terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Opinião | "Peónia Vermelha" de André de Oliveira

Peónia Vermelha
Classificação: 1 Estrela

Peónia Vermelha é daqueles livros em que a expressão less is more se aplica na perfeição. Explicando-me melhor, se o livro se tivesse centrado na premissa que origina toda a a narrativa e todos os acontecimentos se desenrolassem de forma consistente e coerente com essa mesma premissa teríamos um livro com um enorme potencial. 

Eu esperava bem mais deste livro. Em primeiro, porque a temática que a sinopse nos permite antever é interessante e me despertou curiosidade e, em segundo lugar, porque foi um livro falado na internet e que tinha sido alvo de uma leitura beta. 

De entre muitas coisas que me foram desapontando ao longo da leitura, foi a necessidade do autor em misturar tantas temáticas ao ponto de a ideia centrar do elixir da juventude que estava a ser produzido por uma farmacêutica. À medida que vamos lendo, aquilo que eu senti, foi que a mistura de tantas temática ficou aborrecido e iam perdendo o interesse porque o autor não as esgotava em termos estruturais e em termos emocionais. 

Relativamente às personagens, senti que a sua caracterização é reduzida e pouco profunda. A dada altura aquilo que me saltou ao olhar foi a futilidade que preenchia a vida de alguns. Para além disso, a forma como o autor foi construindo o mundo em trono delas gerou-me alguma confusão em assimilar o processo de vida de cada um. Penso que o autor deveria limitar as desgraças e as coisas que preenchem o interior das suas personagens. Seria muito mais agradável se elas tivessem, para nós, circunstâncias bem definidas na narrativa e situações de vida boas e más de uma forma mais equilibrada. 

No meio de tanta festa, traições, amores e desamores e inseguranças, a situação da farmacêutica acaba por se mostrar pouco. Senti que ficou esbatida e que foi pouco explorada. 

Sendo o primeiro livro do autor, desejo que este seja um livro de transição e crescimento. Espero que quando abraçar um novo projeto literário consiga dar-lhe mais consistência e coesão narrativa. 

Nota: Este livro foi-me cedido pela editora em troca de uma opinião honesta.

4 comentários:

  1. Olá Silvana,
    Concordo totalmente contigo. Também fiquei bem curiosa com este livro por causa da sinopse e por ouvir falar bem dele na internet mas também me desiludiu.
    Achei o que o autor quis "pôr tudo e mais alguma coisa" na história e achei as personagens algo irreais. E a cena de terem sempre 3 nomes e se referirem com o nome completo, mesmo entre irmãos?
    Tal como tu, esperava muito mais. Mas é como referes, é apenas o primeiro livro do autor.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Tita,
      De facto ele quis mesmo "pôr tudo e mais alguma coisa". Sim, eu lembro-me de ter visto isso na tua opinião e ao longo da leitura torna-se aborrecido. Bem como a constante referência à categoria profissional do "homem mais importante da Europa".
      Sim, ele pode evoluir. Este livro, bem devastado, cortando o que não interessa e incidindo na premissa que lhe deu origem, poderia ser bem melhor.
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Parece que é uma opinião comum a algumas pessoas que lêem o livro.
      Obrigada pelo comentário.

      Eliminar

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!