segunda-feira, 30 de setembro de 2013

O Sabor da Vingança (Romantic Suspense #4) [Opinião]


O Sabor da Vingança (Romantic Suspense, #4)
Autor: Karen Rose
Ano: 2009
Editora: Círculo de Leitores
Número de páginas: 432 páginas
Classificação: 5 Estrelas

Sinopse
Romântico, aterrador. Dana trabalho num centro de acolhimento. Abriga mulheres vítimas de violência. Lida há tanto tempo com a dor que esqueceu já o que é amar. Quando Ethan Buchanan, habituado a perseguir alguns dos mais perigosos homens do planeta, a conhece fica desarmado. Mas também ele fará o que for preciso para reencontrar o seu afilhado. Será que se escondem naquela casa? Que segredos guarda Dana? Será ela a próxima vítima? Um thriller romântico assinado por Karen Rose.

Opinião
Este livro não me encantou tanto como o primeiro livro que li da autora porque achei que o lado criminal teve um destaque menor do que aquilo que deveria ter sido e pareceu-me menos intenso (algo que eu não estava à espera). Assim, em O sabor da vingança o romance ganha um lugar especial enquanto que, de forma paralela uma vingança pessoal ganha forma e condiciona os comportamentos de outras personagens. 

Sue é  a mulher que responsável por arquitectar e pôr em prática o plano de vingança contra uma família, com quem teve elos de ligação no passado. Ao longo desta vingança as relações passadas irão emergir enquanto a mente perturbada de Sue vai ganhando relevo. Posso dizer que esta Sue é uma personagem muito bem construída em termos de funcionamento psicológico. É bastante complexa e cada comportamento descrito, cada atitude tomada, todas as suas motivações foram meticulosamente pensadas. Sabemos desde logo que é ela a responsável por um rapto, mas ao longo do livro, vão-nos sendo desvendados aspectos que se tornam grandes revelações para o leitor.

Dana e Ethan são par romântico do livro. Tal como no livro que li anteriormente, trata-se de uma paixão um pouco fulminante, mas a autora consegue desenvolver a escrita de forma a deixarmos essa impressão um pouco de lado.
Gostei da Dana, mais uma personagem forte, com as suas virtudes e defeitos. Com um passado e uma atitude face à sua vida presente e futura que me surpreendeu.
Ethan é um homem simpático, que tal como a Dana tem um passado determinante que deixou marcas na sua personalidade. Só me ficou uma dúvida em relação à história de vida dele: O que é que aconteceu ao seu pai? Ele é referido no livro, mas a autora não finaliza a ideia que lhe diz respeito.

A narrativa evolui de uma forma muito cativante, capaz de nos deixar a ler durante horas e pela noite dentro. Os diálogos são bastante bem conseguidos. Coerentes, estruturados e capazes de transmitir as emoções das personagens.

Mais um livro fantástico de Karen Rose, que só vem solidificar a primeira impressão que tive quando, pela primeira vez, me deixei enfeitiçar pelos seus enredos e pelas suas palavras.

Boas leituras e deixem-se invadir pelas palavras.
Silvana

domingo, 29 de setembro de 2013

Dia 5 * 30 Days Eurovision Challenge

Dia 5: Música preferida cantada a solo por um homem

Bósnia-Herzegovina 2006
Hari Mata Hari com Lejla 

Eu tenho uma tendência para as músicas cantadas em línguas estanhas. Mas confesso que, o que me encanta primeiro numa música é a conjugação de sons dos diferentes instrumentos músicas que são usados. Esta música em particular tem um início delicioso, daqueles que ouviria sem parar. A sonoridade faz-me lembrar as história das mil e uma noites... Simplesmente lindo!!!

Gosto particularmente da forma como os elementos que acompanharam o cantor foram vestidos e do cenário que se utilizaram para dar ambiente à música. Para mim esta deveria ser a vencedora desse ano. Uma música para ser ouvida de olhos fechados, para desta forma conseguir sentir melhores os sons envolventes da música. 


Espero que gostem também. 

Sedução Intensa (Série Wallflowers #2) [Opinião]


Sedução Intensa (Wallflowers, #2)

Autor: Lisa Kleypas
Ano: 2012
Número de páginas: 352 páginas
Editora: 5 Sentidos (Porto Editora)
Desafio: De A a Z...

Sinopse
Quatro jovens da sociedade elegante de Londres partilham um objetivo comum: usar os seus encantos femininos para arranjarem marido. E assim nasce um ousado esquema de sedução e conquista. Num refinado baile londrino, Lillian Bowman depressa descobre que a sua educação tipicamente americana não está propriamente na moda. E encontra no insuportável Marcus, Lord Westcliff, o seu crítico mais implacável. Pena seja um excelente partido... Quando Lillian cai acidentalmente nos braços de Marcus, vê-se consumida e chocada por uma súbita paixão por um homem que julgava detestar. O tempo parece parar e o corpo da jovem cede ao erotismo do momento, descobrindo sensações que nem sonhava existirem... Marcus conhecido pela sua constância, também se vê perdido num turbilhão sensual. Cada toque de Lillian é pura tortura, cada beijo o faz gemer por mais. Mas como pode ele pesar aceitar uma mulher tão pouco adequada para sua noiva?

Opinião
Sedução Intensa é o segundo livro da série Wallflowers. Não li o primeiro volume para poder fazer uma comparação, mas posso dizer que este livro é bastante bom. Uma narrativa dinâmica que consegue cativar o leitor e deixá-lo curioso em relação à trama que se vai desenvolvendo.

O casal protagonista deste livro, Lillian Bowman e Lord Westcliff é fantástico. Começam com um certo atrito entre eles, mas a relação evolui de forma de uma forma divertida. Gostei muito da Lillian e da sua personalidade vincada. Uma mulher com um pensamento que nem sempre se ajusta à época em questão, assim como Lillian assume-se como uma mulher em que o recato não fazia parte do seu vocabulário nem do seu modo de vida.

Um aspecto negativo que destaco tem que ver com o uso do nome de uma das irmãs de Marcus. Numa parte do livro surge o nome Lívia e numas páginas mais à frente aparece Olívia. Penso que existe aqui uma falha na clarificação do nome, confesso que cheguei a ficar confusa e a reler as partes de modo a saber de quem se estava a falar. 

O final para cada uma das personagens centrais é previsível, mas está apresentado de uma forma que não o torna aborrecido, nem banal. Para além da concretização da história do casal principal a autora ainda nos deixa em suspense para o volume seguinte. A Evie surpreendeu-me.  

Boas leituras e deixem-se invadir pelas palavras.
Silvana

sábado, 28 de setembro de 2013

Dia 4 * 30 Days Eurovision Challenge

Dia 4: A música preferida cantada a solo por uma mulher

Esta é mais uma categoria difícil. Ao longo dos anos foram tantas as vozes femininas que marcaram o panorama do ESC e que me ficaram na memória.
Porém, há uma música que guardo com muito carinho e que gostava que tivesse ganho. Foi no ano de 2005, onde saiu vencedora Helena Paparizou com a música My number one. Mesmo assim não desgosto da música vencedora. 

Israel 2005
Shiri Maimon com a música Hasheket Shenish'ar
Sm album3.jpg

A sonoridade da música ficou-me no ouvido. Gostei da letra, da forma como ela interpretou a canção e da voz dela. Foi uma participação excelente e é mais uma música que gosto de ouvir. Uma balada muito bonita cantada em duas línguas. 
Considero que está foi uma das melhores participações no ESC. 
Espero que gostem da música.






Adeus Verão [Desafio]

A Catarina R. do blog Sonhar de olhos abertos tem sempre ideias originais e engraças que conquistam qualquer um. Como achei engraçado, decidi aproveitar a ideia.

Eu não terei muitas saudades do Verão! Confesso que gosto mais do frio, para mim os dias de calor intenso são angustiantes. 

O Outono é uma estação da qual gosto muito (eu nasci no Outono). Gosto da paisagem que a estação nos oferece, gosto das castanhas e das nozes, gosto das cores do Outono....

O objectivo do desafio é olharmos para estes últimos 3 meses e reflectirmos sobre o que lemos e escrevemos. Ele está dividido em duas partes, cada uma com 10 questões. A primeira parte está relacionada com os livros que lemos neste Verão e a segunda com os posts que escrevemos no nosso blog.

REGRAS:
- Todas as respostas devem ter em conta apenas o período entre 21 Junho e 21 de Setembro;
- Podem repetir livros e posts.
- A 2ª parte é facultativa mas eu gostava muito de recordar convosco posts antigos do vosso blog que podem ter passado mais despercebidos na altura da sua publicação.

Leituras
1) Qual o melhor livro que leste? Começa logo com uma pergunta difícil. Li bons livros durante o Verão, mas aquele que mais me marcou e que adorei foi As serviçais de Kathryn Stockett.
2) Que livro te desiludiu? Breve história de amor de Tiago Rebelo. Gosto muito do autor, mas ultimamente não me tenho encantado com os livros. 
3) Que livro te surpreendeu? Vou ter de repetir, As serviçais. Confesso que não estava à espera de encontrar tanta intensidade naquele livro. 
4) Que casal literário te arrebatou? Aidan e Tess do livro A morte chama-te de Karen Rose. Um casal que mostra que as aparências iludem... É sempre bom descobrirmos o que vai para além da visão física com a qual nos deparamos.
5) Que livro devoraste? Sedução Intensa de Lisa Kleypas, o livro é completamente viciante. Depois de começar é muito difícil parar. 
6) Que autor gostaste de reencontrar? Sem dúvida Eça de Queirós. Depois de ter lido Os Maias no secundário nunca mais tinha lido nada do autor e foi muito bom voltar a perder-me nas palavras dele. 
7) Que autor te conquistou? Karen Rose com o livro A morte chama-te. 
8) Qual o livro que demoraste mais tempo a ler? Penso que foi o livro Tempo Roubado de Sunny Jacobs. É uma leitura difícil e densa.
9) Qual a capa mais bonita dos livros que leste? Gostei muito da capa do livro da Elizabete Cruz Face Negra. De todo os livros que li durante este Verão foi a capa que mais me chamou à atenção.
10) Qual a saga que iniciaste e que queres continuar? Não iniciei muitas sagas. Mas visto que para terminar a trilogia Soberba de Andreia Ferreira, diria que a quero terminar para saber o que acontece.
(Nota, nem todos os livros aqui referido já têm a opinião publicada no blog. Para os que já têm opinião existe a hiperligação clicando no título do livro).  

Blog
1) Qual foi o teu post mais popular? O post a anunciar o desafio 45 days book challenge. Teve 85 visualizações. (link
2) Qual post achaste que ficou mais bonito? O do desafio "Em três razões" lançado aos leitores do blog. (link
3) Qual foi o teu post mais controverso? Não houve assim nenhum post que tenha gerado conflitos de opiniões.
4) Qual achas que foi o teu post mais útil? O post com o video a incentivar à leitura. (link)
5) Que post achas que não teve a atenção que merecia? Penso que a entrevista com a Elizabete Cruz. De todas as entrevistas publicadas no blog, esta foi a que teve menos visualizações. A Elizabete respondeu muito bem às perguntas daí que mereciam mais atenção por parte dos leitores. (link)
6) Qual post atingiu uma popularidade que não esperavas? O TAG das 5 perguntas sobre literatura que nunca ninguém fez. (link)
7) Qual o post que te faz sentir mais orgulhoso(a)? O post sobre os novos livros da estatante, por causa daquilo que as pessoas comentaram acerca da minha sinopse. (link)
8) Qual o post que achaste que podia ter ficado melhor? O post da reabertura do blog. Umas imagens tornariam-no mais apelativo. (link)
9) Que post falou de uma temática que esperas voltar a abordar no futuro? O tema do incentivo à leitura ilustrado pelo video que publiquei. É um tema que quero voltar, no fundo para dar estratégias que incentivem as crianças a ler e demonstrar quais as vantagens da leitura no desenvolvimento das crianças. (link)
10) Que post te inspirou para criar outros? Nenhum em particular... A minha inspiração surge de forma inesperada e depende  muito do meu estado psicológico. 

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Dia 3 * 30 Days Eurovison Challenge

Dia 3: O vencedor que mais gostaste

O tema do terceiro dia é muito fácil. Embora tenha gostado muito de outros vencedores ao longo da história do ESC, o vencedor que vou apresentar conseguiu prender a minha atenção. 

E o escolhido é:
Noruega 2009
Alexander Rybak  com a música Fairytale


A música fica no ouvido, tem um letra bonita (um verdadeiro conto de fadas) e a sonoridade que o violino empresta a música torna-a bastante bonita. Todo o cenário construído em torno da actuação também contribuiu para que Alexander se afirmasse no ano de 2009. 
O que posso ainda destacar é a formo como Alexander toca violino. É um dos instrumentos mais difíceis de tocar porque exige uma postura muito específica e um domínio muito grande do arco sobre as cordas para que não desafine (em iniciantes ao instrumento é muito frequente as desafinações). 




Após a participação de Alexander no ESC passei a acompanhar a discografia dele e são várias as músicas dele que fazem parte da minha playlist. Para que fiquem curiosos deixo aqui uma das músicas que mais gosto de ouvir: Abandoned


Em três razões...

A rubrica Em três razões desta semana apresenta-nos a sugestão da Cata do blog Páginas Encadernadas.

Desde já agradeço à Cata pela disponibilidade.

E a sugestão da Cata é:

A trama da estrela
Vasco Ricardo

As três razões pelas quais devemos ler este livro são:
1. É de um autor nacional;
2. Tem uma história muito gira;
3. Foi um dos autores nacionais que mais gostei de descobrir este ano;

Podem consultar a opinião da Cata aqui.

Não conheço o autor, nem o livro em questão, mas tenciono dar uma oportunidade e assim ficar a a conhecer mais um autor português.

Caso queiram deixar-me a vossa sugestão, podem fazê-lo aqui

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Palavras Memoráveis

As relações deviam ser a forma de entretenimento mais confusa e brutal da sociedade. Em comparação com a maioria das relações, uma final de futebol de arena parecia um baile de salão. Ainda assim as almas solitárias insistem em procurá-las, em agarrar-se a elas, lutar por elas e chorar a sua perda.
J. D. Robb, Lealdade Mortal

Dia 2 * 30 Days Eurovision Challenge

Dia 2: O vencedor que menos gostaste

É assim, eu não achei piada nenhuma a esta música. Sim, é alternativa! Sim, tem um sonoridade característica! Sim, em termos de caracterização também está original. Pessoalmente, não me cativou. Não gostei de nada no que respeita a esta música e fiquei muito surpreendida com o facto de ser ela a vencedora. 

Sem mais demoras, a minha escolha recai sobre:
Finlândia 2006
Lordi com Hard Rock Hallelujah


E vocês, qual foi o vencedor do ESC que menos gostaram?

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Dia 1 * 30 Days Eurovision Challenge

Dia 1: Uma música do teu ano favorito


Escolhi como ano favorito, o ano de 2009 por ter sido o último festival que acompanhei de forma mais intensiva na televisão. São várias as músicas deste ano que constam da minha playlist pessoal e que ouço com frequência. 

A música escolhida é: 
Todas as ruas do amor 
Flor-de-Lis 


Das várias participação de Portugal no ESC, esta é uma das minhas preferidas. Adoro a sonoridade que o conjunto de instrumentos musicas proporcionou, assim como a letra e a voz da Daniela! No início da prestação da Daniela notou-se algum nervosismo, mas depois acho que até correr bastante bem.
Uma música que é um prazer ouvir.

E vocês, qual a opinião acerca desta música?

Top Ten Tuesday - Casais do mundo literário (11)



Esta semana não vou seguir o tópico proposto no site, uma vez que seria para eleger o Top 10 das melhores séries. Como o meu background é muito limitado no que se refere a séries literárias decidi pegar na ideia da Catarina R. do Sonhar de Olhos Abertos e apresentar o meu Top Ten de casais do mundo literário. Não é totalmente igual ao da Catarina, uma vez que ela considerou os casais dos filmes, no meu caso serão só casais literários.





10. Roxanne & Luke
Jogo de Mãos de Nora Roberts
Este é mais um amor que nasce de uma amizade. Inicialmente dão-se como cão e gato, mas no fim termina de uma forma muito bonita.

9. Ivana & Gabriel 
Inverso de Liliana Lavado 
Este é o meu casal de eleição dos livros da Liliana até ao momento. Um amor incocente que tem de vencer algumas barreiras para se afirmar no mundo. Será que conseguem essa afirmação? Têm de ler o livro, pois está claro.

8. Lillian Bownam & Lord Westcliff
Sedução Intensa de Lisa Kleypas 
Duas personalidades fortes que entram em choque no início, mas que com o desenrolar da narrativa nos deixam rendidos. 

7. Katherine & Luthian 
Amar o ódio de Soraia Pereira
Este casal anda a consumir-me o espírito. É da minha actual leitura beta e confesso que o ódio e a paixão que une estes dois está muito bem construída. A tensão que aparece entre eles ao mesmo tempo que a atracção proporciona uma explosão sentimental entre eles que delicia o leitor (e eu ainda nem cheguei ao fim do livro). 

6. Noah & Allie
O diário da nossa paixão de Nicholas Sparks
Este é, provavelmente, o casal com quem verti mais lágrimas ao longo da leitura. A dedicação de Noah a Allie é apaixonante. 

5. Claire & Henry
A mulher do viajante no tempo de Audrey Niffenegger
Não fosse o Henry ter problemas com o tempo e não teríamos um casal que nos encanta desde as primeiras páginas. É um romance que evolui de uma forma original. Há amor (muito aliás), mas ao mesmo tempo o sofrimento também anda por lá a rondar.

4. Keira & Aidan 
O primeiro dia e A primeira noite de Marc Levy
A Keira e o Aidan são um casal aventureiro e conhecem-se de uma forma muito particular: no momento em que a Keira come um pedaço de papel (se querem saber mais têm de ler o livro). São muito divertidos e leva-nos por uma viagem alucinante. São dois livros fantásticos que nos dão a conhecer um casal muito particular.

3. Emma & Dexter
Um dia de David Nicholls 
Emma e Dexter são dois amigos que só muito tarde têm coragem de assumir o amor que os une. É uma relação muito bonita, principalmente porque tem a base sólida da amizade. É um romance muito realista. Quantos amigos vão mantendo uma grande amizade apesar de estarem completamente apaixonados?

2. Tatiana & Alexander 
O Grande amor da minha vida de Paullina Simons
Um amor sofrido em tempos de guerra. É uma relação muito intensa que cada um dá ao outro tudo aquilo que tem e que não tem. Ambos são capazes de arriscar a própria vida em detrimento do outro. 

1. Eve & Roarke
Série Mortal de J. D. Robb
Que mais há a dizer sobre estes dois! Acho que já esgotei o meu vocabulário. Um casal complexo devido às suas características pessoais, mas que encaixam na perfeição. É muito bom ver a evolução destes dois de livro para livro. Confesso que tenho um carinho especial pela Eve. 




segunda-feira, 23 de setembro de 2013

As Serviçais [Opinião]


As Serviçais

Autor:  Kathryn Stockett
Ano: 2010
Número de Páginas: 464 páginas
Editora: Saída de Emergência
Classificação: 5 Estrelas

Sinopse
Skeeter tem vinte e dois anos e acabou de regressar da universidade a Jackson, Mississippi. Mas estamos em 1962, e a sua mãe só irá descansar quando a filha tiver uma aliança no dedo.
Aibileen é uma criada negra, uma mulher sábia que viu crescer dezassete crianças. Quando o seu próprio filho morre num acidente, algo se quebra dentro dela. Minny, a melhor amiga de Aibileen, é provavelmente a mulher com a língua mais afiada do Mississippi. Cozinha divinamente, mas tem sérias dificuldades em manter o emprego… até ao momento em que encontra uma senhora nova na cidade.
Estas três personagens extraordinárias irão cruzar-se e iniciar um projecto que mudará a sua cidade e as vidas de todas as mulheres, criadas e senhoras, que habitam Jackson. São as suas vozes que nos contam esta história inesquecível cheia de humor, esperança e tristeza.
Uma história que conquistou a América e está a conquistar o mundo.

Opinião
A curiosidade por ler este livro já me perseguia há algum tempo. As boas opiniões que tinha lido acerca do livro (e até do próprio filme que ainda não vi) atraíram a minha atenção para o livro. Agora, no fim da leitura, só tenho pena de não ter pegado nele mais cedo. As serviçais é um livro magnífico, daqueles que levam o nosso pensamento muito para além das páginas que desfolhamos.

Gostei muito das três personagens femininas por quem a história é contada. É difícil dizer qual delas gostei  mais, porque cada uma possui uma personalidade muito particular enriquecendo a história de formas diferentes. É interessante ler a perspectiva que cada uma vai tendo das situações que vão ocorrendo.
Admiro cada uma delas pela coragem que demonstram, mas admiro particularmente a menina Skeeter por desafiar o seu mundo social e ir contra tudo aquilo que o seu grupo de amigas defende. É triste e ao mesmo tempo inspiradora a forma como Skeeter ruma contra a maré de modo a defender aquilo em que sempre acreditou: a igualdade entre raças.

Chorei com o final da bondosa Aibeelean. A sua dedicação às crianças brancas é de encher um coração de amor. Adorei a sua história infantil do Marciano Lutter King. 

Hill é uma mulher horrível e só posso dizer que ela é assim porque é uma personagem muito bem construída. Está elaborada para criar sentimentos de raiva no leitor. Posso dizer que é uma personagem secundária muito rica em termos de características de personalidade. 
A Elizabette (patroa de Aibeelean) é a parte fraca do grupo de amigas. Facilmente influenciável, é uma personagem detestável pela sua fraqueza de espírito. 
Célia (patroa de Minny) é a representação da ingenuidade. Gostei bastante dela e sofri com as particularidades da vida dela.

É um livro muito realista e que foca de forma muito inteligente o racismo. 
Esperava um final mais fechado, mesmo assim não fiquei desiludida pela forma como as coisas terminaram. É um final credível e sem subterfúgios cor-de-rosa que, possivelmente, não dariam o impacto necessário à finalização da narrativa.

Boas leituras e deixem-se invadir pelas palavras!
Silvana

30 Days Eurovision Challenge [Desafio]

Comecei por ver este desafio no blog da Elizabete Cruz do blog A wonderful World.
Depois consultei ainda o site ESC Portugal para ver as categorias que eles usavam.

Peguei nas categorias de Elizabete e depois de duas alterações criei o meu desafio.
Ficam aqui as minhas categorias:

30 Days Eurovision Challenge
Dia 1: Uma música do teu ano favorito
Dia 2: O vencedor que menos gostaste
Dia 3: O vencedor que mais gostaste
Dia 4: A música preferida cantada a solo por uma mulher
Dia 5: A música preferida cantada a solo por um homem
Dia 6: A música preferida cantada por um dueto
Dia 7: A música preferida cantada por um grupo
Dia 8: O 2º lugar preferido
Dia 9: Uma música que não gostava e agora gosto
Dia 10: Uma música que gostava e que agora não gosto
Dia 11: Uma música cuja letra não entendes mas adoras cantar
Dia 12: Melhor Música
Dia 13: Pior Música
Dia 14: Melhor Música Irlanda
Dia 15: Melhor Música Reino Unido
Dia 16: Melhor Música Espanha
Dia 17: Melhor Música França
Dia 18: Melhor Música Alemanha
Dia 19: Melhor Música Itália
Dia 20: Música Favorita que não passou à final
Dia 21: Melhor Música de Portugal
Dia 22: A tua Performance Favorita
Dia 23: Melhor Interval Act
Dia 24: Uma Banda ou Artista Português que Deveria ir ao ESC
Dia 25: A tua música favorita de uma final nacional
Dia 26: Uma música que te faz lembrar alguém
Dia 27: Uma canção do teu cantor favorito que devia ir ao ESC
Dia 28: A tua balada preferida
Dia 29: Uma música que te faz querer dançar
Dia 30: Uma música que devia ter ganho

Sou um fã do festival e por curiosidade gosto de rever as participações mais antigas. Por esta razão, este desafio irá conter músicas de anos em eu ainda não estava cá para testemunhar, mas o facto é que apaixonei pelas músicas. 

Espero que gostem do desafio e quem se quiser juntar é bem vindo :).

domingo, 22 de setembro de 2013

2º Aniversário

E hoje o Por Detrás das Palavras festeja o seu segundo aniversário. Confesso que não sei como é consegui levar este projecto durante tanto tempo. Nem sempre me apeteceu continua aqui pela blogoesfera, mas confesso que pelos números actuais tenho muito a agradecer a um grupo de leitores fiéis que por cá vão passando. Deixando ou não o seu comentário, o que interessa é que para o melhor ou para o pior gostam de cá vir ler as minhas palavras e deixarem-se invadir por elas.

Ora vamos a números:
2 anos de vida
102 seguidores (nunca pensei chegar a este número)
448 mensagens 
26450 visualizações

Muito Obrigado a todos!


Quando fiz a reabertura do blog, desafiei os meus leitores a deixarem-me um comentário ou questões que gostassem de ver respondidas. Vou responder aqui às questões e deixar os comentários, mas ficarão disponíveis na página do blog Por detrás do blog. Desde já agradeço às meninas que deixaram as suas palavras aqui para este pequeno cantinho. 

A menina que me deixou as questões foi a Catarina R. do blog Sonhar de olhos abertos!
Como te iniciaste nas leituras beta?
As leituras beta surgiram de forma inesperada. Não fazia a mínima ideia do que se tratava até ver um post no blog Pedacinho Literário a dizer que a Liliana Lavado andava à procura de leitores-beta. E então perguntei-me, porque não? Depois de saber que o género era fantasia (um género do qual não sou particularmente fã) aceitei como um desafio. Confesso que fui agradavelmente surpreendida. 
Confesso que fazer leituras beta, no meu caso, é completamente viciante. Por isso, para mim é difícil resistir a um pedido para fazer este tipo de leituras.
O ano passado foi só para a Liliana que revi. Este ano já tenho uma quantidade significativa. Alguns sou eu que me ofereço, outros casos fui contactada pelos autores e, no caso do João Silva (autor do livro Novos Tempos) foi através da Liliana. 

Tens alguma parceria?
Não tenho nenhuma parceria. Sei que isso talvez desse ao blog outra projecção, mas ainda não aconteceram essas parcerias. Quem sabe um dia, mas não é algo que me atormente. 

Como lidas com blogs que têm mais seguidores que tu e que pensas que não são tão bons, que não investem tanto e que parece que só apresentam a "publicidade" das editoras?
Por acaso lido de forma pacífica. Número de seguidores, não é propriamente sinónimo de muito sucesso do blog. Muitas vezes tornam-se seguidores apenas para participar em passatempos, mas depois não visitam esses blogs como tanta frequência. Eu própria faço isso! Eu gosto de visitar um blog que me ofereça algo novo para ler, que me desafie a pensar sobre o que lá está escrito. Em relação aos outros blogs, vou apenas lá para participar nos passatempos.

Alguma vez te sentiste desanimada e pensaste desistir do blog?
Algumas vezes, mas por aspectos pessoais. A nível pessoal nem sempre as coisas andaram bem durante este último ano o que, por vezes, me deixava sem disposição para cá vir. Entretanto fui aprendendo a lidar com as situações adversas e vi que o blog poderia ser uma boa forma de deixar para trás as coisas menos boas da vida.

Obrigada pelas perguntas Catarina. Espero que as respostas sejam do teu agrado!

Agora ficam os comentários!
Obrigada Cata e Mónica. Os vossos comentários tiveram o dom de me deixar sem palavras!

Parecendo que não, um blogue é um organismo vivo. É preciso cuidar dele, dar-lhe atenção e carinho. Imprimir-lhe personalidade. Deixá-lo crescer. Inová-lo. Torná-lo acolhedor, fazendo dele não só um espaço onde nos sintamos bem, mas onde os outros também se sintam. Conquistar seguidores [conquistar mesmo, fazê-los interessarem-se pelo que publicamos, fazê-los visitarem-nos com regularidade] não é nada fácil.

Conheço este blogue há alguns meses. Conheci a Silvana um pouco antes e nem sabia que ela já possuía o seu cantinho [shame on me], mas depois de o ter descoberto mantive-o debaixo de olho. Nem sempre comento e há posts que me passam ao lado por diversos motivos exteriores ao blogue, mas tenho acompanhado a sua evolução. E tenho gostado do que vejo ^^ É um blogue fantástico, gerido por uma pessoa mais fantástica ainda. Já percorreu um longo caminho até aqui e acredito que poderá ir ainda mais longe!

Muitos parabéns e que venham muitos mais!
Beijinhos*
Cata, do blog Páginas Encadernadas

Quero apenas deixar aqui um pequeno comentário relativamente ao teu blogue: é espetacular. Não, não estou a exagerar. É um cantinho que reflete o teu cunho pessoal enquanto leitora e verdadeira amante de livros e cultura. É impossível não notar a tua dedicação e empenho, assim como a gentileza e cordialidade com que interages com os restantes bloggers. Que mais posso dizer? Continua o bom trabalho! Espero poder visitar esta página e celebrar os seus aniversários durante muito tempo :)

Beijinhos!*
Mónica, do blog A Thousand Lives



sábado, 21 de setembro de 2013

Palavras em viagem (2)



Fica aqui a minha participação no blog da Cata, o Páginas encadernadas, na rubrica Um livro = Uma música

O livro em questão é O grande amor da minha vida de Paullina Simons e a música é Cada lugar teu de Mafalda Veiga.

Espero que gostem!

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Por detrás do autor | Elizabete Cruz

Depois desta rubrica ter estado adormecida durante uns tempos, eis que volta ao blog, e volta em grande com uma autora que apesar de bastante jovem já tem um caminho traçado pelo mundo das palavras. Recentemente brindou-nos com o livro Face Negra
Como é óbvio estou a falar da:

Elizabete Cruz

Elizabete Cruz nasceu a 18 de Junho de 1992 em Montreux, na Suíça. Estuda Radiologia na Escola Superior de Tecnologias da Saúde do Porto, pelo que vive no Porto em tempo de aulas e em Viana do Castelo nas férias e ao fim de semana. Começou a escrever aos 16 anos, editando o seu primeiro romance, Espelho Indesejado, em 2010, pela HM Editora e em 2012, pela Corpos Editora, o livro "O Homem que Amava Demais".

Muito amavelmente disponibilizou-se para responder a umas pequenas perguntas.

****

Para iniciar, gostaria que nos apresentasses as duas faces da Elizabete, ou seja, qual é a tua face branca e a tua face negra?
Posso desde já dizer que esta pergunta me provocou um sorriso porque, como toda a gente, tenho um lado bom mas também tenho um lado não tão bom! A minha face branca é capaz de ajudar as pessoas, porque realmente gosto de o fazer, é capaz de arrancar um sorriso ou fazer alguém sentir-se bem. No entanto, sei que por vezes a minha face branca se confunde com a negra, porque o meu feitio pode ser mal julgado. Eu posso ser brusca, maldosa ou inconveniente, mas quem me conhece sabe que não é realmente a minha face negra a falar. Quem não me conhece pensa que eu sou uma pessoa intragável. Não obstante isso, eu tenho realmente um lado negro, um que felizmente só se costuma manifestar quando escrevo. É que quando quero realmente ser maldosa, desdenhosa, quando quero realmente demonstrar o meu desapreço, essa pessoa pode esperar sentir o meu desprezo, porque isso vai acontecer. E eu chateio-me poucas vezes, mas quando me chateio a coisa pode ficar feia. Que o diga a minha colega de casa!


Apesar de jovem, já tens um bom caminho traçado no mundo dos livros. O que é que te encanta no mundo da escrita? Foi algo que nasceu naturalmente em ti?
Se dissesse que sempre escrevi bem (acreditando que agora escrevo mais ou menos bem) seria mentira, mas sem dúvida que foi algo que sempre gostei de fazer. Mesmo na escola primária, quando diziam para escrever alguma coisa, ficava tudo frustrado menos eu. Lembro-me até que uma altura uma história minha foi eleita para participar num concurso qualquer pela escola! (não me perguntem o resultado, não me lembro). Não sei se nasceu naturalmente em mim, mas sem dúvida que foi algo que foi sendo aperfeiçoado com a idade, mesmo que em algumas alturas da minha vida tenha fugido desse meu hobbie. Em relação ao que me encanta no mundo da escrita, é sem dúvida poder ser eu a criar as personagens e a decidir o que lhes vai acontecer. É poder criar vidas e vivê-las como se fossem minhas. É poder apaixonar-me pelo jovem norueguês que toca violino ou pelo agradável bailarino que é obcecado pelo cabelo ou mesmo pelo hippie doido que gosta de montar bombas. No mundo da escrita, ou posso ser quem eu quiser a partir daquilo que crio.


De todos os livros até agora lançados, haverá algum que te apeteça mudar? Estou a falar de uma mudança mais drástica e não de pequenas alterações.
Podia dizer que mudaria muita coisa no meu primeiro livro, mas se tivesse oportunidade para isso não o faria. Foi o meu primeiro e nele depositei todo o meu amor. Apesar dos erros que cometi, sei que eles foram necessários e deixaria ficá-los com orgulho. Em relação ao “O Homem Que Amava Demais”, talvez mudasse algumas coisas, especialmente em relação aos tempos da acção e à personagem principal, Inês. Tentaria que ela tivesse sido mais marcante e não uma bóia ao sabor do mar.



Enquanto escritora e boa observadora do mundo, haverá sempre coisas em que te inspiras. Gostaria que partilhasses as tuas fontes de inspiração para construíres toda a história? Alguma dessas fontes de inspiração é algum escritor?

Uma das minhas grandes inspirações é a música. Para tudo. Estou neste momento a responder a esta entrevista e a ouvir música. O mesmo faço quando escrevo, chegando ao cúmulo de pôr a mesma música a tocar por horas a fio se ela me inspirar. Fora isso, inspiro-me muito nas pessoas, mesmo que não as conheça. A partir delas, só de as olhar, consigo criar histórias, imaginando o que essa pessoa conseguiria fazer. Depois, claro, inspiro-me no que vejo, seja à minha volta ou na televisão. Como trabalho num hospital, ouço histórias e chegam-me às mãos casos que podem dar histórias. O mesmo se passa com histórias e situações entre amigos. A maioria das coisas do dia-a-dia serve de inspiração quando se anda à procura dela. 
Curiosamente, não há nenhum autor no qual me inspire. Claro que há autores que consigo tentar seguir, mas a maioria dos autores que aprecio verdadeiramente escrevem policiais, e essa não é a minha praia. Assim sendo, fico-me pela inveja que sinto da genialidade de algumas pessoas.


Debruçando-nos agora sobre o teu último trabalho, o Face Negra. O que é que foi mais fácil e mais difícil na construção das personagens e da narrativa?
Com certeza que o mais difícil foi o facto de nunca ter conhecido ninguém que se adequasse com as características das personagens. A Daniela está bem no centro da narrativa, mas eu nunca convivi com uma stripper ou uma prostituta e muito menos estive num clube de strip. No máximo convivi com um estudante de medicina, que me mostrou a Faculdade de Medicina do Porto. Para além disso enveredei por áreas que nada têm a ver com o que eu estudo, nomeadamente o que está ligado a processos de adopção. Conseguir algo que se aproximasse da realidade exigiu muita pesquisa. 
Em relação ao mais fácil, com certeza foi o facto de as personagens me agradarem. O trio principal foi criado para que existisse mesmo, para que eu os conhecesse e eles fizessem parte da minha vida. Todos eles têm algum traço que vem daquilo que eu gosto nas pessoas e claro, quando se trabalha com pessoas de quem gostamos as coisas tornam-se muito mais fáceis.



Tens alguma personagem preferida? Ou seja, aquela personagem que por mais que haja falta de inspiração há sempre vontade de escrever sobre e para ela.

Esta pergunta é muito fácil. Sem dúvida que é o Marco. Apesar de gostar muito da Daniela, o Marco deu-me muito gozo. Era uma personagem que me obrigava a ser séria e bem-disposta ao mesmo tempo e isso puxava pelo meu bom humor. Ele foi feito para ser um dos preferidos dos leitores e quero que continue assim. Assumo que tenho medo de voltar a pegar nele e estragar um pouco aquilo que fiz com ele até agora, mas aí também está o verdadeiro desafio. Não quero que nenhuma fã do Marco me coloque uma bomba debaixo da cama! 



Das várias reacções que foste recebendo dos leitores, quais foram aquelas que mais te surpreenderam?

As reacções foram diversas, umas positivas, outras nem tanto, mas isso já seria de esperar. Acho que não estava à espera que o Marco fosse mobilizar tanta gente, muito menos esperava receber ameaças do género “se ele fica com a Daniela, eu chateio-me contigo!”. Como já disse, ele era uma personagem na qual eu depositava alguma esperança de sucesso, mas ele realmente conquistou um público. Isso sim, surpreendeu-me, porque acho que nunca tive nenhuma personagem que provocasse tais sensações num leitor. Claro que é um enorme motivo de orgulho para mim que ele tivesse nascido para o mundo literário, mas o caminho dele é agora muito difícil de traçar por causa disso mesmo.


Imagina que está aqui alguém indeciso acerca da compra do Face Negra, o que é que lhe dirias de forma a convencê-lo. 
Bem, antes de mais, eu não nasci em Portugal, mas podem ver no meu CC que tenho nacionalidade portuguesa. Por isso, e porque acho que os autores portugueses merecem realmente apoio, considero esse um bom motivo para levarem o meu livro. Para além disso, depositei neste livro muito de mim e alguma esperança de sucesso. É uma história que eu considero diferente na medida em que a personagem principal é a vilã e as pessoas não gostam dela, mas mesmo assim não lhe desejam mal. Não podem esperar muito romance neste “Face Negra”, mas pelo menos bastante malícia e planos brutais vão encontrar. E claro, vão ter a bruxa má, o fiel servo e o príncipe encantado que, ao contrário do que é costume, está perdidamente apaixonado pela bruxa má! Portanto, eu li, gostei muito e aconselho a comprarem (riso!).


Quanto a projectos futuros, o que é que tens em mente?
Como anunciei recentemente, vou começar a escrever o Face #2, a continuação da história do Marco, da Daniela e do Dyre. A história irá passar-se sete anos depois do que aconteceu no “Face Negra” e cada uma destas personagens irá estar em trilhos que acho que ninguém estava à espera. Quero dar o final merecido a cada um deles. 
Enquanto isso, ando a dedicar-me a algo que já há muito, muito tempo tinha em mente: escrever algo do género fantástico. Será arriscado, eu sei, mas quero mesmo tentar, por isso tenho em mente uma quadrologia que está a ser trabalhada intensamente. O primeiro volume estará, em princípio, pronto até ao final do ano, e acreditem que ele será um presente de Natal para os meus fãs. Mais novidades virão nos próximos tempos acerca dele!

Muito obrigada, Elizabete!

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Em três razões...

Bem chegou o momento de lançar a primeira participação na rubrica Em três razões.

A Denise, do blog Quando se abre um livro, não quis deixar de dar a sua sugestão.

Fica aqui a sua escolha e as três razões pelas quais devemos ler o livro.

Alma Rebelde
Carla Soares

Razões

1. É o livro de estreia de uma autora portuguesa que eu acredito que tem ainda muito potencial para nos mostrar.

2. Tem um casal muito amoroso que nos conquista à medida que ambos se vão conhecendo.

3. Apesar de algumas partes do livro nos deixarem à espera de mais, é uma história interessante. E a autora caprichou muito na escrita :)

Podem consultar a opinião da Denise aqui.

Obrigada pela tua participação. Confesso que fiquei curiosa por este livro e, coincidência ou não, terminei um leitura-beta da mesma autora esta semana. Até ao momento, nunca me tinha cruzado com a escrita da Carla, mas depois da minha experiência e do contributo da Denise é algo que tenho e mudar.

Já sabem podem fazer-me chegar a vossa participação por aqui. Aceito qualquer sugestão, porém durante o mês de Setembro estou a dar preferência a livros de autores portugueses. 

Palavras Memoráveis

Naquela noite queria acreditar que fazer o errado seria o mais correcto para si. Queria acreditar que aquela noite teria sensações que nem ela sabia que existiam antes de ali ter chegado.

Elizabete Cruz, Face Negra

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Top Ten Tuestaday - Livros que quero ler durante o Outono (10)


Top Ten Tueday


O Top Ten Tuesday é uma rubrica semana do The Broke and The Bookish que já vi em muitos blogs aqui da blogoesfera e que acho engraçada. O objectivo é fazer listas de 10 coisas dentro do tema que nos é apresentado no site. É provável que não responda a todas as sugestões, irá depender da minha disponibilidade e do tema em questão.

Para o Top Ten Tuesday desta semana desafia-me a eleger os dez livros que pretendo ler durante a estação que se aproxima, o Outono.  


A filha do capitão 
José Rodrigues dos Santos

O espião português
Nuno Nepomuceno

As valquírias
Paulo Coelho

Orgulho e Preconceito
Jane Austen
Pride and Prejudice

A doçura da chuva
Débora Smith 

O cirurgião
Tess Gerritse

Um refugio para a vida
Nicholas Sparks

Sepulcro 
Kate Moss

Almas Cinzentas
Philippe Claudel

 

Nunca digas adeus
Lesley Pearse

Gostaria de ler todos estes livros e ainda mais. Não sou muito de fazer listas de livros para leituras, gosto escolher na hora. Vamos ver como é que as coisas evoluem.