terça-feira, 18 de abril de 2017

ACMA | Hobbies e Saúde Mental


Recentemente, decidi aderir a um projeto bastante interessante que fiquei a conhecer aqui na blogosfera: denomina-se A Cultura Mora Aqui e reúne um conjunto diversificado de bloggers e youtubers que todos os meses recebem um tema para desenvolver, ficando ao seu critério participar ou não nesse mês. 

Eu apanhei um tema transversal aos meses de março e abril. Contactei a Ju, do blog Cor Sem Fim, o cérebro desta iniciativa, no final de março e comprometi-me a abraçar o tema que estava em curso.

Desta forma, o tema escolhido foram os hobbies. Penso que seja um assunto muito vasto e comum a todos os humanos. Dada a sua vastidão, poderia escrever sobre qualquer coisa. Contudo, decidi fazê-lo acerca da relação entre hobbies e saúde mental.

Normalmente, todos nós encaramos os hobbies como aquelas atividades que, para além de preencher os nossos tempos livres, funcionam como uma alternativa aos empregos, que nos tornam o dia preenchido e cheio de responsabilidades. Assim, gosto de olhar para eles como uma espécie de libertação mental, como se fosse uma aspiração central do nosso meio interior, do nosso pensamento, do nosso consciente e subconsciente. 

Geralmente, os hobbies são uma enorme fonte de prazer para quem os pratica. Estes podem passar pela leitura, pelos trabalhos manuais, pelo exercício físico. No fundo, são um conjunto infinito de atividades que fazemos por prazer, que nos proporcionam um enorme bem-estar, que favorecem a nossa autoestima (pois, por norma, sentimo-nos realizados e competentes nos nossos hobbies) e que nos permitem desligar de aspetos negativos, de sentimentos de tristeza, de falta de motivação. Penso que, em muitos casos, os hobbies são uma espécie de antidepressivo natural, que nos ativam de forma positiva e que facilitam a forma como encaramos os desafios mais intensos do nosso dia-a-dia.

Sinto que as preocupações com a saúde mental nos países desenvolvidos têm tendência a aumentar. O estilo de vida intenso, os problemas sociais e a forma como decidimos viver a nossa vida poderão ser elementos que destabilizem o nosso equilíbrio emocional, fragilizando a nossa saúde mental e, consequentemente, conduzindo-nos a determinadas perturbações mentais. Assim, torna-se urgente sensibilizar as populações para estes aspetos e incentivá-las à adoção de atividades de tempos livros que as fortaleçam enquanto pessoas. Em jeito de conclusão, quero destacar que, dado todos os aspetos que mencionei anteriormente, os hobbies poderão ser um fator protetor na manutenção de uma saúde mental sólida, que nos tornam pessoas resilientes e capazes.

Se quiserem fazer parte deste projeto basta falarem com a Ju, através do seguinte email, acma.cultura@gmail.com. O projeto também está presente no facebook, através da página que podem consultar aqui.


Lista de criadores:

6 comentários:

  1. Olá!
    Que projecto giríssimo!! Vou já ver o que é.
    E concordo contigo. Acho que os hobbies são um excelente anti-depressivo. Devíamos dedicar uma parte do nosso dia a fazer o que nos dá prazer. Pela nossa saúde mental.
    Beijinhos e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Isaura!

      Por acaso é mesmo giro.
      Não diria melhor: são mesmo uns antidepressivos fabulosos e fazem um bem danado pela nossa saúde mental.
      Beijinhos

      Eliminar
  2. os hobbies efetivamenet ajudam-nos a equilibrar as nossas vidas...a sentir o prazer e fazer algo, em desafiar-nos, em aprender!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário, mami.
      É mesmo isso que disseste. Os hobbies contribuem em muito para o nosso bem-estar integral.
      Boa semana.

      Eliminar

Obrigada pelo tempo que dedicaste à minha publicação!