentos ele é exactamente o tipo de homem com quem ela sonha. Mas Bill tem o seu próprio problema: é um vampiro. Para além da má reputação, ele relaciona-se com os mais temidos e difamados vampiros e, tal como eles, é suspeito de todos os males que acontecem nas redondezas. Quando a sua colega é morta, Sookie percebe que a maldade veio para ficar nesta pequena terra de Louisiana.

Aos poucos, uma nova subcultura dispersa-se um pouco por todos os lados e descobre-se que o próprio sangue dos vampiros funciona nos humanos como uma das drogas mais poderosas e desejadas. Será que ao aceitar os vampiros a humanidade acabou de aceitar a sua própria extinção?

Crave os dentes na série de Charlaine Harris

Opinião
Na minha opinião, quem já leu outros livros/sagas sobre vampiros não encontra neste uma grande originalidade no que respeita às características dos vampiros e a sua relação com os humanos. É, entre muitas outras histórias, uma humana, Sookie, que se apaixona por um frígido vampiro, Bill. A forma como esta relação vai evoluindo não oferece muitas novidades criativas aos leitores e ao longo da leitura vai-se tornando um pouco previsível.  

As personagens não são muito desenvolvidas, talvez porque estamos apenas no primeiro volume da série (vou dar o benefício da dúvida). Este facto não me fez cultivar muitos sentimentos em relação às personagens. Sookie é uma rapariga esquisita. Se em algumas situações é corajosa, prática e inteligente, noutras parece um pouco alienada daquilo que se passa. Falta qualquer coisa a esta rapariga!! Bill, o vampiro, deixa um pouco a desejar. Falta-lhe personalidade e acção... Tem de intervir mais nos desenvolvimentos e estabelecer mais dinâmicas, acho que assim conquistará mais os leitores.

As personagens mais interessantes e que me despertam grande curiosidade para os volumes seguintes são: Sam e Eric... Quanto a Sam penso que irá aqui intervir num triângulo amoroso... Será??? Quanto a Eric não sei o que esperar, mas é um vampiro que me intriga. Este sim, tem carisma, personalidade e o mistério caminha em paralelo com ele. Ora aqui estão os ingredientes que me fazer roer as unhas para saber mais sobre o vampiro Eric.

Um ponto muito positivo no livro e que fez com que subisse na minha classificação foi a parte policial que vai acompanhando o desenvolvimento da narrativa. Acho que foi bem construída no sentido em que foi capaz de me criar algumas dúvidas em relação ao autores dos crimes. Fui apanhada de surpresa, não estava à espera que fosse aquela a personagem.

Considero que faltam alguns aspectos ao livro. Senti que alguns dos diálogos eram confusos e pouco desenvolvidos. Por exemplo, a forma como Sookie reagiu a uma das mortes foi um pouco redutora, faltou ali qualquer coisa. Emoção, dramatismo, esmiuçar sentimentos? Não sei... Apenas senti aquela reacção um pouco vazia de significado.

É inevitável, para mim, não fazer comparações. Neste sentido, quando comparo este livro e início desta série com a série "Academia de Vampiros" considero que esta é em termos de originalidade e qualidade ligeiramente inferior. Até ao momento a série "Academia de Vampiros" (não tenho a opiniões publicadas no blog porque foram lidos antes da sua criação) de Richelle Mead é aquela que preenche mais o meu espírito. É criativa, tem um bom ritmo e consegue deixar o leitor preso ao final de cada volume. 

Apesar deste meu baixo encantamento pela série quero muito saber o que vem por aí nos próximos volumes.

Deixem-se invadir pelas palavras e boas leituras!
Silvana


Poetic Dreams

Escreve-me...

Escreve-me...

Escreve-me! Ainda que seja só 
Uma palavras, uma palavra apenas,
Suave como o teu nome e casta
Como um perfume casto d'açucenas!

Escreve-me! Há tanto, há tanto tempo
Que te não vejo, amor! Meu coração
Morreu já, e no mundo aos pobres mortos
Ninguém nega uma frase d'oração!

"Amo-te!" Cinco letras pequeninas, 
Folhas leves e tenras de boninas,
Um poema d'amor e felicidade!

Não queres mandar-me esta palavras apenas?
Olha, manda então... brandas... serenas...
Cinco pétalas roxas de saudade...

Florbela Espanca

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Palavras Memoráveis

Não sei porque quis fugir, não sei porque já não te queria se um dia te quis tanto. As incompreensíveis armadilhas do amor, quem as sabe explicar. Um homem foge quando pensa que está a morrer. Preferia, se isso te  consola, Laura, que fosses tu a abandonar-me. Havias de perceber que é humano, preferir ficar ferido a ter de matar.

Se te amava é porque em ti se confundiam a noite e a água.
Entrelaçavam-se, vamos dizer, em redor da tua cintura.
Eras líquida, serena. Uma tranquilidade escura que me obrigava ao tacto para te agarrar. Conseguir agarrar-te enfim.
Eu só mãos, tu líquida, fugidia, uma sombra que molha e escorre e ri, mais à frente. Tu a escapares.
Tu água. 

Rodrigo Guedes de Carvalho, Mulher em branco

Um "Amo-te" universal

Dizem que hoje é o dia de celebrar o amor! Pergunto, só hoje? Na minha opinião não deveria haver dias para celebrar o que quer fosse... Devíamos todos os dias. 
Não festejo o dia dos namorados, mas há uns (muitos anos) encontrei um artigo no jornal Correio da Manhã que guardei por achar engraçado. Há uns dias encontrei-o e decidi partilhá-lo com vocês.

Amo-te é uma expressão universal. Não há país no mundo cujo vocabulário não a inclua. Ainda que se ofereça à pessoa amada os mais diversos presentes, ela não ficará indiferente a esta expressão. Estas são algumas das fórmulas, cujo significado é o mesmo, para dizer do seu afecto à pessoa amada.

 Árabe   Ana behebak (masculino)                                                 
             Ana behebik (feminino)   
                         
Grego actual  S'ayapo (lê-se: sagapo)

Italiano Ti amo  

Chinês  Goa ai li (Amoy)                                                                                          
             Ngo oi ney (Cantonês)

Dinamarquês  Jeg elsker dig   
                                                                           
Norueguês  Eg elskar deg

Holandês  Ik hou van je                                                                            

Alemão  Ich liebe dich  
                                                                
Sueco  Jag aelsker dig

Coreano  Tangsinul sarang ha yo   

Japonês  Kimi o ai shiteru 

Espanhol   Te amo

Filipino   Mahal Kita

Irlandês   Taim i'ngra leat  

Russo   Ya tyebya lyublyu

 Correio da Manhã, 15 de Fevereiro de 1998

O amor é o tema para muitos escritores, músicos, pintores, cineastas.... É talvez o tema mais tratado a nível mundial. O amor é uma parte integrante da nossa vida. Além de expressar-se em diferentes línguas pode, igualmente expressar-se de diferentes formas. Nunca deixem passar a oportunidade de mostrarem o vosso amor àqueles que mais gostam.

Amei ontem, amo hoje, amarei amanhã!


quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Palavras Memoráveis

As pessoas recebiam geralmente menos do que mereciam de coisas boas, e mais do que conseguiam aguentar das más.
Nora Roberts,   Jogo de Mãos

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Mulher em Branco - Opinião


Mulher em Branco

Autor: Rodrigo Guedes de Carvalho
Ano: 2006
Editora: Publicações Dom Quixote
Número de Páginas: 295
Classificação: 1 Estrela
Desafio: De A a Z/ Ler em português de Portugal



Sinopse
Uma criança desaparece. Estava à guarda do seu pai. O choque da notícia atira a mãe para um abismo de amnésia. Sem memória, é incapaz de chorar um filho que não sabe que tem. Como podemos continuar a viver se caminhamos vazios. E há um homem que arranja uma amante enquanto visita a mulher no hospital. Ladrões que roubam cinzas de uma morta. Há as maldades desumanas do amor, um sopro pérfido que o diabo sussurra aos ouvidos. Em fundo, a irracional violência do divórcio. A bestialidade das palavras que atiramos uns aos outros como pedras. Uma mulher que espera ainda e sempre, à janela. Porque o coração é um bicho e não ouve. E uma pergunta a que não se ousa responder: Para onde vão os amores que foram um dia.

Opinião
O meu primeiro contacto com os livros de Rodrigo Guedes de Carvalho foi à cerca de 5 anos atrás quando recebi num aniversário o livro Daqui a nada. Não cheguei a acabar o livro. Tive muitas dificuldades em compreender tudo: a história, as personagens, os acontecimentos... 

Entretanto uma colega falou-me muito bem deste livro e que tinha gostado muito. Bem, pensei que estava na altura de dar uma segunda oportunidade. Infelizmente senti os mesmo problemas, contudo desta vez consegui terminar o livro e percebi um pouco melhor aquilo que o escritor quis transmitir.

A sinopse está muito apelativa. No que me diz respeito, aguçou-me logo os sentidos. Porém, a forma como as coisas são concretizas e a forma como evolui a narrativa não foi capaz de me cativar o interesse. É de realçar que Rodrigo Guedes de Carvalho te uma forma muito própria de escrever e de desenvolver os acontecimentos. Por vezes não há pontuação, há parágrafos cortados e intercalados por comentários que aprecem entre parêntesis, repetições de palavras ou expressões e uma linguagem que me causa uma certa estranheza (uso frequente de palavrões e expressões um pouco rudes). Eu sei que este tipo de linguagem é comum no nosso quotidiano mas, pessoalmente, não gosto quando ela aparece de forma excessiva nos livros.

As temáticas abordas no livro são do meu interesse e facilmente despertam a minha atenção. Começamos por ter uma criança desaparecida, o Afonso (não consegui perceber a idade, mas penso que seria um dado importante), quando estava na companhia do pai, Paulo. Laura, a mãe, perde a memória após saber do desaparecimento do filho. Esta foi uma forma de protecção por parte do corpo de Laura em confronto com uma notícia chocante. Laura e Paulo são divorciados mas com uma relação muito mal resolvida. Senti falta de uma exploração mas minuciosa desta relação no livro. Aquilo que nos chega é, por vezes, confuso. 

Uma outra temática foi a homossexualidade. Acho que neste caso, o autor foi um pouco mais feliz no desenvolvimento das personagens. Sérgio, o irmão de Laura, e Dulce, a irmã de Paulo, vivem atormentados pelo preconceito em relação à sua sexualidade. Confesso que um acontecimento particular na vida de Sérgio provocou-me arrepios. Apesar da brutalidade do acontecimento e da descrição que o acompanha sei que é algo mais comum do que aquilo que gostaria que fosse. A falta de respeito pelo outro e pelas opções dos outros causa-me muita irritação. Odeio quando vejo pessoas a olhar de lado para dois homens/mulheres que passam de mãos dadas. A mim são coisas que me passam ao lado. Pode causar-nos confusão visto ser algo que foge à norma do que é vigente na sociedade, mas isso não nos dá o direito de não respeitar as opções das outras pessoas.

Gostei de alguns momentos finais do livro. Mas ele acaba literalmente em branco. Não vou dizer mais sobre o final porque não quero estragar a surpresa a quem quiser ler o livro. No meu caso, foram determinados pontos que me motivaram para chegar ao final do livro e se vos revelasse o que é que quero dizer com o "terminar em branco" posso quebrar a vossa motivação e eu não quero que isso aconteça.

Boas leituras e deixem-se invadir pelas palavras!
Silvana

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Jogo de Mãos - Opinião


Jogo de Mãos
Autor: Nora Roberts
Ano: 2008
Editora: Chá das Cinco
Número de Páginas: 432
Classificação: 5 Estrelas
Desafios: Reading Romances/ De A a Z

Sinopse

Com Jogo de Mãos, Nora Roberts revela-nos um mundo glamoroso onde a paixão e o mistério se entrelaçam e nada é o que parece.

Max Nouvelle é o patriarca de uma ilustre família de ilusionistas e ladrões de jóias, constituída por Lily – a sua companheira; Roxanne – a sua filha, tão linda quanto casmurra; e Luke – um rapaz que Max recolheu das ruas e que entretanto se transformou num homem muito interessante. No palco fazem números elaborados e, fora dele, assaltos ainda mais refinados. Durante muitos anos Roxanne e Luke deram-se como cão e gato mas agora, já adultos, descobrem que há entre eles algo que não esperavam. Mas é então que Luke, receoso que o seu passado manche a sua família adoptiva, é vítima de alguém que quer vingar-se dos Nouvelle. E vão ser precisos alguns anos em fuga antes que ele volte e, juntamente com Roxanne, dê o golpe mais audacioso das suas vidas.
Com Jogo de Mãos, Nora Roberts revela-nos um mundo glamoroso onde a paixão e o mistério se entrelaçam e nada parece o que é.



Opinião
Jogo de Mãos é um livro que fala de magia, amor, conquista, amizade, confiança e que me conquistou logo nas primeiras palavras. É um livro mágico que nos transporta numa viagem até ao mundo do ilusionismo e da família Nouvelle. O livro tem um dinâmica muito boa uma vez que não torna a leitura aborrecida. A cada capítulo somos confrontados com diferentes acontecimentos e com personagens muito bem construídas. Os ingredientes que serviram de estrutura à toda a narrativa estão muito bem construídos e desenvolvidos. A cada página lida a ânsia de ler a seguinte aumenta. Ficamos presos a estas personagens, ficamos presos às descrições dos espectáculos da família Nouvelle. As emoções que este livro sugere brotam muito facilmente no nosso coração. No fundo, somos arrastados na magia sensorial que este livro apresenta.

Max é o patriarca desta família. Um homem sensível, astuto e que emana um personalidade forte e marcante. Tem ao seu lado a sua elegante e sofisticada Lily e a sua filha Roxanne. Numa das suas muitas actuações conhece Luke e acolhe-o na família. Estes são as personagens centrais e é em torno delas que as coisas vão acontecendo.

Luke e Roxanne convivem desde criança. Por parte da Roxanne tornam-se facilmente amigos. Luke tem uma personalidade mais instável, infelizmente alimentada por passado torturante... Mas a vida é uma ilusão, e somos facilmente atingidos pela magia das coisas e esta relação evolui de uma forma muito engraçada e muito bem desenvolvida. As interacções entre estes dois são deliciosas. Arrancam-nos alguns sorrisos. Ambos astutos, inteligêntes, ambiciosos e com um enorme coração chocam com a mesma facilidade com que se adoram.

Max também me conquistou. A sua recta final no livro emocionou-me particularmente. Acho que lidar com a nossa própria degradação é angustiante. Sentir que nunca mais faremos aquilo que amamos e emergir num mundo à parte da realidade é angustiante quer para quem o vivência quer para os familiares que todos os dias se confrontam com o olhar vazio e a mente perdida. Tive muita pena de a última parte não conter mais informações sobre o Max.

Luke ausenta-se por uns anos, mas recebemos pouca informação daquilo que lhe aconteceu. Eu queria mais... Queria mais história, mais desenvolvimento... Acho que a escritora apressou um pouco os momentos finais, que apesar de emocionante deixaram aquela sensação estranha de vazio. As duas primeiras partes focadas no passado das personagens foi bem desenvolvido, carecendo apenas de uma melhor contextualização espacio-temporal para uma melhor compreensão do tempo e do espaço onde decorriam os acontecimentos (vi-me a fazer contas para saber em que ano estavam as personagens).

É um livro intenso e envolvente. Um livro que facilmente nos transporta para um contexto à parte daquele que é a nossa própria realidade. A magia das coisas é algo que activa positivamente a mente humana, que nos fascina. A vida é ao mesmo tempo magia e ilusão. Todos nós procuramos as coisas positivas, as coisas boas, mas muitas vezes estas não passam de meras ilusões que oferecemos a nós mesmos para lidar com uma realidade um pouco mais difícil que aquela que queríamos. Este livro deixam-nos um pouco dessa magia da vida que procuramos. É um livro que deixa saudades! Tão facilmente entramos nele e nos vemos envolvidos que é difícil largar uma narrativa que nos proporcionou bons momentos.

O que que sentiram desse lado com a leitura deste livro?
Boas leituras e deixem-se invadir pelas palavras!

Poetic Dreams

Atitude
Minha esperança perdeu seu nome...
Fechei meu sonho, para chamá-la.
A tristeza transfigurou-me 
como o luar que entra numa sala.

O último passo do destino
passará sem forma funesta,
e a noite oscilará como um dourado sino
derramando flores de festa.

Meus olhos estarão sobre espelhos, pensando
nos caminhos que existem dentro das coisas transparentes.
E um campo de estrelas irá brotando
atrás das lembranças ardentes.

Cecília Meireles, Viagem

27º Maratona Literária - Especial de Carnaval

Daqui a umas horas dá início mais uma maratona literária!
Esta é uma maratona semana que começa dia 9 de Fevereiro às 00h00 e termina dia 17 de Fevereiro às 23h59.

Nesta maratona gostava apenas de superar o número de páginas lidas na maratona anterior. 

Neste momento, os livros que estão disponíveis para ser  lidos são os seguintes:

Desejo uma boa maratona a todos os participantes e para quem quiser participar pode ainda inscrever-se aqui.

Boas leituras :) e deixem-se invadir pelas palavras!!!

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Palavras Memoráveis

Quando era pequena costumava pôr sal em cima das lesmas. Gostava de vê-las dissolverem-se diante dos meus olhos. A crueldade é sempre um pouco divertida até nos apercebemos de que estamos a magoar alguém.
Uma coisa é ser-se um totó quando ninguém nos presta atenção, mas na escola, isso significa que nos procuram intensivamente. Somos a lesma, e eles têm o sal na mão. E não possuem consciência.
Há uma palavra que aprendemos em estudos sociais: sadismo. É quando gostamos de ver alguém sofrer. No entanto, a verdadeira questão é porquê? Acho que em parte se trata apenas de instinto de sobrevivência. E em parte porque um grupo fica mais coeso quando se junta contra um inimigo. Não importa que esse inimigo nunca tenha feito nada para nos prejudicar - temos apenas que fingir que detestamos alguém ainda mais do que nos detestamos a nós próprios.
Sabem porque é que o sal tem esse efeito nas lesmas? Porque se dissolve na água que faz parte da pele de uma lesma, de forma que a água no interior do seu corpo começa a sair cá para fora. Também resulta em caracóis e em sanguessugas  E em pessoas como eu.
Na verdade resulta com qualquer criatura com uma pele demasiado fina para se defender a si própria. 
Jodi Picoult, Dezanove Minutos  

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Palavras Memoráveis

O meu erro foi pensar que as crianças eram como as árvores. Que se as podasse um bocadinho cresciam mais doces.
Joanne Harris, Cinco quartos de laranja

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Selo 10 - 2013 Literário



Em primeiro lugar gostaria de agradecer à Mónica do A Thousand Lives, ao José d' O blog de um tal José e à Ghost Reader do blog Ghost Reader pela oferta deste selo.

O objectivo deste selo prende-se com o incentivo à leitura e vem acompanhado de três regras muito simples:
  1. Indicar, no mínimo, dois livros que gostaste de ler em 2012 (sem limite máximo);
  2. Indicar pelo menos três livros que pretendes ler em 2013 (sem limite máximo); 
  3. Oferecer este selo a mais 10 pessoas de forma a dar continuidade a este projecto.
Livros que gostei de ler em 2013
Três Livro que pretendo ler em 2013
  • A filha do capitão (José Rodrigues dos Santos)
  • Orgulho e preconceito (Jane Austen)
  • Mulher em branco (Rodrigo Guedes de Carvalho)
  • Predestinado (Philippa Gregory)
Blogs a quem ofereço este selo
(Não vou indicar mais nenhum, porque aqueles que eu costumo visitar já receberam este selo)


domingo, 3 de fevereiro de 2013

Cinco quartos de laranja - Opinião


Cinco Quartos de Laranja

Autor: Joanne Harris
Ano: 2001
Editora: Asa
Número de Páginas: 320
Classificação: 3 Estrelas

Sinopse
Quando a minha mãe morreu, deixou a quinta ao meu irmão Cassis, a fortuna da adega à minha irmã Reine - Claude, e a mim, a filha mais nova, deixou-me o álbum. Uma distribuição de riqueza e um pouco desigual.
E, como Cassis dizia sempre, eu era a preferida.

Framboise regressa à pequena cidade onde nasceu, na província francesa, e abre um restaurante que rapidamente se torna famoso, graças às receitas de um velho álbum que pertencera à sua mãe. Essa espécie de diário contém igualmente uns estranhos apontamentos cuja decifração lançará uma nova luz sobre os acontecimentos dramáticos que marcaram a sua infância nos dias já longínquos da ocupação nazi. A Framboise restam as recordações dos sabores e sentimentos da sua infância numa França marcada pela dor e pela penúria da guerra, mas também a memória do episódio que marcou a vida da família e constituiu, para ela, a perda definitiva da inocência. Agora, sem que se faça anunciar, a hora de enfrentar a terrível verdade chegou.

Entre passado e presente, a história de Framboise impregna as páginas com os aromas, as cores e sabores da vida no campo e, tal como as receitas que lhe couberam em herança, traz-nos à memória a liberdade e a audácia da infância.
Um livro para ser saboreado.

Opinião
Eis que o meu primeiro contacto com Joanne Harris não se tornou numa relação de dependência, e fiquei triste com tal facto. Acho que tinha as expectativas um bocadinho elevadas para os livros desta escritora. Depois de muito ouvir falar dela, de ler diversos comentários aos seus livros, depois de ter visto o filme Chocolate uma vontade enorme de ler Joanne Harris me perseguia o meu espírito literário. Infelizmente esta leitura foi um pouco penosa de se fazer. A leitura de algumas partes confesso que me dava sono, principalmente na parte inicial do livro, depois as coisas foram-se desenvolvendo, os acontecimentos passaram a ter algum dinamismo e a leitura foi-se levando.

Na minha modesta opinião, considero que o início do livro é um pouco confuso e massudo. Os acontecimentos não são bem esmiuçados e as coisas parecem ficar um pouco no vazio. No fundo, falta acção. 
Ao longo de todo o livro os acontecimentos vão-se alternando entre presente e passado, conferindo o dinamismo necessário para ir captando a nossa atenção. Contudo, muitas coisas são referidas de forma superficial sem que se esgotem, na sua totalidade os assuntos em causa. É um livro muito narrativo em que a presença de poucos diálogos não facilita o envolvimento do leitor com a narrativa.  

Relativamente as personagens não consigo descrever nenhuma emoção que me tenha ligado a elas. Todas elas me foram indiferentes, não despertaram em mim nada... Acho que carecem de um pouco de personalidade e de garra. Nem mesmo irritação sentia quando previa que aquilo que eles estavam a fazer não iria correr bem. Tive foi imensa pena de o Paul, amigo de Framboise, não ter mais destaque no livro. Fiquei curiosa por saber o que lhe tinha acontecido no período em que eles estiverem sem se contactarem. 

Sendo um livro com uma narrativa localizada no período da Segunda Guerra Mundial, esperava um melhor enquadramento. Mais descrições dos cenários de guerra, o que movia as pessoas a ter determinadas atitudes, mais descrições sobre o modo de vida da maior parte das família nessa época... Acho que estes aspectos iriam favorecer o livro, no sentido que iriam despertar um maior interesse do leitor. 

Sinto-me triste por não me ter identificado com o livro. Estava muito curiosa quando li a sinopse, pelo que a minha tristeza condicionou a minha leitura (muito lenta). Felizmente, a partir de sensivelmente metade do livro, os acontecimentos iam-se desenvolvendo com um ritmo mais intenso o que fez com que a pontuação que eu dei a este livro não fosse mais baixo.

Apesar desta experiência menos positiva com os livros de Joanne Harris não vou deixar de ler outros livros, até porque tenho alguma curiosidade em relação ao livro Chocolate porque gostei muito do filme. 

Não sei qual a opinião desse lado, mas gostaria de saber quais as impressões que esse livro causou em vocês!

Deixem-se invadir pelas palavras. Boas leituras!

Selo 9 - Liebster Award




Quero agradecer à Mónica do blog A Thousand Lives a oferta deste bonito selo. Conheci o blog da Mónica recentemente, mas a partir do momento em que me cruzei com ele passo lá com regularidade. Diversidade literária e boas opiniões literárias são as principais características deste cantinho.

O Liebster Award é um selo criado com o intuito de promover e divulgar blogs com menos de 200 seguidores. As regras para a sua transmissão são:

  • Lista com 11 factos sobre nós;
  • Responder às 11 perguntas que nos atribuíram
  • Nomear 11 bloggers com 200 ou menos seguidores, colocar o link dos respectivos blogs neste post e avisá-los/las sobre os prémios;
  • Fazer 11 novas perguntas para esses mesmos bloggers.

11 actos sobre mim:

1. Nasci a 12 de Outubro de 1987, ou seja completei um quarto de século e vou, a grande velocidade a caminho dos 26 anos;

2. Tenho o Mestrado em Psicologia Clínica, sub-área de especialização sistémica, saúde e família... Ou seja sou psicóloga [Já posso afirmar que sou mesmo psicóloga uma vez que na semana passada recebi a confirmação de Membro Efectivo por parte da Ordem do Psicólogos Portugueses.];

3. Estou desempregada, mas com uma enorme vontade de trabalhar e de oferecer aquilo que aprendi... Quero oferecer os meus conhecimentos, a minha criatividade e a minha força de vontade a quem quiser olhar para o meu Curriculum Vitae e me der uma oportunidade;

4. Tenho uma paixão de coração pela cidade de Coimbra [local onde passei os melhores anos da minha vida e onde enchi o meu coração de fantásticas amizades];

5. Tirei a carta em 2009, mas por medo estive quase dois anos sem conduzir. Desde Julho do ano passado o medo foi ultrapassado.

6. Adoro o frio e o Inverno.

7. A minha viagem mais longa foi até França. 

8. Participei/participo no projecto de leitores-Beta da fantástica escritora Liliana Lavado. Foi um desafio que entrei à um ano atrás e adorei... É uma experiência sublime! Só tenho de agradecer à Liliana Esta fantástica oportunidade.

9. Sou muito observadora, sossegada e tímida. 

10. Já fiz alguns desportos radicais e gostei muito da experiência... Fazer slide sobre uma barragem é algo que nunca me vou esquecer. 

11. Se eu pudesse, fundaria uma editora para dar voz e palavras a muitos escritores que apesar do talento não conseguem fazer chegar as pessoas os seus livros.


Respostas às perguntas da Mónica:


1. Quais os aspectos positivos e negativos que a criação do teu blog te trouxe?
Considero que o blog me trouxe apenas aspectos positivos. As pessoas que "conheci", a partilha de opiniões, o enriquecimento literário, o desenvolvimento ao nível da construção das minhas opiniões são apenas aqueles pontos que me consigo lembrar assim de imediato. Não consigo ver coisas negativas na criação de um blog deste carácter... Tem sido uma experiência única.

2. Qual o teu género literário favorito?
Não tenho um género literário favorito... Gosto de ler de tudo, porque acho que tudo contribui para o nosso conhecimento, experiência e aprendizagem. Ler proporciona-nos experiências únicas, viagens magníficas, por isso todos os géneros são importantes e eu, como curiosa que sou, gosto de ler um bocadinho de tudo.

3. Qual o pior livro que já leste?
Acho que esta é uma pergunta delicada... A nossa opinião é muito subjectiva, há livros que gostamos menos, livros que gostamos mais, mas tudo está relacionado com o nosso ponto de vista, com as nossas experiências, com os nossos sentimentos. Por isso, o pior para nós pode não ser de facto o pior. Um escritor, quando escreve, pensa sempre que está a fazer o melhor que consegue, está a por naquelas páginas aquilo que vagueia na sua mente e muitas vezes me pergunto "quem sou eu para dizer que este livro é pior livro que já me passou pelas mãos?". Neste sentido vou dizer um livro que gostei menos e não necessariamente o pior livro que já li. O livro que eu aponto é o Fazes-me falta de Inês Pedrosa. 

4. Que escritor gostarias de um dia poder entrevistar?
Torey Hayden... Teria tanto a aprender com esta senhora.

5. Se pudesses viver a vida de uma personagem, qual seria?
Tenente Eve Dalas da série Mortal de J.D.Robb. Acho uma pessoa complexa, com um trabalho aliciante e com um marido fantástica. O facto de a narrativa se concentrar no futuro também desperta muito a minha curiosidade, gostava de viver naquele mundo.

6. Qual a tua colecção/saga literária favorita?
Aqui vou ter de identificar duas:

1. Série Mortal de J.D.Robb

2. Academia de Vampiros de Richelle Mead


7. Qual é o primeiro livro que te lembras de ler?
Anita e a prenda de anos.

8. Quantos livros tens na tua wishlist? 
Não tenho wishlist :s

9. Quais os teus objectivos em termos de leituras e para o teu blog em 2013?
Em termos de leituras gostaria de cumprir o meu objectivo de ler 50 livros ao longo deste ano e cumprir todos os desafios literários a que eu aderi.

Em relação ao blog, apenas desejo que ele continue a crescer e que as pessoas sintam que é um bom lugar com boas opiniões. Gostaria, também, de dinamiza-lo mas ainda não sei bem como... Tenho de amadurecer a ideia.

10. Qual(is) o(s) livro(s) que gostarias que os teus (futuros e hipotéticos) filhos lessem?
Não sei... Acho que não vou interferir muito nas escolhas deles (caso os tenhas). Vou fazer como os meus pais fizeram deram total liberdade de escolha, nunca me obrigaram a ler nenhum livro. Acho que devemos dar essa liberdade para que eles próprios desenvolvam o seu espírito crítico. 

11. O que gostas de fazer nos teus tempos livros para além de ler?
Ver séries, filmes... Adoro trabalhos manuais (ponto cruz, reciclagem, croché e agora ando a tentar fazer tricot, mas não está a correr muito bem :p)


Respostas às perguntas do José.

1. Quais são os teus hobbies?
Ler, escrever, actualizar o blog, fazer alguns trabalhos manuais, passear e ver televisão.

2. Qual o motivo que te levou a criar o blog?
Registar as minhas leituras, partilhar opiniões e escrever.

3. Há algum livro que consideres um guilty pleasure? 
Não.

4. E um livro que toda a gente adore excepto tu?
Não me consigo lembrar de nenhum.

5. Existe algum livro cujo filme consideres ser melhor?
Sim, O véu pintado. A minha opinião ao livro pode ser lida aqui.

6. Se pudesses fazer parte de um livro, que tipo de personagem gostavas de ser?
Não queria ser uma boazinha nem nenhuma muito mazinha... Gostava de ser uma personagem feminina cheia de garra, lutadora, que persegue os seus ideais, que não se deixa pisar pelos outros, mas que não sobe na vida à custa dos outros.

7. Se tivesses oportunidade de viajar no tempo, onde irias?
Regressaria aos tempos de universidade... Saudades =)

8. Que género de livro preferes?
(resposta em cima)

9. O que pensas do acordo ortográfico?
Posso compreender que a escrita tem de evoluir, mas não considero que esta seja a maneira mais correcta. Na minha opinião houve alterações (o caso do facto) que me deixam com um pé atrás e que retiram parte da essência a nossa língua portuguesa.

10. Se conseguisses ressuscitar um escritor, quem seria?
Só um??!! Teria alguns, mas em primeiro lugar seria Florbela Espanca para ver se ela conseguia ser um bocadinho mais feliz e acalmasse a sua constante insatisfação. 

11. Existe algum livro cujo lançamento aguardes ansiosamente?
Não me lembro de nenhum em especial. Eu gosto de ler por isso enquanto um livro não chega às nossas prateleiras existem 1001 livros que merecem ser lidos.


Respostas às perguntas da Ghost Reader

1. Qual o teu sítio preferido para ler?
No meu quarto (é o local mais sossegado e não tenho televisão).

2. O que gostas de fazer nos teus tempos livres?
Já respondi em cima.

3. Se pudesses escolher um super-poder qual seria? Porquê?
Esta é complicada!! Mas talvez a possibilidade de ler pensamentos e interferir nesses mesmo pensamento, alterá-los de acordo com aquilo que seria o melhor para a pessoa... Iria dar cá um jeito!!!

4. Se pudesses tornar-te nalguma personagem, qual seria? Porquê?
Já respondi uma semelhante em cima.

5. Qual o primeiro livros que te lembras de ler?
Também já respondi anteriormente.

6. Se tivesses de descrever a tua vida em três palavras, quais seriam?
Serenidade, Amizade, Introspecção.

7. Qual a música que mais te caracteriza?
Esta é muito difícil porque depende da altura em que estamos, e daquilo que estamos a sentir. Mas talvez a música Noite de Bernardo Sassetti (cliquem no nome da música e desfrutem). 

8. Qual a tua profissão de sonho?
A que escolhi, psicóloga, apesar de todas as vicissitudes, mas não sou fundamentalista e gostava de experimentar outras coisas, como por exemplo bibliotecária, algum tipo de trabalho numa editora relacionado com a revisão de livros. Uma minha outra paixão é a investigação, adoraria trabalhar nesta área, porque não há melhor meio de aprendizagem e de acesso a conhecimento.

9. Se pudesses ir a qualquer lado sem te preocupares com nada, onde irias?
Londres para fazer uma visita a uma amiga minha da qual já estou cheia de saudades.
Disney Land Paris pela magia que se sente só de ver fotografias.

10. Qual o teu mundo mágico/ tempo histórico preferido? Porquê?
Anos 20 do século XX. Os loucos anos vinte onde as mulheres conquistaram muitos dos seus direitos, época da história em que viver Pessoa e Florbela Espanca. Os anos da alegria, do consumismo da emancipação feminina!

11. O que mais gostas em ti? O que menos gostas?
Aquilo que eu mais gosto é do meu olhar. O que menos gosto da minha altura, gostaria de ser mais alta e deixar o meu mísero 1,54.

E entrego este selinho a alguns blogs que adoro visitar e que acho que mereciam ter bem mais do que 200 seguidores:

As minhas perguntas para os blogs que nomeei:
1. Quais os principais motivos da criação do blog?
2. Já choraste com um livro? Qual?
3. Já te riste com um livro? Qual?
4. Qual foi o livro que mais te marcou?
5. Que livro gostarias de ver adaptado ao cinema?
6. Se tivesses oportunidade de entrar num livro e mudar o seu final, qual seria?
7. Que livro marcou o teu gosto pela leitura?
8. Qual a personagem que mais te irritou? Porquê?
9. Se tivesses oportunidade de escrever um livro qual o género literário optarias?
10. Porque é que os livros são tão importantes para ti?
11. Que livro me aconselharias a ler? Porquê?