quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Palavras Memoráveis


Livro: A filha da floresta 
Juliet Marillier

Depois da escuridão do Inverno, vem a luz da Primavera. Depois do sono do Inverno, acordamos para a Primavera. Não podemos perder a esperança quando esta verdade nos é mostrada, ano após ano.

***

Diz-se que o tempo cura as doenças do coração e que tais sentimentos se desvanecem devido à ausência. 

***

Por vezes, é melhor as verdades ficarem por dizer. Mesmo àquele que amamos.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Monday Madness # 5


1. Uma coisa que querias fazer este fim de semana e não fizeste?
Ler uns textos de carácter urgente e ler um conto da Carina Rosa.

2. Daqui a cinco anos, eu...
... espero ter sido bem sucedida nesta nova fase que inicie agora e daqui a cinco anos estar a desfrutar desse sucesso alcançado dois anos antes (assim espero). Gostaria de ter um trabalho estável e no qual me sentisse bem. Daqui a cinco anos gostaria de estar a viver de forma mais independente e se possível numa das minha cidades de eleição. E como se isto já não fosse muita coisa, ainda gostaria de ter escrito um livro.  

3. Lembras-te dos Arrepios? Uma loja de coisas mágicas perto de ti vai fechar e tu vais lá comprar umas coisas, e o senhor misterioso por trás do balcão mete dentro do teu saco, sem veres, uma coisa a mais. Quando chegas a casa é que reparas que tem um objecto a mais. Escreve acerca daquilo que encontraste.
Entro na loja para ver o que ainda resta para nos oferecer. De entre muitas coisas que lá estavam escolhi um livro sobre pequenos feitiços, um conjunto de pedras mágicas e um conjunto de imagens com diferentes deuses Egípcios.
Depois de pagar e pegar no saco com as minhas compras regresso a casa. Quando vou a retirar vejo que está lá uma caixa que eu não tinha comprado. Tiro a caixa e abro-a para ver o que lá tinha. Dentro estavam 3 cartas de tarot: O Sol, A Roda da Fortuna e Lua. O que será que queriam dizer? Fiquei curiosa! Porque é que a caixa só trazia estas únicas três cartas? E agora, como iria saber o significado deste presente? 
Dirigi-me de novo à loja e, para minha surpresa, quando lá cheguei a loja estava completamente vazia! 
E assim, começou a minha aventura pelos estudos sobre o significado das cartas de tarot.

4. Tens ajudado um amigo teu a construir um muro de tijolos na cave, para fazer uma divisão. Quando acabam, descobrem que se esqueceram de deixar espaço para pôr uma porta. Ele diz para não te preocupares, foi planeado assim. Como é que reages?
Isto quase de certeza que não iria acontecer, porque:
1. Não tenho jeito nenhum para construções;
2. Não aguento muito tempo fechada numa cave sem janelas;
3. Se o estivesse a ajudar, muito antes de terminar iria dar conta que teria de deixar um local de passagem. 

5. Nas feiras populares, alguma vez ganhaste algum grande prémio? Ou gastaste muito dinheiro sem teres ganho nada? Viste alguma coisa estranha?
Não me aventuro nestas coisas. Só gosto das feiras populares por três motivos: farturas, gelados e algodão-doce. Nunca me senti muito motivada para jogar nestas coisas.
Nunca vi, nem nunca me aconteceu nada de estranho. 

domingo, 26 de outubro de 2014

Questão | 2ª Edição do Postal Secreto de Natal

Olá seguidores. Hoje venho aqui para vos fazer uma pergunta.
O ano passado, eu e Catarina R. do blog e canal Sonhar de Olhos abertos promovemos um mês especial dedicado ao Natal. Entre as diversas actividades que desenvolvemos ao longo daquele mês, aconteceu o Postal Secreto de Natal. Nós estávamos a pensar fazer uma segunda edição. Porém, já são tantas as iniciativas na blogoesfera a contemplar iniciativas semelhantes que não sabemos até que ponto teríamos pessoas interessadas em participar numa segunda edição. 

Então a pergunta que vos deixo é: Estariam interessados em participar na 2ª Edição do Postal Secreto de Natal?

sábado, 25 de outubro de 2014

Top M & S - Coisas que gostava de saber fazer


Chegou mais um dia 25 e com ele mais um TOP M & S. Para este mês, o tema escolhido por mim e pela Marta do blog I only have foi coisas que não sabemos fazer e que gostávamos de saber fazer. 
Mais uma vez, vamos optar por colocar 10 coisas.

1. Nadar

Eu tenho um desgosto imenso por não saber nadar. Já em adulta me tentaram ensinar, mas tenho medo e as coisas correm mal. É das coisas que tenho mais pena de não saber fazer.

2. Xadrez

Eu gosto imenso deste tipo de jogos de tabuleiro. Sei jogar damas e dominó, mas xadrez nunca aprendi, mas nunca é tarde...

3. Tricot

Eu gosto bastante de trabalhos manuais. Sei fazer ponto-cruz, sei (mais ou menos) fazer croché, mas não consigo fazer tricot. Já experimentei, mas não me corre muito bem, Ainda irei voltar a tentar.

4. Maquilhagem
Sim, sou rapariga, mas não sei nada sobre maquilhagem. 

5. Dançar
Está mais do que comprovado que tenho dois pés esquerdos. Adorava saber dançar danças de salão, mas sou tão descoordenada que acho que não chegava lá. 

TAG | Abrigo Nuclear


Esta Tag foi criada pela Taryne (não sei se tem blog ou canal no youtube), mas encontrei-a no blog da minha parceira de leituras conjuntas, a Marta do I only have

Tem como objectivo responder às questões consoante esta frase:

"Imagine que uma grande catástrofe se vai abater em breve sobre o planeta terra e você tem oportunidade de se esconder em um abrigo nuclear! Cada pessoa que vai parar nesse lugar te direito levar 10 livros para compor a biblioteca. Porém, seus escolhidos têm de estar de acordo com algumas categorias..."


1. ...um livro clássico que precisa ser lido.


Amor de Predição

Desde há muito tempo que quero apostar nos clássicos de Língua Portuguesa. Amor de perdição de Camilo Castelo Branco é daqueles livros que já quero ler há muito tempo.

2. ... um livro que está na tua lista de espera já há algum tempo.

Pensa num Núm3ro

Este livro já está para ser lido há imenso tempo. Por razões que nem sei identificar vou passando outros à frente dele. 


3. ... um livro que tem um óptimo elenco de personagens.

O Nó do Amor

O nó do amor foi daqueles livros que me conquistou pelas personagens. São complexas e muito realistas. Não encontramos os típico bonzinho ou mauzinho. São personagens muito credíveis e que tornam a história muito interessante.

4. ... um livro que não sai da tua mesinha de cabeceira.

O Hipnotista (Joona Linna, #1)

Este livro já anda atrás de mim há mais de uma semana. É uma leitura que me está a custar um bocadinho.


5. ... um livro que te provocou reacções físicas.

Messias

Já me fartei de escrever aqui no blog imensas coisas sobre este livro no que toca às sensações que ele me causou. De facto é tão bem descrito que é fácil nos sentirmos enjoados e mal-dispostos pela situação.


6. ... um livro que te ganhou pelo título.
A Vida na Porta do Frigorífico

Comprei este livro, porque o título me chamou a minha atenção. Agora veremos se o conteúdo acompanha o meu deslumbramento pelo título.


7. ... um livro que te fez pensar sobre ele durante vários dias.

Sonhos Proibidos

Lesley Pearse escreve histórias que me deixam sempre marcas na minha memória. Este livro não foi excepção! Ainda hoje penso neste livro. 


8. ... um livro que aches que todas as pessoas iam gostar de ler (universal, digamos assim).

Diário de Anne Frank

Este livro é daqueles que, independentemente da altura da vida em que seja lido, encanta as pessoas pelo seu realismo e pela dureza da situação.


9. ... um livro que leste por obrigação (na escola, faculdade) mas mesmo assim gostaste.

Aparição

Este é daqueles livros que a maior parte das pessoas leu por obrigação na escola e não gostou. Pessoalmente, até gostei mas acho que tal também se deveu muito à boa análise feita pelo professor. É um livro que quero reler um dia.


10. ... um livro que gostaste de ganhar como presente.

Ana Karenina

Foi o primeiro livro que recebi como presente este ano e da parte de uma pessoa especial. Foi também uma autêntica surpresa... Não estava mesmo nada à espera de o receber.



quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Palavras Memoráveis


Livro: A filha da floresta 
Juliet Marillier

Uma história pode começar de muitas maneiras. Desse modo, transforma-se em várias histórias. Ao mesmo tempo, casa uma delas não passa de uma maneira de contar a mesma.

***

Tudo o que lhe restava dela eram recordações, onde guardava todos os momentos, cada momento em que ela lhe pertencera. Era tudo o que lhe restava para afastar a solidão.

[Opinião] Romance de Cordélia


Romance de Cordélia (Finisterra)

Autor: Rosa Lobato de Faria
Ano: 2010
Editora: ASA
Número de páginas: 218 páginas
Classificação: 4 Estrelas

Sinopse
No Romance de Cordélia Rosa Lobato de Faria compraz-se em caminhar no fio da navalha, inventando um género que deliberadamente invoca, pelo avesso, o romance de cordel, forçado a figurar na primeira pessoa em algumas das passagens mais tortuosamente divertidas do livro. Livro que se constrói, em ficção, sobre uma série de histórias de vida reais, cuidadosamente recolhidas pela autora e por ela sabiamente recontadas, sem que se perca o drama, a violência, a ternura, a linguagem de um submundo forçado a ocultar-se sob a abas da nossa vergonha colectiva.(...) Mas, mais vale experimentá-lo que julgá-lo: quem, tendo-o começado, for capaz de o abandonar merece um doce. O cianeto é por minha conta.

Opinião
Há livros que nos deixam com pouco para dizer sobre eles. Romance de Cordélia é um desses livros! Acho que, por muito que tente exprimir a minha experiência com esta leitura, este livro oferecerá sempre sensações e percepções diferentes a quem o ler.

Nunca tinha lido nada de Rosa Lobato de Faria, nem nunca tinha sentido muita vontade de ler. Depois de ver a Catarina S. do Canal Little House of Books a falar sobre o livro A trança de Inês fiquei com vontade de experimentar.

No início foi difícil entrosar-me com a leitura e com tanta personagem que aparecia e desaparecia. O estilo de escrita da autora é também um pouco diferente do que costumo ler, mas facilmente me adaptei.
Este livro é narrado na 1ª pessoa, pela própria Lili. Lili teve uma vida preenchida pelas desgraças. Desgraças essas que se devem a uma clara falta de atitude e passividade dela. Estas desgraças são muitas mas não parecem fantasiosas ou pouco credíveis. Pelo contrário, acho que podem mesmo acontecer a uma pessoa com a personalidade da Lili.
É com estas desgraças que Lili vai parar à cadeia e aqui também assistimos a uma retrato muito credível do estilo de vida das reclusas.
Achei engraçado um aspecto de vida de uma presa. Ela gostava de ler romances com personagens com uma vida desgraçada, que se apaixonam por um homem rico e que são enganadas. Porém, conseguem sempre dar a volta por cima e vingam-se deste passado terrível e acabam a sua história com um final feliz.

Penso que a reclusa idealiza a sua vida como a vida das personagens destes romances. Passou a dá-los à Lili para ela lê-los. Sempre era uma forma de irem passando o tempo. 

Contudo, o final deste livro não apresenta qualquer paralelismo com os romances que Lili e a sua colega liam na prisão. É um final duro e ao mesmo tempo especial. Fui emocionalmente atropelada com este final. Não esperava que tal acontecesse e aquilo que me ficou foi que podemos passar por muito, mas se quisermos podemos sempre ser bondosos. E a bondade é contagiosa. No fim da sua vida, Lili encontrou essa bondade e consegui dar algum significado à sua existência e ao mesmo tempo conseguiu "contagiar" outros com este sentimento.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Vamos escrever um conto? | Divulgação do conto "A Cidade"


Em Janeiro deste ano, a Denise do blog Quando se abre um livro lançou um desafio que consistia em escrever um conto conjunto. (post de divulgação aqui).

Como sabem, na altura aderi e escrevi uma parte para o conto. 

O título do conto é A cidade e deixo aqui a minha parte:


Suspirou, consciente do longo e complicado dia que a aguardava…
Como daí a pouco tempo teria de estar na biblioteca, deixou-se ficar por casa.Tinha tempo para almoçar, mas tinha ficado sem apetite. Sentou-se apenas no sofá a observar as horas passar. Odiava quando o plano que estabelecia diariamente era defraudado por algum imprevisto. Tinha-se esforçado tanto nestes últimos tempos para construir um muro bem sólido em torno das recordações de um passado feliz que se haviam enraizado no coração e na memória. Como é que a mãe fora capaz de contribuir para que esse muro se tenha quebrado, abrindo uma brecha, um espaço para a dor? E, sem se aperceber, Eva viu-se invadida por uma recordação de um dos dias mais felizes daquele seu passado que teimava em desaparecer.

Dois anos antes

Eva e Afonso estavam em Londres. Era um sonho de ambos visitar aquela cidade e já tinham passado quatro dias maravilhosos a visitar tudo aquilo que a cidade lhes tinha para oferecer. Agora, encontravam-se ao pé do London Eye. 
– Eva, achas mesmo que não consegues entrar? Vá lá, eu queria tanto experimentar ver Londres lá do alto!
– Sabes que não gosto de alturas. Mas como já estou farta da tua insistência, aceito, embora com uma condição: tens de segurar a minha mão durante o tempo todo.
Afonso sorriu e estreitou Eva num abraço caloroso que terminou num beijo terno e apaixonado. 
Entraram e o London Eye cumpriu a sua missão. Muito devagar, foi descrevendo um círculo perfeito. Lá no alto, Afonso permitiu-se observar Londres e fazer o pedido mais especial da sua vida.
– Amor, tendo esta magnífica vista como testemunha, quero perguntar-te: aceitas casar comigo? – Visivelmente emocionado, Afonso retirou uma pequena caixa do bolso e abriu-a. 
Lá dentro estava o anel mais simples que Eva alguma vez tinha visto. Ouro branco, com duas pequenas pedras. Era lindo. Tal como o seu namorado, não conseguiu conter a emoção. Afonso limpou-lhe delicadamente as lágrimas e aproximou a sua face da dela, e sussurrou:
– Então?
– É claro que sim. – Resposta que foi rapidamente abafada pelo beijo possessivo que Afonso fez questão de roubar à sua noiva. 
Enquanto London Eye oferecia a maior vista pela cidade de Londres, Eva e Afonso mantinham-se unidos por aquele beijo cheio de amor e promessas de um futuro feliz que se desvaneceu.

A recordação atingiu Eva em cheio. O melhor que tinha a fazer era pegar nas chaves e ir para a biblioteca. As lágrimas grossas ainda lhe rolavam pela face, toldandolhe a visão. Em poucos segundos, uma pequena recordação tinha feito com que aquela dor avassaladora regressasse e destruísse a pouca força que tinha sido obrigada a construir. Porque é que tudo tinha de acabar assim? Como é que este amor acabara? Afinal, o que teria ela significado para Afonso?
Perdida nestes pensamentos enquanto conduzia, Eva não imaginava o que estava para acontecer…

Quem quiser ler o conto na íntegra pode aceder através deste link. Gostaria de ouvir as opiniões dos leitores que me acompanham desse lado.

Desafios 2015 | Português no Feminino

Ler no feminino_2.png



Este será o primeiro desafio literário para 2015 e surgiu nas divagações entre mim e a Marta do blog I only have.

Andávamos nós a falar de ler em Português e do nosso parco conhecimento de escritoras portuguesas que fomos atingidas por um raio de iluminação e surgiu o nosso primeiro desafio de 2015: Ler livros de autoras portuguesas. 

Assim, eu e a Marta, propomo-nos ao longo do ano de 2015 ler, por mês, um livro de uma escritora portuguesa. Para além da leitura queremos também divulgar o trabalho dessa autora. Neste sentido, caso seja possível iremos contactar autoras e pedir-lhes uma pequena entrevista para o blog ou caso seja impossível publicar a entrevista iremos fazer um post com algumas informações acerca da autora. O ideal seria ler uma autora diferente por cada mês, mas pode não ser possível, por isso podemos repetir a leitura de uma autora. 

Caso haja alguma escritora portuguesa que queira figurar num dos nossos meses basta entrarem em contacto connosco. Teremos todo o gosto em ler o livro de alguém que escreve em português e que é mulher.

Quem se quiser juntar a nós poderá fazê-lo expressando a sua vontade nos comentários a este post. Nós teremos todo o gosto em acompanhar o desenrolar do vosso desafio. 

Tabela desafio português no feminino.png

sábado, 18 de outubro de 2014

TAG | Fall Time Cozy Time



Vi esta tag no blog Chaise Longue e como é dedicada ao Outono, uma das minhas estações preferidas a par com a Primavera, decidi que seria interessante responder.
É uma tag original deste canal.


Folhas estaladiças: O mundo está cheio de cor!!! – escolhe um livro que tenha vermelhos, laranjas ou amarelos na capa.

A Filha da Profecia (Trilogia de Sevenwaters, #3)
Este livro foi uma das minha melhores descobertas este ano. Andava reticente em experimentar Juliet Marillier, mas depois de ler A filha da floresta fiquei encantada com as personagens, a história e todo o universo criado pela a autora. É um bom livro para ler no Outono. 

Camisola confortável: Finalmente está frio o suficiente para usar roupa quentinha e confortável – que livro te transmite conforto.

Jogo de Mãos

Até ao momento, Nora Roberts numa me desiludiu com as leituras. São livros com uma leitura fácil onde o romance anda sempre acompanho por um pouco de mistério. Jogo de Mãos é o livro que marca a minha ligação com a autora, e é um livro que gosto de reler algumas passagens.

Tempestade de Outono: O vento sopra e a chuva martela – escolhe o teu livro preferido ou género para leres num dia de tempestade.
A Filha do Capitão

A história deste livro convida ao conforto do sofá, à suavidade de uma manta quente e a uma bebida quente e reconfortante enquanto do lado de fora da janela a chuva não se cansa de cair e de bater na janela e o vento de fustigar as árvores cada vez mais despidas.

Corrente de Ar: Qual é a personagem mais cool com que gostavas de trocar de lugar?

Torey Hayden. Não é bem uma personagem, uma vez que ela é real e existe, mas adorava trocar de lugar com ela e poder aproveitar todas as experiências profissionais que teve, assim como conhecer todos aqueles meninos especiais.

Poncha: Que livro sobrestimado gostarias que fosse o próximo grande sucesso?

O Primeiro Dia

Na minha opinião, acho que este livro deveria ser mais lido e mais apreciado pelas pessoas.

Casaco, cachecol e luvas: O tempo ficou frio, é tempo de nos protegermos – Qual é a capa mais embaraçosa que tens, e que gostas de manter escondida em público?

Não tenho nenhuma capa que considere embaraçosa.

Abóbora picante: Qual é a tua comida preferida de outono?
Catanhas assadas ou cozidas. 

Lareira quentinha e confortável: Espalha o calor – A quem passas a tag?
Quem quiser responder, está à vontade para a levar.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Palavras Memoráveis


Livro: A filha da floresta 
Juliet Marillier

Quem dorme deve acordar e confrontar-se com os seus medo, senão arrisca-se a perder-se, para sempre, nos lugares ocultos da mente.

***

Havia aqueles cujo amor transparecia cada gesto, partilhado assim por todos aqueles que os conheciam. Mas eram raros. 

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Top Ten Tuesday | 10 lugares que conheci em livro, reais ou ficção, e que quero visitar


Parece que esta semana vamos de viagem... Hoje é para indicar dez locais conhecidos através do livros que gostaríamos de visitar. Esses locais podem ser reais ou ficção. Aqui ficam as minhas "viagens", sem qualquer ordem em especial.


  • Paris - França
Não fosse Paris, a cidade luz e a cidade do amor e não teria o seu encanto... Aliás foi aqui que Afonso e Agnès (A filha do capitão de José Rodrigues dos Santos) viveram alguns dos seus momentos mais felizes. Literatura à parte, eu tenho um fascínio pela cultura francesa e pela França em si... Não vos sei explicar porquê, simplesmente gostava de respirar os ares de Paris...

  • Fjällbacka - Suécia

Eu tenho um gosto particular por países nórdicos, em especial pela Suécia e pela Dinamarca. Conheci esta pequena localidade através dos livros da Camilla Läckberg. Como gostava muito de conhecer Estocolmo, depois da minha estadia nesta cidade que parece maravilhosa dava um saltinho a esta terrinha simpática, onde acontecem muitos crimes,

  • Sevenwaters

Quem é que depois de ler os livros de Juliet Marillier não lhe apeteceu saltar para dentro do livro e explorar aquela floresta? Quem não desejou descobrir os mistérios e as lendas que aquele espaço encerra?


  • Barcelona - Espanha

Até ao momento só li um único livro em que parte da acção se desenrolava nesta cidade. O livro em questão é Amor em lume brando de Anna Casannovas. É uma cidade espanhola que eu gostava de conhecer, assim como outras cidades deste país.

  • Copenhaga - Dinamarca

Mais um país nórdico que me desperta interesse. A Dinamarca chega até mim através do livro O cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner Andresen. Adorei a história e apesar de ter pouco deste país, adoraria conhecê-lo.

  • Ilha de Creta - Grécia

Quem é que não gostaria de umas férias nas ilhas gregas? Eu adorava. Conheci esta ilha através do livro A ilha de Victoria Hislop.

  • Carolina do Norte - EUA

Este estado dos Estados Unidos da América é palco de muitas das histórias de Nicholas Sparks. Normalmente, quando o autor introduz descrições sobre os locais eu gosto e dá-me vontade de visitá-los. 

  • Milão - Itália

Sveva Modignani nos seus livros usa Itália como o local dos acontecimentos das suas narrativas. Eu gostaria de conhecer Itália de uma ponta a outra. Escolhi Milão porque é o palco do livro que mais gostei da autora até agora, que é Lição de Tango.

  • Londres - Reino Unido

Poucas vezes me cruzo com Londres. O último livro que li em que esta cidade serviu como pano de fundo foi Uma rapariga dos anos 20 de Sophie Kinsella. Numa parte deste livro são referidos locais de referência desta cidade e que eu adorava visitar.

  • Moscovo - Rússia

Mais um dos países que eu adorava visitar, e em particular a cidade de Moscovo. Cruzei-me com a Rússia nos livros O grande amor da minha vida de Paullina Simons e no Anna Karenina de Leo Tolstói.
No livro O grande amor da minha vida,  Moscovo não é o local de acção, mas a autora apresenta outros locais que eu gostava de visitar, nomeadamente Lazarevo e Leningrado.

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Palavras Memoráveis

(imagem retirada daqui)


Era como se a perda tivesse tomado conta da sua alma, o tivesse esvaziado por dentro.
Luanne Rice, Milagre em Nova Iorque

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

[Opinião] Sepulcro (Languedoc #2)


Sepulcro (Languedoc,#2)

Autor: Kate Mosse
Ano: 2010
Editora: Livros d'Hoje
Número de páginas: 656 páginas
Classificação: 4 Estrelas

Sinopse
Meredith Martin chega a Domaine de la Cade para fazer uma pesquisa para a biografia de Claude Debussy. Mas tem o desejo de descobrir as origens da sua família, que remontam à região. As únicas chaves que tem são a velha partitura de piano, as fotos antigas que a sua mãe lhe deixou e as cartas em que nunca acreditou. De imediato é cativada pela trágica história da casa, que se diz ser assombrada, e pelo destino de Léonie Vernier – uma jovem que em 1981 rumou a Domaine de la Cade com o seu irmão e que em 1987, no dia de Todos-os-Santos, desaparece sem deixar vestígios. Nessa mesma noite, numa pequena aldeia do vale, um sacerdote idoso e recluso é brutalmente assassinado. As únicas ligações entre os dois acontecimentos são a música fantasmagórica que paira no ar nos antigos bosques da montanha e a carta de tarot colocada na mão do morto: a carta XV, O Diabo. Os assassinos nunca foram julgados e o corpo de Léonie nunca apareceu. Quando Meredith vê um antigo túmulo escondido dentro do recinto e ouve a música fantasmagórica que ecoa durante a noite, percebe que a história das cartas está longe de estar morta e enterrada. Contra a sua vontade, vê-se numa corrida contra o tempo, tanto para encontrar o tarot de Vernier como para solucionar o antigo mistério do desaparecimento de Léonie, sem se tornar ela própria a mais recente vítima.

Opinião
Foi à segunda tentativa que consegui ler este livro. O ano passado, por alturas do Verão trouxe este livro para ler. Ainda cheguei à páginas 140, mas tive de desistir porque não me estava a adaptar à história. Por algum motivo que eu não consigo explicar, estava a ser uma leitura custosa e então decidi abandonar o livro. Quando o fui deixar à biblioteca, o senhor perguntou-me o que é que eu tinha achado, eu disse-lhe o que tinha desistido e ele só me falou bem do livro. Como confio nos gostos do senhor (já de outras vezes me deu boas indicações), esta conversa fez-me anotar mentalmente que seria para dar uma segunda oportunidade a este livro.
E agora, no fim da leitura, não me arrependo.

O livro Sepulcro é o segundo livro de uma série mas, pela minha experiência, podem ser lidos separadamente. O facto de não ter lido o primeiro não afectou em nada a compreensão deste segundo livro. Pelo que fiquei a saber, a única coisa que une a série é o facto de o local da acção ser comum aos diferentes livros, porque o restante diverge.

No livro podemos encontrar duas histórias paralelas separadas no tempo. Por um lado, temos a história de Meredith que decorre no ano de 2007. Esta personagem procura a história da sua família biológica enquanto escreve a biografia de Debussy. Por outro lado, temos a história que decorre entre 1891 e 1987 que nos traz a vida de Léonie, Anatole e Isolde.

A parte recente do livro não é aquela que mais me cativou. No fundo, é sempre uma preparação para a história passada uma vez que há uma ligação familiar entre as personagens do presente e do passado.

Relativamente à história passada tenho a dizer que é bastante interessante. Há muita história e mistério em torno da propriedade de Domaine de la Cade. É para este lugar que Anatole e Léonie vão viver, depois de uns acontecimentos em Paris. Léonie é uma jovem de 17 anos muito inteligente e curiosa e logo que chega a Domaine de la Cade observa e explora tudo aquilo que lhe é possível.
Nestas explorações depara-se com uma espécie de capela na propriedade que é denominada de sepulcro. Em torno desta ruínas a autora desenvolveu um mistério interessante e que tem como chave importante um livro e um baralho de Tarot bastante especial.

É um livro com muito simbolismo, muitas lendas e magia, aspectos associados a ambas as épocas. Eu gostei destes elementos do livro, gostei particularmente das explorações do significado das cartas de Tarot e naquilo que elas representavam para todo o universo do livro.

O que menos gostei e que me desmotivou um pouco foi o excesso de descrições. A autora é muito minuciosa e explora todos os pormenores, chegando a ser extremamente detalhada em alguns momentos do livro. Confesso que em algumas partes me perdia na leitura e tinha de voltar a ler porque entretanto o meu pensamento divergia para outros lados e a compreensão do que estava a ler ficava pelo caminho. Na minha opinião, este é o grande ponto negativo do livro. Se a autora fosse mais objectiva a leitura teria sido bem mais fácil.

Em todo o mistério que preenche as páginas do livro, há certas coisas que são um pouco confusas. Pelo que eu percebi a parte mística, mágica a sobrenatural é a grande explicação para muitos dos acontecimentos. Mas para ele tome outras proporções, é alimentada pelas lendas locais. Porém este paralelismo é um pouco confuso, Às vezes fiquei sem saber onde acabava um e começava o outro. Contudo, a ideia geral do livro ficou.

A parte do romance romântico não tem grande destaque no livro, Há duas histórias de amor principais, e uma quase-história. Uma delas é passada no presente e a outra juntamente com a quase-história no passado. Não me vou alongar muito neste aspecto porque focando-me na história passada iria encher esta opinião de spoilers e que não quero quebrar nem o mistério nem o factor surpresa. É fácil intuir algumas coisas, mas mesmo intuindo e descobrindo antes da revelação a ânsia de querer uma justificação e explicação faz com que se vá avançando na leitura.

Este é daqueles livros ideais para quem gosta de mistério com um toque de sobrenatural.
Pessoalmente, gostei mais dos significados e simbologia em torno das cartas de Tarot, das quais já sabia alguma coisa.
Para conseguir levar esta leitura até ao fim é preciso um pouco de persistência para conseguir ultrapassar os períodos mais aborrecidos do livro. Porém passados esses aborrecimentos, sentimentos completamente envolvidos em todo o mistério.   

terça-feira, 7 de outubro de 2014

[Apresentação] Projecto Conjunto | Empréstimo Surpresa


Tanto eu como a Denise do blog Quando se abre um livro somos adeptas da biblioteca e dos empréstimos. Só desta forma nos é possível ler mais livros, uma vez que o dinheiro não abunda por estes lados.

Experimentamos alguns empréstimos entre nós este ano, e agora decidimos enquadrá-los num desafio. Assim, vamos continuar com os nossos empréstimos, mas desta vez não vamos escolher os livros que queremos ler uma da outra. O que vai acontecer é que vamos enviar livros surpresa para que a outra leia. 

Estamos a pensar dar o prazo de um mês, um mês e meio, para que a outra consiga ler e depois enviar o livro lido, juntamente com o livro surpresa. 

Para que estes empréstimos sejam mais dinâmicos, iremos enviar, juntamente com o livro, um conjunto de pequenos desafios, para que a outra responda, acerca do livro em questão! 

Esperamos que acompanhem este nosso novo projecto!!

Boas leituras!

Top Ten Tuesday | Livros difíceis de ler


Há livros que por algum motivo se tornam de difícil leitura para nós. Essa dificuldade pode advir da nossa relação com a história ou com as personagens, com o tema que é abordado... Há uma imensidão aspectos que transformam uma leitura agradável num momento de ansiedade e desespero. Hoje terei de eleger os 10 livros achei mais difícil ler. Fico à espera das vossas opiniões desse lado. O tema era da semana passada, mas como não gostei do tema desta preferir adopta

Mulher em Branco de Rodrigo Guedes de Carvalho

Mulher em Branco

O meu problema com este autor é mesmo o seu tipo de escrita. Não consigo identificar-me com a forma como ele decide contar as suas histórias o que, para mim, torna a leitura muito difícil.

Mil noites de paixão de Madeleine Hunter

Mil Noites de Paixão

A forma confusa como a história deste livro foi escrita tornou a minha leitura bastante difícil.

Messias de Boris Starling

Eu adorei este livro. Até agora é dos melhores policiais que já li e por ser tão bom a leitura foi complicada. Dei por mim a parar em algumas cenas porque a descrição me estava a causar náuseas.

Ana Karenina de Leão Tolstoi 


É um clássico difícil de ler. A sua dimensão assusta logo, mas no interior a narrativa, por vezes, arrasta-se e torna a leitura muito custosa.

Almas cinzentas de Philippe Claudel
Almas Cinzentas

Apesar do o livro ser pequeno, a minha leitura foi bastante demorada. A minha relação com a história e as personagens não foi das melhores.

A rapariga que inventou um sonho de Haruki Murakami
A Rapariga que Inventou um Sonho

Ainda hoje nem sei como tive coragem para chegar ao fim deste livro. A escrita do autor tornou a minha leitura muito penosa.

O perfume de Patrick Süskind
O Perfume - História de um Assassino

Não gostei nada do livro. Não me senti envolvida pela história, nem a achei cativante. 

Revolutionary Road de Richard Yates
Revolutionary Road

Foi uma leitura muito difícil e aborrecida. Não me senti atraída pelo conteúdo do livro.

Fazes-me falta de Inês Pedrosa

Apesar da leitura ser aborrecida, consegui levá-lo até ao fim. 

O último livro de Zoran Živković

O último livro

Este livro tem uma história tão pouco desenvolvida que fez com que eu perdesse o interesse pela leitura do livro. Esta perda de interesse fez com que a leitura se arrastasse.